Luxa dá as boas-vindas a Rueda, mas defende colocação de Jair

31
Luxemburgo, ex-técnico do Flamengo – Foto: Celso Avila

UOL: O
técnico do Sport, Vanderlei Luxemburgo, saiu em defesa de seu colega Jair
Ventura, treinador do Botafogo, que afirmou na última segunda-feira (14) que a
contratação do colombiano Reinaldo Rueda pelo Flamengo tirava o espaço de
profissionais brasileiros e era “muito ruim para o mercado”.

Para
Luxa, as críticas de Jair não foram à contratação específica de Rueda, e sim à
“estrutura do futebol brasileiro”. O treinador de 65 anos cobrou
“respeito” e direitos iguais para os técnicos brasileiros, que,
segundo ele, não possuem em seus contratos as mesmas condições que os
estrangeiros.
“O
técnico brasileiro aqui, hoje, na sua grande maioria, não tem o privilégio que
os estrangeiros têm, de colocar uma multa rescisória no contrato se forem
mandados embora. Os brasileiros estão tendo multa de um salário pela CLT.
Então, por que fazem essa diferença no contrato? Queremos respeito”,
escreveu Luxemburgo em sua página no Facebook.
Nesta
terça (15), Jair mudou o tom de suas declarações e afirmou que não é contra a
contratação de treinadores estrangeiros no Brasil. O técnico do Botafogo disse
que foi mal interpretado e que suas críticas foram às dificuldades que os
profissionais brasileiros enfrentam ao tentar trabalhar no exterior.
Confira o texto de Luxemburgo na íntegra:
“Sobre
esse assunto que dominou o noticiário hoje, o primeiro ponto é o seguinte:
quero desejar ao Rueda todo sucesso no Brasil. Que ele seja muito bem-vindo ao
nosso país e que consiga repetir os bons trabalhos que fez por onde passou, em
clubes e seleções, além de trazer coisas novas para o nosso conhecimento. Os
comentários do Jair não foram em relação ao treinador Rueda, e sim à estrutura
do futebol brasileiro. Eu entendi bem o que ele quis dizer. E não é
corporativismo, é uma questão conceitual. Por ter vivido fora do Brasil essa
expectativa, é muito importante eu comentar, pegando esse gancho do Jair, que é
um menino. Quando se tem opiniões fortes e você as torna públicas, você está
sujeito a críticas e a elogios. E algumas pessoas, que acham que são donas da
verdade, já são costumeiras em denegrir a imagem de treinador de futebol.
O que
eu penso sobre isso? O técnico estrangeiro pode vir ao Brasil, mas ele tem que
seguir as normas que teriam que existir no futebol brasileiro. Para eu ser
técnico do Real Madrid e ser aceito, a CBF teve que enviar para o clube e para
a federação espanhola o meu currículo e confirmar que eu era técnico no Brasil.
Cheguei na Espanha e a associação de técnicos teve que me aceitar e me dar
permissão para trabalhar lá. E eu tive que pagar 3% do meu salário para a
associação me conceder esse direito de eu poder exercer minha função. Mas a
associação protege o técnico. A partir do momento em que fui mandado embora,
entraram as regras do contrato estabelecidas em pagar a multa, e o Real só pôde
colocar outro técnico no meu lugar depois que cumpriu com todos os compromissos
de contrato comigo. E temos que criar isso aqui no Brasil também. O técnico
aqui não pode trabalhar em mais de dois clubes na mesma divisão, como acontece
lá. Tem que criar regras como essa.
O que
queremos no Brasil? Que se crie uma norma, em que os técnicos estrangeiros
podem e devem vir ao Brasil, mas há de se ter um critério. A CBF tem que anuir
os contratos dos treinadores e criar uma norma, para que os estrangeiros tenham
que seguir as regras do futebol brasileiro. E hoje não tem norma nenhuma. Temos
que reivindicar esse direito de criar uma regra estabelecida para os técnicos.
O técnico brasileiro aqui, hoje, na sua grande maioria, não tem o privilégio
que os estrangeiros têm, de colocar uma multa rescisória no contrato se forem
mandados embora. Os brasileiros estão tendo multa de um salário pela CLT.
Então, por que fazem essa diferença no contrato? Queremos respeito.
A
associação tem que criar as regras e quem vem de fora precisa cumprir. Acho
legal essa troca de informação com técnicos estrangeiros. E não está fechado o
mercado pra gente lá fora. Nós podemos ter o nosso curso bem feito aqui e
trabalhar no exterior, como o deles também tem que ser aceito aqui no Brasil.
Mas é preciso se preparar bem e ter qualidade para tal. A CBF tem que estar
junto nesse processo. Os cursos que fazemos aqui têm que ser reconhecidos
mundialmente em todas as federações, de todos os países. E a CBF tem que fazer
com que isso se torne uma realidade, para termos o privilégio de trabalhar em
qualquer outro lugar. O Jair colocou a questão dessa forma e acho importante
caminharmos juntos. Não é questão de proibição, e sim filosófica, não é algo
específico contra ninguém. E estarei na CBF na próxima segunda-feira para
discutir sobre isso com a entidade e toda a nossa classe. E que, a partir desse
encontro, se estabeleçam essas regras”.

COMENTÁRIOS: