Euforia e frustração…

34
Pará comemorando gol com jogadores do Flamengo – Foto: Gilvan de Souza

GILMAR
FERREIRA
: Quanto maior a expectativa, maior a frustração.


mesmo recorrendo ao antigo clichê para tentar entender a revolta dos torcedores
do Flamengo com a campanha do time de Zé Ricardo no Brasileiro.
Depois
dos 34 pontos somados no primeiro turno do ano passado e dos 37 somados no
returno, esperava-se que a performance fosse ainda melhor.
Afinal,
foram investidos cerca de R$ 50 milhões em novos jogadores…
O
clube encontrou uma casa para não ficar feito “caixeiro viajante”
rodando pelo país…
E a
própria sequência do trabalho alimentava a ideia do 2017 feliz.
MAS A
REALIDADE É OUTRA.
A
reação explosiva dos violentos gatos pingados que que protestaram ontem no
Aeroporto Santos Dumont, na chegada da delegação que perdeu para o Santos, em
São Paulo, indicam que o jogo da manhã de domingo, contra o Vitória, na Ilha do
Urubu, pode ser sinônimo de encrenca.
Até
porque o técnico Zé Ricardo não será demitido, jogador nenhum será afastado e a
presidência continuará com Eduardo Bandeira de Mello.
Pior:
o adversário, agora treinado por Vagner Mancini, está em ascensão.
O jogo
é de risco e a diretoria sabe disso.
A
CAMPANHA, em si, não é das piores.
Pelo
contrário: em termos de colocação na tabela, o atual quinto lugar é a segunda
melhor nos primeiros 18 jogos de uma edição do Brasileiro desde 2006.
Perde
apenas para o segundo lugar de 2011, time dirigido por Vanderlei Luxemburgo.
No ano
passado, o Flamengo já havia somado 31 pontos (hoje tem 29) e ocupava o sexto
lugar.
Em
2015 era o 12º;
Em
2014, o 9º;
Em
2013, o 15º… e por aí foi, sempre oscilando entre o 6º de 2009 e o 15º de
2010.
Com
exceção, evidentemente, do turno de 2011.
O
ELENCO tem muita qualidade, mas as referências têm mais de 30 anos.
Casos
do recém-contratado Diego Alves (32), dos zagueiros Rever (32) e Juan (38), do
lateral Pará (31), do volante Márcio Araújo (33), do meia Diego (32) e do
atacante Guerrero (32).
Por
coincidência, seis deles iniciaram o jogo no Pacaembu, num time cuja média da
idade era de 30 anos.
Como o
peruano se machucou e deu lugar ao jovem Vizeu logo aos 27 minutos, a média
caiu para 28.
Com as
substituições feitas após a expulsão de Rodinei, os dez que terminaram o jogo
tinham 29 anos, em média.
É
muito…

COMENTÁRIOS: