“Quantidade de erros individuais no Flamengo é gritante”, diz Lino

22
Foto: Reprodução

SPORTV:
Após a derrota para o Atlético-MG por 2 a 0 no Independência, o Flamengo deixou
o G-6 e já soma três derrotas consecutivas no Campeonato Brasileiro. O
Rubro-Negro tem apenas uma vitória a mais que a Chapecoense, primeiro time da
zona de rebaixamento, um cenário surpreendente se levar em consideração o
investimento no elenco. Essa soma de resultados ruins na Série A e a precoce
eliminação na Libertadores resultaram na demissão do técnico Zé Ricardo e na
contratação do colombiano Reinaldo Rueda, para comandar o elenco.

No
entanto, o comentarista Carlos Eduardo Lino, em participação no programa
“Seleção SporTV”, fez uma avaliação com outro ponto de vista. Na sua
opinião, a má fase do Flamengo não se dá apenas por falhas do antigo treinador,
mas também por más atuações de alguns jogadores.
– O
Flamengo faz a gente discutir se o maior problema até agora foi de treinador ou
dos jogadores, porque a quantidade de erros individuais foi gritante. Em um
momento, o Arão entregando a bola quando o time parece estar jogando futebol.
No outro momento, o Diego perdendo pênalti, perdendo gol na cara, é o Guerrero
que sai quando o time está se ajustando a ele, os laterais que não correspondem
tecnicamente, os volantes que não se acertam. O time não consegue ter proteção,
a defesa é lenta. Não é só um problema de treinador, o Flamengo tem um problema
sério de montagem e ajuste de time (…) tem cara que não está jogando bola. Aí
treinador faz alguém jogar bola? – disse Carlos Eduardo Lino.
Para o
comentarista, se o Flamengo pensava em troca de treinador, o momento mais
oportuno era após a eliminação ainda na fase de grupos da Libertadores.
– Eu
acho que o Flamengo pensou mal a transição, ela deveria ter sido feita
pós-Libertadores. Libertadores é fim de ciclo, ainda que ela vá até o final do
ano. Você não alcançou o maior objetivo, você começa do zero. Ali o Zé Ricardo
deveria ter sido trocado, dava tempo para reajustar o elenco. Se era para
trocar, era aquele momento. O preço agora vai ser muito alto e a campanha do
Flamengo já não é mais boa, tem uma vitória a mais que a Chapecoense, que está
na zona de rebaixamento – avalia Carlos Eduardo Lino.
O
apresentador Marcelo Barreto comenta a avaliação de Lino ressaltando o fato de
que o elenco do Flamengo foi sendo construído ao longo da temporada, com
contratações recentes.
– O
caso do Flamengo e do Palmeiras tem muito a ver com a chegada dos jogadores. A
gente olha Flamengo e Palmeiras pelos jogadores que estão anunciados: “Ah
não, esse grupo é forte”. Mas é um grupo forte que teve jogador chegando
em março, o outro chegou em junho (…) Está tudo em um pacote de uma avaliação
equivocada: “O grupo é forte, então ele tem que jogar bem”. Isso
desconsidera vários outros fatores: o grupo é forte mas o trabalho está
organizado? O grupo está homogêneo? A base que foi construída no estadual foi
mantida ou foi desmontada com a chegada de jogadores importantes?
A
estreia de Reinaldo Rueda no comando do Flamengo será na próxima quarta-feira,
no primeiro duelo pela semifinal da Copa do Brasil, diante do Botafogo, no
estádio Nilton Santos.

COMENTÁRIOS: