Sorteio ou azareio?

28
Foto: Staff Images

KLEBER
LEITE:
Duvido que o tema central desta quinta-feira não divida opiniões, muito
embora, tenha eu uma opinião definitiva a respeito. A final da Copa do Brasil,
entre Flamengo e Cruzeiro, será no Mineirão, casa do Cruzeiro. Pessoalmente, e
várias vezes já disse aqui, penso que fazer o último jogo em casa não deixa de
ser uma vantagem.

A
prova disso são as manchetes de todos os veículos, rigorosamente iguais: “A
decisão será no Mineirão”. Se bom fosse fazer o primeiro jogo em casa, as
manchetes poderiam ser: “Flamengo larga na frente. Primeiro jogo será no
Maracanã”.
Brincadeira
à parte, dizer que, por coerência com o que penso, torci muito para o segundo
jogo ser no Maracanã, mas dentro do que penso, para mim, ou melhor, para o
Flamengo, não houve sorteio e sim, azareio. Mesmo assim, continuo um otimista
de carteirinha. Vamos vencer o Cruzeiro e atropelar o azareio.
Bom
lembrar que na final não existe mais o gol dobrado fora de casa, em caso de
igualdade. Assim sendo, se o Flamengo vencer aqui por 3 a 1 e perder em Belo
Horizonte por 2 a 0, pênaltis!!! Esta mudança de regulamento para a final traz
um certo conforto para quem faz o primeiro jogo em casa, pois o visitante pode
até marcar, desde que não vença o jogo.
Claro
que, matematicamente, a possibilidade de a decisão ir para os pênaltis, em
função da mudança no regulamento, aumenta consideravelmente. E diante do
exposto, não restará alternativa ao Flamengo senão jogar ofensivamente no
Maracanã. Não adotar esta estratégia é concordar em decidir o título na casa do
adversário.
Guerrero
está fora, pois levou mais um cartão amarelo. Aqui mesmo no blog, li um
comentário muito interessante em que é colocado que no embate entre defensor e
atacante, o normal é haver a falta do defensor no atacante, porém, Guerrero é
exceção, pois comete mais, do que recebe faltas. E, sem falar no número de
cartões que leva por reclamação. Já é hora de alguém ter um papo sério com ele
e, abrir a possibilidade de punição cada vez que deixar de jogar por tomar
cartão por reclamação. Jogador de futebol é como criança. Se os limites não
forem estabelecidos, a coisa desanda…
Por
falar em comentários e, com todo respeito, discordo de quem achou boa a atuação
de Pará. Jogou torto o tempo todo e em nenhum momento foi eficaz no apoio, como
deve ser qualquer bom lateral. Curioso que, de repente, Trauco, antes tão
elogiado, virou um perna de pau.
A
verdade é que um gol muda tudo. Muda tanto que encobre erros, como o que ia ser
cometido. Quando fez a jogada do gol da vitória, Berrío já havia sido anunciado
para sair, com Vinícius Júnior esperando à beira do campo. Ali, quem deveria
ter saído era Pará, com Éverton passando para a lateral. Afinal, quem buscava a
vitória era o Flamengo. Às vezes, a vitória encobre os equívocos. Como ontem…
Agora,
esperar até o dia sete de setembro e, em função do que ocorrer no Campeonato
Brasileiro, definir o time para o primeiro jogo decisivo. Melhor que haja este
tempinho para que Rueda possa ir conhecendo melhor os jogadores. Com certeza, o
conhecimento dará a ele maior segurança, não só para escalar, como – e
principalmente – para substituir bem.
Para
finalizar, uma boa notícia. Muito em breve o edital de licitação do Maracanã
estará à disposição dos interessados e, pelo que apurei, em condições bem
favoráveis ao Flamengo. O que é de fato – “O maraca é nosso!!!” – em breve,
pelo pique da remada, será também de direito. E, este será o primeiro passo
para o Flamengo ser um clube mundial.

COMENTÁRIOS: