Flamengo emite sinais de recuperação

23
Diego comemorando gol pelo Flamengo – Foto: Gilvan de Souza

GILMAR
FERREIRA
: O Flamengo emite sinais de recuperação nas mãos de Reinaldo Rueda e
as duas últimas vitórias permitem voltar a sonhar.

A
diferença para o líder que era de 21 pontos caiu para 15 e os quatro próximos
adversários do Corinthians serão Santos, Vasco, São Paulo e Cruzeiro.
Três
deles fora de casa!
O time
rubro-negro fará mais quatro no Rio, dos próximos cinco, e pode fazer bonito,
aproximando-se ainda mais do primeiro lugar.
E a
gente sabe: quanto mais próximo do topo, melhor.
Vejamos…
FLAMENGO 2 x 0 ATLÉTICO-PR.
Reinaldo
Rueda tem uma derrota em seus últimos dez jogos e três nos últimos 22 _
computando, evidentemente, o desempenho também pelo Atlético Nacional.
Este
corte mostra que seus times são de perder pouco e agora se vê o porquê.
Seu
Flamengo ataca com quatro jogadores, mais dois na aproximação e quatro sempre
plantados.
Diego
centralizado, Berrío e Éverton nas pontas e Guerrero centralizado _ estes são
os atacantes.
Um dos
laterais (ora Pará, ora Rodinei) se reveza na aproximação ao lado de Willian
Arão.
E a
dupla de zaga (desta vez formada por Rodholfo e Juan), o volante Cuellar e um
dos laterais (ora Pará, ora Rodinei) se fecham numa linha de quatro.
O
treinador tem dado preferência aos jogadores com os quais poderá contar nas
finais da Copa do Brasil.
Por
isso Everton Ribeiro e Geuvânio saem em desvantagem na disputa por um lugar no
time.
De
qualquer forma, como a qualidade do elenco é alta, os bons resultados têm vindo
sem sobressaltos.
Em
quatro jogos, um empate na estreia e três vitórias consecutivas _ cinco gols
marcados e nenhum sofrido.
O
viés, por ora, é de subida…
FLUMINENSE 0 x 1 VASCO.
Feliz
na escolha dos jogadores que levou a campo para o clássico de sábado, o
auxiliar Valdir Bigode recebeu em troca obediência, empenho e concentração.
O
Vasco esteve armado no 4-4-2, com meio e ataque bem compactados, o que
favoreceu o desempenho individual.
O
índice de acerto dos passes beirou os 100% e a performance técnica esteve
próxima do máximo que cada um poderia entregar.
Abel
Braga esperou o quanto pôde por melhora dos meias na criação.
Quando
percebeu que Wendell e Scarpa tinham dificuldades para fazer a bola chegar em
Henrique Dourado, mudou o desenho.
Tirou
Marlon Freitas e Wendell por Peu e Romarinho e, por alguns minutos, tentou
pressionar o Vasco num 4-1-4-1.
Peu e
Scarpa por dentro, Romarinho e Wellington nas pontas.
Depois,
com Matheus Alessandro no lugar de Lucas, esboçou um 3-2-5, num tudo ou nada
que tentava encurralar o adversário em seu campo.
Nem
assim.
O gol
no chute de Ramon aos 38m da etapa inicial, a organização das linhas e a
entrega dos jogadores garantiram os três pontos para o Vasco…
BAHIA 1 x 2 BOTAFOGO.
A
simples presença de Rodrigo Pimpão no ataque modifica a configuração de tal
forma que o Botafogo chega a parecer outro
Ganha
ofensividade, a transição fica mais rápida e o jogo menos previsível.
Na
Fonte Nova, o empate já parecia definitivo, até que Pimpão achou Bruno Silva e
os alvinegros puderam festejar a merecida vitória.
Dois
gols nascidos dos pés de um atacante estratégico neste time de Jair Ventura.
Não é
um craque, não deve ser o jogador mais técnico do elenco e tampouco é atacante
que chame mais a atenção dos adversários.

Mas,
sem ele, o todo perde uma parte considerável do jogo competitivo.

COMENTÁRIOS: