Ex-Preparador de Muralha diz que goleiro perde ritmo no Flamengo

48
Alex Muralha, goleiro do Flamengo, na Seleção Brasileira – Foto: Divulgação

MARLUCI
MARTINS
: Tão indiscutível quanto a titularidade de Diego Alves no gol do
Flamengo, a falta de confiança do técnico Reinado Rueda nos substitutos Alex e
Thiago tem afastado a possibilidade de um trabalho com foco na final da Copa do
Brasil, contra o Cruzeiro, no próximo dia 27, no Mineirão. Tanto que foi Diego
quem entrou em campo nas duas últimas partidas, contra o Botafogo e a
Chapecoense, pelo Brasileiro e a Sul-Americana, respectivamente.

Ao
deixar Alex e Thiago escondidos na sombra dos recentes fracassos individuais,
Rueda perdeu duas oportunidades de dar ritmo ao seu preferido para a final da
Copa do Brasil, quando Diego Alves, não inscrito, estará descansando. Alex não
joga desde o dia 30 de agosto, quando foi um dos pivôs da eliminação da
Primeira Liga, diante do Paraná. E Thiago está com as luvas guardadas desde a
vergonhosa falha no empate em 1 a 1 com o Cruzeiro, no último dia 10, pela Copa
do Brasil.
– A
falta de ritmo faz uma diferença enorme – alerta Wagner, ex-goleiro do
Botafogo. – Um goleiro não pode jogar uma vez ou outra. É nas partidas que se
pega o tempo da bola, o ritmo, a noção de posicionamento. O jogo dá tarimba.
A
preocupação de Wagner é compartilhada com José Pinheiros, o Cotia, primeiro
treinador de goleiros de Alex, nos tempos do Serrano, do Paraná, em 2008.
– Um
goleiro que fica muito tempo parado não vai render. Ele perde o ritmo e as
falhas começam a aparecer. E tem também a questão psicológica. O goleiro
precisa se sentir confiante. E o treinador precisa confiar no seu goleiro.
Rueda
não confia. Deixou isso claro após o empate sem gols com a Chapecoense, na
última quarta-feira. Ao tentar justificar a opção por Diego, admitiu que queria
dar tranquilidade ao time:

Vínhamos de derrota para o Botafogo, e o Diego dá tranquilidade ao grupo. Vinha
com mais ritmo do que Thiago ou Muralha, que estão trabalhando bem. No momento
que entrarem em campo, vão responder bem – disse, sem adiantar quem será seu
escolhido para o jogo de domingo, contra o Sport, na Ilha do Urubu, pelo
Brasileiro.
Campeão
brasileiro pelo Flamengo em 1992, o ex-goleiro Gilmar Rinaldi, também da
seleção, não acredita que a falta de confiança de Rueda possa trazer prejuízos
a Alex e Thiago.
– Se
estivessem há cinco meses sem jogar, tudo bem. Mas o espaço de tempo é curto.
Acho que a falta de ritmo não intefere. Tem que ver no dia a dia quem está
melhor e mais confiante.

COMENTÁRIOS: