Tite já convocou 7 goleiros e é possível que nenhum deles vá à Copa

14
Alex Muralha, goleiro do Flamengo, na Seleção Brasileira – Foto: Divulgação

FOLHA
DE SÃO PAULO
: Por Juca Kfouri

Alisson,
da Roma, tem sido o titular nos jogos oficiais e, por ser pouco exigido, ainda
não ganhou a confiança do torcedor, além de não ser titular em seu clube.
Weverton,
do Furacão, campeão olímpico, esteve em todas as convocações.
Parecem
ser os dois preferidos de Tite que já convocou também Alex Muralha (hoje
reserva no Flamengo), Ederson (Benfica), Danilo Fernandes (Inter), Marcelo
Grohe (Grêmio) e Diego Alves, do Valencia, o maior pegador de pênaltis da
história do Campeonato Espanhol, acostumado a enfrentar os melhores atacantes
do mundo, os do Barcelona e os do Real Madrid.
Muralha
à parte, são todos bons goleiros, embora não tenhamos nenhum Gianluigi Buffon,
o veterano goleiro da Itália, ou Manuel Neuer, o extraordinário alemão.
Do
mesmo nível que a maioria dos goleiros convocados por Tite temos em atuação no
Brasil, em ordem alfabética, Cássio (Corinthians), Fernando Prass (Palmeiras),
Victor (Galo) e Vanderlei (Santos), para não falar do botafoguense Gatito
Fernández que é paraguaio e tem deixado no banco o recuperado Jeferson,
ex-titular de Dunga na seleção.
Dos
quatro, Cássio é o mais provado internacionalmente, campeão da Copa
Libertadores, assim como Victor, e do Mundial de Clubes da Fifa, como só ele.
Está
em plena forma e não nega fogo nos momentos decisivos, embora leve a
desvantagem de aparecer pouco, porque muito bem protegido pelo esquema
defensivo corintiano.
Mais
que ele tem aparecido Vanderlei, graças às deficiências da defesa santista.
É
sabido que goleiro de time pequeno aparece mais (atenção: não é, evidentemente,
o caso do Santos!) e provavelmente foi por isso que o Flamengo buscou Muralha
no Figueirense, embora o Inter tenha feito o mesmo com Danilo Fernandes, no
Sport, com resultado inverso.
Goleiro,
como se sabe, é cargo de confiança.
Tite,
de todos os arqueiros (sim, antigamente os goleiros eram chamados também assim,
porque protegiam o arco, a baliza, as traves, enfim, o gol) citados tem, por
razões óbvias, em Cássio o mais confiável.
Apenas
Ederson, 23, e Alisson, 24, além do descartável Muralha, 27, não terão
ultrapassado os 30 anos na Copa do Mundo, idade ideal para a maturidade de quem
desempenha a função mais ingrata do futebol, o único que não pode falhar.
Neste
quesito, por sinal, Fernando Prass completará, durante a Copa, os mesmos 39
anos que Buffon tem hoje.
São
dados que devem ser levados em conta ao escolher os três goleiros e que
certamente estão no radar não apenas do técnico, mas também do preparador de
goleiros da seleção, ninguém menos que Cláudio Taffarel, campeão mundial na
campanha do tetra nos Estados Unidos, em 1994, quando tinha… 28 anos… e
pegou pênalti na final contra a Itália.
Dos
quatro goleiros titulares campeões mundiais pelo Brasil, Gylmar, duas vezes,
Taffarel, Marcos e Félix, só o último não era brilhante e sua reconvocação,
feita por Zagallo ao substituir João Saldanha, deveu-se exatamente ao fato de
já ter 32 anos, pois os prediletos do técnico derrubado eram Ado, 24, e Emerson
Leão, 21, do Corinthians e do Palmeiras.
Que
São Marcos ilumine Tite.

COMENTÁRIOS:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here