Vasco tem 70 protestos em cartório. Botafogo 25 e Flamengo 22

76
Guerrero levando chute em Vasco x FLamengo – Foto: Pedro Martins

ESPN: O
Vasco é o líder em acusação de calotes no Rio de Janeiro e segundo colocado no
ranking que engloba todos os 12 grandes clubes do Brasil. Com mais de 70
protestos em cartórios, o clube cruzmaltino tem dívidas com empresas de pneus,
fogos de artifício, produtos de limpeza, contêiner, débitos em farmácias e até
pela compra de extintores.

Já o
Botafogo tem débitos registrados por fornecedores que vão desde reciclagem em
lixo a dívidas com tribunais de Justiça cariocas, enquanto o Flamengo é cobrado
por serviços de lanchonete, segurança e vigilância. O Flu é o que tem o menor
número de protestos, mas o de maior valor: quase R$ 1,5 milhão de um clube da
Bahia.
Isso
tudo é o que mostra vasto levantamento do ESPN.com.br junto aos quatro
tabelionatos do Rio de Janeiro, feito dois meses após pesquisa da reportagem em
São Paulo que revelou como o Corinthians virou o “campeão brasileiro de
calotes”.
Na
ocasião, foi mostrado que o Corinthians é o “campeão” dos protestos
entre os 12 grandes clubes brasileiros, com 89 registros – uma nova pesquisa da
reportagem nesta segunda-feira mostrou que o clube paulista aumentou para 94
protestos.
O
Vasco é o vice-líder dessa lista, com 72. 
O São Paulo é o terceiro, com 29. O Botafogo tem 25, o Flamengo vem com
22, o Grêmio tem cinco, o Palmeiras dois e o Internacional só um, enquanto
Santos, Cruzeiro e Atlético-MG não estão com nenhum registro.
Vale
explicar que cada protesto representa uma ação de um portador de um título
comercial que não teve efetuado seu pagamento dentro do prazo, garantindo assim
seu pagamento por ações judiciais.
VASCO DA GAMA
No
caso do Vasco, são pequenas dívidas com fornecedores datadas desde o ano de
2012 que até hoje não foram quitadas, e por isso deixam o clube com certidão
positiva de protestos.
A
grande maioria é de valores com apenas três dígitos de cobrança – como alguns
registros da Multimodal pelo fornecimento de contêineres. A empresa alega 22
calotes, metade de R$ 514 e outra parte de R$ 686. Eles são dos anos de 2013 e
2014.
Outros
valores irrisórios são com uma empresa de pneus chamada Conde de Leopoldina.
Ela reclama por R$ 337, R$ 140, R$ 671 e R$ 925,34, por serviços feitos em
2012.
Chama
a atenção uma cobrança pela aquisição de fogos de artifício junto à Piroex
Eireli, de Belo Horizonte, pelo valor de R$ 2,9 mil. A distribuição desse
protesto foi em 24 de novembro de 2014, 13 dias depois de Eurico Miranda
confirmar vitória na eleição presidencial do clube e apenas dois dias após o
Vasco empatar com o Icasa e confirmar retorno à Série A.
Somente
um entre os 72 registros vascaínos supera a casa dos R$ 10 mil.
É uma
dívida – também de 2012 – de R$ 13.698,50 com uma empresa chamada Suellen Costa
Service e localizada em Bonsucesso. Na Receita Federal, é informado que o
negócio é do ramo varejista, com serviços de pintura de edifícios em geral.
Essa mesma empresa possui outros dois protestos contra o clube, por R$ 320 e R$
810.
A
gestão Eurico Miranda também possui calotes registrados. Por exemplo, algumas
reclamações da RFF de Oliveira Construtora, que compreende serviços de
chapisco, emboço e reboco, acabamentos de construção, instalação de toldos e
outros. Essa empresa cobra R$ 1,8 mil desde agosto do ano passado.
A
SMDay também reclama da gestão de Eurico Miranda quatro cobranças: R$ 2.326,50,
R$ 480,50, R$ 2.381 e R$ 1.280. A empresa fornece produtos de limpeza, segundo
constam registros na internet e no tabelionato. A SMR Clean Distribuidora,
também de produtos de higiene, registrou dívida de R$ 1,671. Ambas são de protestos
de 2015, assim como a Bioxxi, de esterilização, que pede R$ 500.
Outro
estabelecimento que aparece bastante entre os calores cruzmaltinos é de um
estabelecimento chamado Drogaria Londres. São oito protestos de R$ 761,78, R$
1.939,46, R$ 819,56, R$ 1.642,23, R$ 573,67, R$ 2.412,88 e R$ 648,03 e R$
1.193,08. Juntos, eles totalizam aproximadamente R$ 10 mil.
Procurado
desde a última quinta-feira, o Vasco não quis se manifestar.
BOTAFOGO
No Rio
de Janeiro, o Botafogo vem logo atrás do Vasco com 25 protestos registrados,
contra 22 do Flamengo.
Tanto
Bota quanto Fla possuem registros de cobranças da Koleta Ambiental,
especialista em coleta de resíduos e reciclagem. São quatro protestos de 2014
contra o time alvinegro, que somados alcançam R$ 15 mil.  A equipe rubro-negra tem um registro mais
recente, de 2017, de exatos R$ 8,052.89.
O
Botafogo tem algumas reclamações do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. São
cinco cobranças que variam entre R$ 400 e R$ 1,3 mil. No total, quase R$ 4 mil
em discussão com o Poder Judiciário carioca.
Outro
protesto de valor alto é da Mazars Auditores Independentes, que realiza
serviços de auditoria. Em 2015, a empresa registrou a cobrança de R$ 80.523,30
junto ao 2º tabelionato do Rio de Janeiro.
A
Advanced Nutrition, do setor alimentício, tem quatro protestos contra o
Botafogo, na casa dos R$ 7 mil, todos eles de 2014. Já a Fire Out, especialista
em equipamentos de incêndio, cobra R$ 1,750 mil pelo fornecimento de extintores
e materiais parecidos feito há quatro anos.
A Casa
das Letras, de comunicação visual, tem protesto de somente R$ 100 feito no
mesmo ano. Já a cobrança da Refricesso, da área de refrigeração, é da mesma
época, de R$ 490, enquanto a importadora Star Printer alega não ter recebido R$
2,3 mil em 2014.
A Fazenda Nacional também registrou quatro
protestos. Somados, eles totalizam aproximadamente R$ 500 mil.
Procurado,
o Botafogo afirmou: “O Botafogo de Futebol e Regatas esclarece que, no
tocante às dívidas tributárias, estão todas incluídas no Programa de
Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro –
PROFUT e, portanto, foram protestadas indevidamente pela Fazenda Nacional. No
que diz respeito aos demais fornecedores, as dívidas foram contraídas pela
gestão passada e, à medida que os fornecedores têm nos procurado, estamos
firmando acordo para quitá-las”.
FLAMENGO
O
Flamengo tem vários protestos de uma distribuidora chamada Kit Club, que
fornece materiais esportivos e tem capital social de apenas R$ 20 mil. Os
registros são todos recentes, do mês de junho deste ano. São protestos que
variam entre R$ 41,1 mil e R$ 6,34 mil. Somados, eles alcançam cerca de R$ 140
mil e estão distribuídos entre três dos quatro tabelionatos do Rio de Janeiro.
A
maior cobrança individual contra os rubro-negros é da empresa Maurício
Constantino: R$ 58 mil. Ela vem de 2013, em polêmica pela aquisição de um
placar eletrônico herdado do time de futebol de praia do Flamengo. Na época, o
clube descobriu que o equipamento custava R$ 50 mil a menos do que era cobrado
pelo fornecedor, e a discussão dura até hoje.
A
Locanty registrou protestos de valores parecido, no mesmo ano. A firma
especializada em serviços de segurança e vigilância quer receber três vezes a
quantia de R$ 56.712,92, o que totaliza aproximadamente R$ 170 mil.
Também
existem protestos em valores menores junto ao CNPJ rubro-negro. A Polimix, do
ramo de concreto, registrou cobrança de R$ 2,3 mil no ano passado. Já a Duet,
de implantes, pede R$ 6 mil desde 2013. A Lanches Bel Rio, lanchonete
localizada no bairro do Flamengo, registrou calote de R$ 4,111 há quatro anos.
A WM Ramos, de construção, R$ 400, além de R$ 101,8 de uma microempresa de
artigos esportivos.
Já o
time rubro-negro afirmou que “o Flamengo, como qualquer clube ou empresa,
tem compromissos e obrigações e a existência de protestos não significa nada
de  anormal. Alguns dos protestos
existentes podem ser procedentes, outros não. De acordo com a resolução das
pendências, através de pagamento ou questionamento da legalidade do título que
originou o protesto, os protestos são cancelados pelo clube”.
FLUMINENSE
O
Fluminense, por sua vez, tem apenas dois protestos: um de R$ 7 ml de uma
distribuidora e outro de valor bastante elevado: R$ 1,475 milhão pela compra do
lateral Maranhão – hoje emprestado à Ponte Preta – junto aos baianos do
Ypiranga, segundo disse o clube nordestino à reportagem.
O Flu
também foi procurado, mas não quis se manifestar.

COMENTÁRIOS: