Tudo na mesma

17
Berrio em Corinthians x Flamengo – Foto: Gilvan de Souza

FALANDO DE FLAMENGO: Por Henrique Dias

E lá
se foram os jogos decisivos contra Santos e Corinthians. E a pergunta que não
quer calar, apesar da classificação para as semifinais da Copa do Brasil, é: no
que o Flamengo melhorou? A resposta é simples: em nada.
Começando
pelo jogo contra o Peixe, na última quarta-feira (26), na Vila Belmiro, mais
uma vez saímos na frente e permitimos o empate em um contra-ataque. No segundo
tempo, voltamos a liderar o placar, mas, após uma lambança do zagueiro Rafael
Vaz, o time entrou em pane, e quase pôs a perder uma classificação que poderia
ter sido muito mais tranquila.
Neste
domingo (30), diante do Corinthians, em São Paulo, pela 17ª rodada do
Campeonato Brasileiro, o roteiro foi quase o mesmo, erro de passe, contra-ataque
para o adversário, bola enfiada entre os zagueiros rubro-negros, e gol dos
paulistas. Já perdi a conta de quantos gols tomamos dessa forma nos últimos
confrontos.
Fica
evidente que a maior dor de cabeça do técnico Zé Ricardo é a defesa. Principalmente,
no que diz respeito ao posicionamento e à recomposição. Dificilmente, a
cobertura no avanço dos laterais é eficiente. Até agora, não consigo entender a
venda do argentino Donatti, que em pouco tempo já é o capitão de sua equipe no
México. Com as contusões de Rhodolfo e Léo Duarte, nossas opções ficaram
bastante restritas.
Volto
a repetir, se o Mais Querido ainda almeja algum título importante na temporada
não pode continuar cometendo os mesmos erros. Não só na defesa, mas também na
criação. Contra o Corinthians, o gol do Réver e nossas melhores chances, à
exceção da perdida por Diego, foram em escanteios e bolas levantadas na área.
Vamos
trabalhar professor, já que temos apenas dois dias antes de enfrentar o Santos,
em mais um “jogo de seis pontos” contra um concorrente direto por uma vaga na
Libertadores.
DIEGO
Na
única chance clara de gol que tivemos, em uma jogada trabalhada, diante do
Corinthians, nosso camisa 35 ficou frente a frente com o goleiro Cássio e
desperdiçou. Nas redes sociais, muitas críticas e a lembrança do pênalti
perdido contra o Palmeiras. Quatro pontos que, sem dúvida, vão fazer falta, mas
não podemos esquecer de todos os outros que ele nos ajudou a conquistar.
ARBITRAGEM

O
nível da arbitragem brasileira continua lamentável. Se na semana passada,
escrevi aqui que fomos prejudicados diante de Palmeiras e Coritiba, neste
domingo (30), o gol marcado pelo centroavante Jô foi anulado de forma bisonha.
Ou seja, o foco não pode ser o apito nunca. Até o final do campeonato, muitos
erros contra e a favor, ainda virão.

COMENTÁRIOS: