Lincoln traça caminho para brilhar no Flamengo

27
Lincoln, do Flamengo – Foto: Gilvan de Souza

GLOBO
ESPORTE
: Ser promessa de um clube grande como o Flamengo não é mole. Cobrança,
expectativa, mais cobrança, mais expectativa, sonhos, planos… Tudo isso vira
rotina para centenas de garotos. Um destes garotos rubro-negros é Lincoln, de
apenas 16 anos. O centroavante, que já tem uma Copa São Paulo de Futebol Júnior
no “currículo”, é mais um a sonhar com o profissional.

Lincoln
sabe, porém, que o caminho não é curto – afinal, já está nessa faz tempo. Por
isso, tem muito bem definido na sua cabeça de adolescente o que deve fazer para
não se perder na caminhada e seguir os passos, por exemplo, do amigo Vinicius
Junior, promovido ao profissional do Flamengo e vendido ao Real Madrid.
Ainda
tímido, como um garoto de apenas 16 anos que está conhecendo um mundo
gigantesco, Lincoln é mais solto em campo e com os companheiros. No dia a dia,
entre os treinos do sub-20, ele às vezes é chamado para trabalhar com o
profissional e tenta aproveitar a proximidade com jogadores mais experientes
para crescer.
– Eles
são exemplos. O profissional é o que eu almejo, mas deixo no tempo do técnico e
no tempo de Deus que as coisas vão acontecer naturalmente. Quando eu treino lá,
tenho bastante liberdade e posso ter a conversa com os jogadores. O Zé Ricardo
falava para ficarmos tranquilos que nossa hora vai chegar – disse Lincoln, em
entrevista ao GloboEsporte.com.
Enquanto
isso, porém, o garoto cresce nas categorias de base do Flamengo. Apesar da
pouca idade, ele já disputou uma Copa São Paulo de Futebol Júnior (principal
competição júnior, para jogadores de até 20 anos) e já treina com a equipe
sub-20 do Rubro-Negro. Durante o papo conosco, Lincoln foi sincero: não acha
que fez uma boa Copinha, mas tentou tirar o máximo possível de experiência.
Tanto
que, ainda no começo do ano, foi campeão sul-americano sub-17 com a seleção
brasileira, marcando cinco gols.
– Eu
evoluí bastante depois da Copa São Paulo. O Sul-Americano foi uma das melhores
competições que eu fiz pela Seleção. Fui muito bem, dei assistências, fiz
gols… Fiquei satisfeito – explicou.
Lincoln
sabe, porém, que as experiências entre base e profissional não são o
suficiente. E sua família também sabe. Todo o papo do garoto com o
GloboEsporte.com foi acompanhado de perto pelo pai, Josimar. Mas ele é bravo? O
centroavante garante que não. Garante, também, que é seu amigo e
importantíssimo para que tudo saia como planejado.
– Não
é bravo, não. Na hora que tem que ser um pouco, é, mas é bastante tranquilo. Me
ajuda muito no dia a dia, conversa comigo, é amigo. É importantíssimo para mim,
com tudo – completou, sorridente, olhando para o pai.
O foco
de Lincoln agora é o Campeonato Carioca sub-20. O garoto fez o gol do Flamengo
na derrota por 2 a 1 para o Vasco na primeira partida da final do estadual, na
última quarta-feira. O jogo de volta é na próxima quarta, às 10h, novamente em
Bangu. Mas também tem planos para o restante do ano: o principal é o Mundial
sub-17, na Índia – ele foi, inclusive, convocado para fase de treinos na
Inglaterra, já de olho na competição de outubro.

Estou muito feliz por mais essa convocação para a seleção brasileira. É um
sentimento de satisfação, uma sensação de que o meu dever vem sendo cumprido no
Flamengo. A convocação é consequência de um bom trabalho no dia a dia do clube,
e estou podendo desempenhar um bom papel, fazendo gols com a camisa rubro-negra.
Sei que o Mundial está chegando, então vou agarrar mais essa oportunidade com
todas as forças e dar o meu melhor para representar bem o meu país e retribuir
a confiança do treinador.

COMENTÁRIOS: