Chapa Verde pede renúncia de Bandeira do Futebol do Flamengo

97
Gustavo Oliveira, Wallim Vasconcellos, Rodolfo Landim, Luiz Eduardo Baptista e Rodrigo Tostes
Foto: Divulgação

O
GLOBO
: O grupo liderado por Wallim Vasconcellos, ex-aliado do atual presidente
do Flamengo Eduardo Bandeira de Mello, fez outra carta aberta para atacar a
atual diretoria. Desta vez, a turma da Chapa Verde, que foi derrotada nas últimas
eleições do Flamengo, em 2015, pede que Bandeira renuncie ao cargo de
vice-presidente de Futebol e deixe a função para “algum rubro-negro que
efetivamente tenha pulso firme”.

Veja a carta na íntegra:
CARTA
ABERTA AO PRESIDENTE E VP DE FUTEBOL DO CLUBE DE REGATAS DO FLAMENGO
O
Flamengo não é lugar para exibicionismo, para vaidades, para egocentrismo. O
Flamengo é maior que tudo isto. É maior que todos nós.
Senhor
Eduardo Bandeira de Mello,
Quando
de sua reeleição, o senhor prometeu que o futebol do Flamengo seria dirigido de
maneira planejada e profissional, onde imperariam a competência e a
meritocracia. Infelizmente, não é o que temos visto até agora e os fracos
resultados em campo provam isto.
Na época
de campanha, dentre os vários compromissos assumidos em seu programa de
governo, tínhamos as seguintes afirmações:
“A
política de remuneração dos profissionais do Futebol será atrelada a
resultados”. “Criação de processos de avaliação de todos os funcionários do
Departamento de Futebol com estabelecimento de prazos e feedbacks sobre
cumprimento de metas”.
– O
que temos visto são profissionais do futebol recebendo seus salários, sem o
necessário alinhamento com os resultados alcançados. O caso Conca é um exemplo
claro disto. Um jogador que entrou em campo por apenas poucos minutos ganhou o
direito, até o final do contrato, a receber o salário integral acordado quando
de sua vinda. Além dele, vários outros jogadores que não estão jogando
regularmente continuam recebendo a mesma quantia de quando estavam rendendo.
Será
que esta “remuneração atrelada aos resultados” significa o pagamento de valores
ainda maiores aos que já são pagos ao atual elenco? Como não tivemos nenhum título
relevante nos últimos 3 anos (somente o Carioca de 2017) teremos uma redução
financeira nestes pagamentos?
A
possibilidade de se ter uma base menor de salários e um acréscimo efetivo por
performance – base de todo o processo de política de resultados – não foi
implantada? Quais foram as metas e as remunerações pagas aos profissionais do
futebol pelos resultados (que não vieram) em 2016 e as metas para 2017?
“As
realizações e decisões estratégicas da gestão do Futebol serão comunicadas mais
frequentemente aos associados”.
– Quando
esta comunicação aconteceu? O futebol do Flamengo é hoje uma verdadeira
caixa-preta, em que um grupo muito reduzido de amigos define o que fazer, sem
maiores satisfações aos associados e à Nação Rubro-Negra
“Toda
a contratação de atleta profissional será avalizada por relatório em que conste
a avaliação técnica sobre o rendimento atual do profissional, seu histórico e
produtividade; e análise física e psicológica”.
– Na
realidade o que temos visto é uma total falta de planejamento na montagem do
elenco, com contratações equivocadas baseadas no trabalho de um dito “Centro de
Inteligência de Mercado”. “Inteligência” esta que orientou o treinador a fazer
com que o nosso goleiro pulasse para o lado direito em todas as cobranças de
pênaltis na final da Copa do Brasil. Deu no que deu. Também é impossível
entender como o departamento de análise de desempenho – Centro de Excelência em
Performance – pode sugerir, além da contratação, a manutenção no clube de
jogadores sem a menor condição de vestir a camisa do Flamengo, seja pela parte
técnica, seja pela física.
O não
cumprimento das promessas feitas, aliado à perda da identidade rubro-negra e
aos péssimos resultados que obtidos em campo – mesmo tendo hoje um dos maiores
orçamentos de futebol do Brasil (se não o maior) – faz com que nós, sócios e
torcedores apaixonados pelo nosso Flamengo, solicitemos que o senhor se
desligue imediatamente do cargo de VP de Futebol do Flamengo, deixando a função
para algum rubro-negro que efetivamente tenha pulso firme, conhecimento e
experiência em gerir esta área – o coração e a alma de nosso Clube.
O
futebol do Flamengo e sua imensa Nação não podem mais aceitar um comando fraco,
um grupo de apadrinhados protegidos da presidência, uma falta de cobrança pelo
melhor e o abandono da meritocracia.
Senhor
Eduardo Bandeira de Mello, não existe nenhum demérito em reconhecer o seu
despreparo e incompetência para esta função.
Pelo
bem do Flamengo, pedimos que o senhor se concentre no importantíssimo trabalho
institucional de representar o nosso Clube e tenha a humildade e grandeza para
convocar alguém efetivamente preparado para liderar o nosso Futebol no caminho
das vitórias e dos títulos. Isto é o que a Nação espera, já há muito tempo.
Tudo
pelo Flamengo. Nada do Flamengo.
Saudações
Rubro-Negras,
Chico
Brandão, Gustavo Fernandes, Gustavo Oliveira, Luiz Eduardo Baptista (BAP),
Rodolfo Landim, Rodrigo Tostes, e Wallim Vasconcellos.

COMENTÁRIOS: