Chorou…

25
Torcida do Flamengo provocando o Botafogo com “chororô” – Foto: Nayra Halm/Themapress

BOTECO
DO FLA
: Sorin

Mais
uma vez não foi exatamente das melhores partidas de futebol já vistas na Copa
do Brasil. Poucas chances de gol para ambos os lados. Thiago inclusive ostentou
no marketing, mostrando as vantagens do seu Plano ST Mais Paixão Desarvorada
Mega Plus, que dá direito a assistir tudo tranquilamente de dentro do campo. O
momento de mais trabalho foi na hora que levou um tranco do Réver.
Se
pelo lado coletivo a coisa não andava pra nenhuma das duas equipes, o lance que
decidiu acabou tendo o toque da individualidade. Berrío deixou Victor Luís sem
entender nada do que aconteceu até agora e deu assistência mais que perfeita
para o Homão da Porr*, decisivo mesmo quando não faz grande partida, colocar o
Flamengo em mais uma Final do torneio na luta pelo tetra. A vaga foi tão
merecida que a melhor oportunidade para os alvinegros foi uma cabeçada para
fora.
Nuvens
cinzentas no horizonte dos eliminados da noite de ontem. Grêmio e Botafogo se
enfrentam pela Libertadores e aquele que sair vencedor vai acabar decretando um
fim de temporada precoce para quem ficar pelo caminho. E conhecendo o futebol
brasileiro como todos nós conhecemos, iniciar uma provável recomposição e
recomeçar tudo do zero. Mas isso não é problema nosso. Cada um com a sua cruz.
Senti
falta no noticiário do pós-jogo de qualquer declaração do Presidente deles, o
Carlos Eurico. Adora um holofote e um microfone, mas curiosamente deu uma
sumida estratégica. Parece que o drible do Berrío foi tão eficiente que
deslocou mais gente além do jogador alvinegro que viu (ou não viu) mais de
perto a pintura.
Começo
de trabalho bem interessante do Rueda. Mostrando personalidade e confiança nas
suas observações e decisões. Já jogou Márcio Araújo pro banco, já botou Vaz na
lateral, improvisou Pará na esquerda, Paquetá de centroavante. Um bom número de
decisões quase inéditas pra quem chegou faz tão pouco tempo. E pensando bem…
Nunca tinha me ocorrido, mas até que é bem melhor o cara iniciar 2018 no meio
da fogueira de 2017, que ter o primeiro contato com o time nas fracas e
sonolentas disputas contra a nanicada do Carioqueta. Podia até desanimar em uma
dessas tardes de quarta em confrontos contra Tigres, Boavista e afins e pensar:
“Ué? Estão me pagando pra isso?”.
Brasileirão…
Bem… Bora seguir fazendo o melhor que der. Ontem mais uma vez o Corinthians
deu mostras de que não vai largar esse osso tão fácil assim, marcando gol
contra a Chape ao apagar das luzes e mantendo uma segura distância até mesmo
para o segundo colocado. Sobre o abismo de pontos em relação ao Flamengo então
é melhor nem comentar.
Foi
mais uma noite de festa no Maraca como só a Nação sabe fazer. Que venham
outras. Agora que o Flamengo acabou dando uma recuada na postura radical e pé
firme que pretendia manter em relação à utilização do estádio… A Nação quer
mais. Tanto na Final como na Sul-Americana. E como não custa nada sonhar… Governadores,
Prefeitos, Diretorias, Concessionárias… Tudo isso vai mudando com o tempo. O
Flamengo é eterno e a gente ainda torce para que o Maracanã também seja. Quem
sabe?
Bora
torcer.
Isso
aqui é Flamengo.

COMENTÁRIOS: