É esse o Flamengo que merecemos

28
Zé Ricardo e Victor Hugo, Preparador de goleiros do Flamengo – Foto: Staff Images

ESPN
FC:
Por Marcos Almeida

O
Flamengo é e sempre será constituído por todos nós. Do mais antigo torcedor ao
que acaba de nascer, passando por presidente, treinador, zagueiro central e
ponta-direita. O departamento de futebol monta um time, treinado por um
técnico, contratado ou mantido pelo presidente que tem a missão de guiar o
clube para atender aos anseios da torcida. É uma força vinda de vários lados,
com distintas intensidades. Se uma parte falha, cabe às demais se unirem para
repará-la. Mas quando quase nada vai bem, é hora de pensar se nós – todos nós –
estamos levando o Flamengo ao caminho certo.
Se no
Pacaembu a quarta-feira foi de lamento, talvez na Gávea ela tenha sido de
comemoração. 2 de julho de 2017 foi o dia em que o Flamengo se tornou o clube
brasileiro com mais inscritos no Youtube. Vivemos excelente fase nas redes
sociais, aliás. Estamos entre os que mais crescem no Facebook no planeta. Não é
possível que o resultado de tamanho sucesso não vá se refletir em campo. Logo
mais, o Mengão conquistará o mundo! Logo mais…
Esse
Flamengo, de agora, é o time do “logo mais”. Estamos sempre pensando no amanhã,
pouco fazendo para garantir o hoje. E quem apenas sonha, sem buscar atingir o
sonho, não sai do lugar. Agosto mal chegou, Libertadores e Brasileiro foram por
água abaixo, e todo mundo já está projetando o ano que vem. Do mesmo jeito que
fizemos em 2014, 2015, 2016.
A
eleição, no ano retrasado, traria um supertime em 2016, comandado por um baita
treinador. Com Mancuello, ali no meio, ninguém pararia o Flamengo! Caímos para
uma equipe de Série C na Copa do Brasil, adentramos o Brasileiro sem defesa. Aí
trouxemos a dupla de zaga reserva do time que seria rebaixado, e a quarta opção
do que já estava na Série B. Pouco. Foi necessário contratar um craque – Diego
–, e o Flamengo decolou. Do banheiro químico à perfumaria, só se sentia o tal
“cheirinho de hepta”.
Sequer
o Mengo ocupou a ponta da tabela, mas não havia problema. Imagina aquele time
com os reforços de 2017? Seria campeão de tudo! Réveillon passado e mantivemos,
na equipe titular, o zagueiro que não poderia ter saído da segunda divisão.
Abrimos mão de goleiros experientes porque defesa, no futebol, é bobagem. Quem
precisa de uma boa retaguarda quando Darío Conca, pesando entre 120kg e 413kg,
chega para ser o novo cara do time? “Pena que só joga no mata-mata da
Libertadores”.
Não
teve mata-mata, mas nem tudo estava perdido. O Brasileiro havia apenas começado
e o Mengão meteu 3×0 no Atlético-GO logo na segunda rodada! Em 9 partidas,
vencemos somente duas, ambas contra eles. Daquele jeito não ia dar,
precisávamos de mais um zagueiro, um atacante que ano passado disputou a
segunda divisão chinesa, e um novo craque. Vieram Rhodolfo, Geuvânio e Everton
Ribeiro. Rhodolfo, aliás, foi apresentado na segunda, jogou na quarta e virou
titular. Não aguentou.
A
fase, contudo, era boa. Batemos as fortes equipes de Ponte Preta, Chapecoense,
Bahia, São Paulo, Vasco e Palestino. Ganhamos, também, de um Santos mequetrefe
na Copa do Brasil. Tudo levava a crer que o cheirinho de hepta, em 2017, teria
também sabor. Mas aí o Flamengo começou a tropeçar em times fracos. Grêmio,
Cruzeiro, Palmeiras, e tomou o troco do Santos, embora sem perder a vaga na
semifinal.
As
coisas iam mudar, o adversário seguinte era o surpreendente líder e o Flamengo,
de uma vez por todas, estaria livre de problemas, carências. #Eutenhogoleiro! E
o goleiro jogou duas vezes, tomou 5 gols – um pessimamente anulado. Foi mal em
2 desses 5.
A
janela fechou. Agora não dá mais pra apagar derrotas com contratações vindas do
exterior. Ainda bem que a sorte está ao nosso lado! Mesmo vencendo apenas 1 dos
10 primeiros colocados, o Flamengo ainda assim é o “melhor do Rio”, com uma
rodada de vantagem sobre o Botafogo. “Ih, Libertadores qualquer dia tamo aí!”
Talvez
pra fracassar de maneira inédita. 1×1 em Caracas, 2×2 no Rio, e dá pra ser
eliminado antes mesmo da fase de grupos! Sem qualquer trauma ou demonização,
afinal o importante, agora, é frequentar constantemente a Libertadores. Só
adquirindo essa experiência para sair vencedor. Vide o Atlético-MG, que batia
ponto no torneio nos anos que antecederam 2013; ou o próprio Flamengo, cuja
estreia se deu justamente em 1981.
81
acabou em dezembro. Nos últimos 2 meses do ano, perdemos Cláudio Coutinho,
devolvemos os 6×0 no Botafogo, conquistamos o Rio, a América e o mundo. Já 2017
tinha acabado em maio. Agora acabou, de novo, no começo de agosto. 18 rodadas
disputadas e não há mais Campeonato Brasileiro para o Flamengo. Cabeça na Copa
do Brasil, na Sul-Americana e, se perdermos ambas, o foco se torna o G6. Porque
G6 é a cara desse Flamengo. É pensar no amanhã, pra quando o amanhã chegar,
poder se pensar no depois de amanhã.
É Zé
Ricardo satisfeito com as derrotas para Catolica e Atlético-PR, fora de casa. É
Eduardo Bandeira de Mello respaldando um trabalho que põe Márcio Araújo e
Rafael Vaz no time titular. É o Flamengo eliminado da Libertadores e nenhum
jogador puto, transtornado, inconsolável. É a torcida culpando o azar pela
terceira queda consecutiva na fase de grupos.
É o
Flamengo da excelente gestão financeira e péssima gestão de futebol. O Flamengo
que bomba nas redes sociais, que faz o Brasil conhecer a Carabao sem ter nunca
visto uma lata. Que induz o Santos a cobrar R$200,00 ao rubro-negro em jogo com
ingresso a R$20,00. Que cobra os mesmos R$200,00 do próprio rubro-negro, na
Ilha do Urubu. Que acha que dinheiro, e só isso, vai fazer o Flamengo voltar a
ser campeão.
É a
falsa cobrança sobre esse Flamengo que tem a “obrigação” de ganhar título
grande em 2017. Porque não tem. Porque cada vez que falha, já se começa a
pensar na edição seguinte do campeonato. Porque o Corinthians abriu 15 pontos e
agora todos passam a projetar o Flamengo do ano que vem. Porque se ganhar meia
dúzia de jogos, a galera vai cantar “Ih, Libertadores qualquer dia tamo aí”.
Enquanto
fizermos do Flamengo isso, é esse Flamengo que vamos ter. Esse Flamengo que
merecemos ter. O Flamengo que tem a bola, controla a partida, e perde. O
Flamengo que joga de amarelo, incapaz de vencer qualquer adversário direto na
briga por sei lá o quê. O Flamengo que não precisa ganhar hoje porque existe a
possibilidade de ganhar amanhã.
Para
este Flamengo, o 6° lugar está de ótimo tamanho.

COMENTÁRIOS: