Rueda não descarta o Flamengo, mas diz que sequer foi procurado

57
Reinaldo Rueda – Foto: Divulgação

CORREIO
BRAZILIENSE
: O relógio do celular marcava 2h22 da madrugada em Brasília, 7h22 da
manhã na Alemanha. Poucas horas depois da demissão de Zé Ricardo, Reinaldo
Rueda respondia a pergunta que o torcedor rubro-negro queria saber: Você tem
proposta do Flamengo? “Estou viajando pela Europa. Não houve nenhum contato”,
limitou-se a dizer o ex-técnico do Atlético Nacional.

Perguntei
se Reinaldo Rueda viu as manifestações da torcida do Flamengo em suas contas
nas redes sociais. Questionei se ele toparia assumir um clube no meio da
temporada. Fez o silêncio enigmático de quem não descarta possibilidades, está
em negociação ou não quer cometer o erro de fechar as portas no clube mais
popular do país. Consequentemente, a tendência que cresceu no início da tarde
desta segunda-feira é que o clube anuncie Roger Machado como substituto de Zé
Ricardo.
Reinaldo
Rueda não está na Europa a passeio. Sua carreira é tão planejada quanto, por
exemplo, a de Pep Guardiola. De tempos em tempos, tira meses ou um ano sabático
para se dedicar a estudar futebol. O senhor de 60 anos corre contra o tempo
para se reciclar porque é o favorito a suceder o argentino José Pekerman na
Colômbia após a Copa de 2018. Ele sabe disso. Jornalistas e torcedores da
seleção também estão cientes. A turnê de Reinaldo Rueda começou com um encontro
com o amigo Carlo Ancelotti no Bayern de Munique. Se não for obrigado pelo
Flamengo a voltar mais cedo à América, deve se encontrar também com sua maior
inspiração — o espanhol Vicente del Bosque.
Falta
menos de um ano para José Pekerman deixar a seleção da Colômbia. Portanto, o
Flamengo teria de ser extremamente sedutor para convencê-lo a trocar o certo
pelo duvidoso. Mostrei no post da noite de domingo. Em cinco anos, a gestão do
presidente Eduardo Bandeira de Melo teve 10 treinadores diferentes. Por que
Reinaldo Rueda seria imune a isso? Por que daria brecha a que outro compatriota
assumisse o lugar na fila para assumir a Colômbia?
Há um
outro obstáculo: a saúde. Os médicos que fizeram uma cirurgia no quadril de
Reinaldo Rueda recomendaram ao treinador que ele diminua suas atividades.
Comandar um time exige esforço diário. Ele teve de ficar 50 dias afastado do
Atlético Nacional num momento em que precisava remontar o time depois das
saídas de Berrío, Guerra, Borja, Copete, entre outros. Resultado: a equipe foi
eliminada na fase de grupos da Libertadores neste ano em uma chave que tinha
Botafogo, Estudiantes e Barcelona de Guayaquil.
O
plano A de Reinaldo Rueda é assumir a Colômbia no meio do ano que vem. A
primeira passagem pelo cargo foi frustrante para ele. “Por uma mescla de
fatores. Alguns problemas internos do futebol colombiano, desentendimentos da
associação dos jogadores com o comando do futebol do país, a mudança no comitê
executivo e diretivo da federação e o fato de eu não ter classificado a
Colômbia para a Copa do Mundo de 2006. Nós também fomos mal na Copa Ouro e na
Copa América”, disse em outra entrevista, em maio do ano passado. Rueda teve
outra frustração nas divisões de base. Ele também levou a seleção às semifinais
do Mundial Sub-20, mas perdeu para a Espanha nas semifinais.
Reinaldo
Rueda foi alvo do Cruzeiro, sondado pelo Atlético-MG, confirmou ter sido
convidado pelo presidente Roberto de Andrade para assumir o Corinthians antes
de Fabio Carille ser efetivado. Na mesma entrevista, em maio do ano passado,
admitiu que é um sonho treinar algum time brasileiro. “Eu asseguro a você que
seria uma honra, uma distinção trabalhar no Brasil, no futebol pentacampeão do
mundo”.
Mas
muita coisa mudou… Do início do ano para cá, Reinaldo Rueda passou a admitir
que seu quadril não permite mais tantos esforços. E foi convencido de que
comandar seleções é a melhor saída para a continuidade da carreira. Classificou
e comandou Honduras para a Copa de 2010. Classificou e comandou o Equador na
Copa de 2014. Por isso, estuda para assumir o próximo desafio de sua vida:
classificar e comandar a Colômbia na Copa de 2022, no Catar. Provavelmente, o
Flamengo, que já sonhou com Jorge Sampaoli, também não terá Reinaldo Rueda.
O
favorito da diretoria do Flamengo é Roger Machado, ex-Grêmio e Atlético-MG, e muito
conhecido de Rodrigo Caetano, um dos defensores da sua contratação.

COMENTÁRIOS: