No Inter, Damião agradece o Flamengo: “Sempre dei o meu máximo

22
Foto: Reprodução

SPORTV:
Revelado pelo Internacional clube pelo qual viveu a sua melhor fase e chegou à
seleção brasileira (de 2011 e 2013), Leandro Damião retornou em julho ao Colorado,
três anos e meio após ser negociado com o Santos, com uma missão clara: ajudar
o time gaúcho a voltar à Série A do Brasileiro. Na noite desta sexta-feira, o
atacante foi decisivo, marcando dois gols na vitória por 3 a 2 sobre o Paysandu
no Beira-Rio. O triunfo fez o clube assumir a liderança da Série B, com 42
pontos, e Damião decretar, em entrevista ao SporTV, que o “tempo de
sofrimento” dos torcedores colorados terminou.


Desde que estava no Flamengo, acompanhava o Inter. Eu percebia um grande
potencial na equipe, mas não estava conseguindo se encaixar. Mas percebia que
os jogadores estavam querendo, dispostos. O Inter tem jogadores de muita
qualidade. Claro que fiquei triste pelo que estava acontecendo aqui, nunca
tinha passado por isso,  nunca tinha
visto o Inter dessa maneira, os torcedores agindo dessa maneira. Todo mundo
sofreu com a queda para a Série B, ninguém esperava, a equipe nunca tinha
caído. Mas hoje os jogadores estão mais realistas, sabemos a competição que
estamos disputando, que é Série B. Temos que dar o máximo possível. Não adianta
pensar que vai vencer por nome ou por técnica. Tem que dar o máximo dentro de
campo a cada disputa de bola. Acho que isso é que encaixou, acho que tem
mudado. Esse tempo de sofrimento já passou, a equipe já tem essa consciência –
afirmou em entrevista ao SporTV.
Em
julho, Damião decidiu aceitar a oferta do Inter, deixando o Flamengo. Diante da
proposta, sabia que teria mais possibilidades de jogar no Colorado do que no Rubro-Negro,
no qual era reserva de Paolo Guerrero. Ao mesmo tempo, sabia que iria trocar a
disputa da Série A do Brasileiro e das retas finais da Copa do Brasil e da
Sul-Americana pela “batalha” da Série B. Mas “a motivação de
ajudar o Inter” pesou no momento da escolha. Que acabou se tornando
“uma decisão fácil”.
– Sou
muito grato ao Flamengo, a todos, ao Rodrigo Caetano, ao presidente Eduardo
(Bandeira de Mello), são pessoas que ajudaram muito na minha contratação,
fizeram um esforço total. Quando estive lá sempre dei o meu máximo, sempre quis
ajudar o Flamengo, tentava aproveitar as oportunidades que tinha da melhor
maneira. Foi uma decisão fácil. O Inter estava precisando no momento. Quando me
ligaram, eu tomei a decisão de chegar ao presidente e ao Rodrigo e pedir a
minha liberação. Foi um momento complicado porque eles não queriam me liberar,
por conta da situação do Guerrero, de ir para a seleção (peruana) ou poder ter
uma lesão. E tem o Vizeu, um menino muito bom que está mostrando potencial.
Eles me liberaram, agradeço a eles. Eu vim para o Inter com a missão de ajudar
a equipe. Isso sempre foi a minha motivação: ajudar o Inter. Sou muito grato ao
Inter. Então sempre dar o máximo em campo é o que posso fazer – afirmou.

COMENTÁRIOS: