Clubes não devem promover a Primeira Liga em 2018

41
Atlético-MG x Joinville pela Primeira Liga – Foto: Bruno Cantini

GLOBO
ESPORTE
: A Copa da Primeira Liga corre sério risco de sumir do calendário do
futebol brasileiro em 2018. O torneio foi criado por clubes de cinco estados
(Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina, Rio de Janeiro e Minas Gerais) e
está na segunda edição.

A
decisão ainda não está tomada. Mas hoje é muito difícil encontrar dentro da
Primeira Liga quem garanta a continuidade da competição – mesmo com os
gravadores desligados.
Muitos
fatores jogam contra a organização do campeonato em 2018. O maior deles é o
calendário apertado, por causa da Copa do Mundo. Se em 2017, sem Copa e sem
torneios continentais de seleções, já foi difícil…
A
Conmebol e a CBF estão prestes a divulgar seus calendários para 2018 – e estão
sofrendo com a falta de datas.
A
Primeira Liga de 2017 teve que ser dividida: os jogos da fase de grupos no
primeiro semestre, os mata-mata no segundo, durante um período sem jogos do
Campeonato Brasileiro.
A
interrupção foi avaliada como algo negativo por quem participa da organização
do torneio. A queda na média de público reflete isso: de 12 mil pagantes em
2016 para 7 mil pagantes em 2017.
A
primeira edição, em 2016, foi vencida pelo Fluminense. A atual será decidida
por Atlético-MG e Londrina, no dia 8 de outubro.
Criada
como uma espécie de “desafio” dos clubes ao poder das federações
estaduais, a Primeira Liga sofreu com crises internas. Atlético-PR e Coritiba,
dois dos clubes que fundaram a liga, saíram dela no início de 2017 por não
concordarem com a divisão das cotas de TV.
A
saída dos grandes do Paraná não acalmou os ânimos. As divergências continuaram
ao longo de 2017, a ponto de mais de um clube propor, em discussões internas, a
extinção do torneio.
Segundo
o GloboEsporte.com apurou, os contratos comerciais vigentes não preveem o
pagamento de multa, para nenhum dos lados, caso o torneio não seja realizado.
Isso torna mais fácil o adiamento ou mesmo a extinção do campeonato.

COMENTÁRIOS: