Apolinho inventa “problema interno” no Flamengo com Rueda

37
Foto: Reprodução

SPORTV:
Desde que passou a comandar o Flamengo, o técnico Reinaldo Rueda ainda não
conheceu o sabor da derrota. Foram quatro partidas, com três vitórias, uma
levando o time à final da Copa do Brasil, e um empate. Tanto entre jogadores,
torcida, comissão técnica e diretoria, é consenso que o treinador melhorou o
desempenho da equipe, principalmente na parte defensiva, e a tornou mais
objetiva na hora de decidir. Bom no trato com os atletas, logo deu moral a um
comandado conhecido, o ponta Berrío. Juntos, conquistaram a Libertadores de
2016 pelo Atlético Nacional. E ao ser decisivo na vitória por 1 a 0 sobre o
Botafogo, dando a “letra da vaca” sobre Victor Luís e centrando na
medida para Diego marcar o gol da vitória, o camisa 28 colombiano conquistou do
treinador a vaga de titular no ataque rubro-negro.

Para o
comentarista da Rádio Tupi Washington Rodrigues, o Apolinho, Reinaldo Rueda tem
mostrado competência ao arrumar melhor o Flamengo taticamente e torná-lo mais
objetivo, mas vai precisar mostrar também ser bom no trato com egos e vaidades
de jogadores. Isso porque Éverton Ribeiro, contratado no meio do ano, era até
então o titular da posição, mas perdeu espaço no time principalmente pelo fato
de não estar inscrito para a Copa do Brasil.
– Ele
tem um pequeno problema interno agora que vai enfrentar, que é dizer que o
Berrío é titular e o Éverton Ribeiro é reserva. Porque ele vai valorizar o
Berrío, que é um jogador que tem muita força, velocidade e um péssimo
relacionamento com a bola, ele e a bola estão sempre em discussão. Mas conhece
o Berrío, porque foi jogador dele. Ao dizer que é titular, depois daquela letra
que deu no lateral do Botafogo, isso aí para o ego do menino deve ter sido fantástico.
Ele pode ter ganho esse jogador. Agora, ele vai ter que tratar do Éverton
Ribeiro, porque é um jogador que não veio para ficar na reserva. Ao titularizar
o Berrío, evidentemente vai sobrar alguém. Por isso eu digo que esse negócio
que a tática quatro um, quatro um sei lá o quê, isso é secundário. O problema
ali é gerenciar vaidades e conflitos. Agora, o Rueda tem uma missão: fazer a
cabeça do Éverton Ribeiro para não perdê-lo. É um jogador precioso – disse o
Apolinho no “Redação SporTV” desta quarta-feira.
Escalado
para a partida da noite desta quarta, contra o Paraná, pela Primeira Liga, em
Cariacica, Éverton Ribeiro vai atuar na posição de Diego, no meio-campo. O
apresentador André Rizek acha que Rueda o vê mais nessa posição. No entanto,
quando chegou ao Flamengo, o camisa 7 era a grande esperança para resolver o
problema no ataque do lado direito, e por lá tem tido boas atuações no
Brasileirão.
– Na
Copa do Brasil isso não é problema porque o Éverton Ribeiro não pode jogar. Mas
vai causar um problema na sequência – disse o comentarista do SporTV Carlos
Cereto.
O
jornalista Márvio dos Anjos, editor de Esportes de “O Globo”, lembrou
que Apolinho viveu experiência semelhante em ter de administrar egos no próprio
Flamengo, quando assumiu o cargo de técnico da equipe em 1995, e o elenco tinha
no ataque titular Sávio, Romário e Edmundo. Ao chegar, Washington Rodrigues deu
moral ao meia-atacante Nélio, que estava afastado do elenco, treinando à parte,
com a declaração “Meu time é o Nélio e mais dez”. Apolinho lembrou o
episódio.

Falei para ele: “Pega o colete, vai para o campo e vai treinar.”
Treinou, terminou, eu falei para ele: “Capricha que você vai jogar.”
Os olhos do Nélio brilharam. Jogar na Argentina, na minha estreia, contra o
Vélez Sarsfield (pela Supercopa, equivalente à Copa Sul-Americana) . Ele
treinou, viajou, escalei como titular, se matava em campo, ganhamos o jogo por
3 a 2. No finalzinho, tinha um ponta-esquerda do Vélez que corria mais do que
notícia ruim, e o Nélio tinha que acompanhá-lo. Ele deu um pique aos 38 atrás
do cara na diagonal, foi encontrá-lo na linha de fundo, saiu com o cara, se
embolaram, e lá ele ficou deitado. Aí eu fui falar com ele, e ele me disse.
“Acho que não vai dar mais.” Aí falei assim: “Nélio, vem cá, se
soltar um leão aí, tu não sai correndo? Então, levanta e vai lá…” E ele
jogou até o fim, e jogou comigo o tempo todo. Então, essa coisa que esse rapaz
(Rueda) está fazendo, ele pode salvar o Berrío, transformar o Berrío num
jogador importante, mas ele precisa tratar do outro para não perder – disse
Apolinho.

COMENTÁRIOS: