Flamengo e Cruzeiro perdem milhões em estádios de Copa do Mundo

45
Torcida do Flamengo no Maracanã – Foto: Hamoon Nasiri

RODRIGO
MATTOS
: Finalistas da Copa do Brasil, Flamengo e Cruzeiro perdem milhões no uso
dos estádios Maracanã e Mineirão por conta do legado da Copa-2014. Ambos os
clubes convivem com condições e taxas que lhes tiram mais da metade de suas
rendas, retidas por estádios caros e com gestores com quem têm disputas. E isso
se repetirá nas duas decisões, nos dias 7 e 27 de setembro.

No
caso do Flamengo, o novo acordo com a Odebrecht prevê uma retenção de 20% da
renda para a Odebrecht a título de aluguel, fora as altas despesas do estádio.
No caso do Cruzeiro, 25% da renda serão retidos por disputa judicial com a
Minas Arena.
Basta
ver os borderôs das semifinais para constatar o tamanho dos prejuízos dos clubes.
O Flamengo ficou com 37% do total da bilheteria. Já o Cruzeiro teve uma sobra
um pouco maior: 40% do total, isto é, R$ 707 mil dos R$ 1,7 milhão arrecadado.
Para o número cruzeirense, foram incluídos os valores arrecadados com ingressos
dos sócios-torcedores.
”Temos
uma discussão judicial e também uma tentativa de negociação (com a Minas
Arena). Assim, o dinheiro está sendo depositado judicialmente. A receita é mais
alta, retém mais”, contou o diretor comercial do Cruzeiro, Róbson Pires. Foram
retidos R$ 482 mil da semi. No ano, já foram retidos R$ 3,4 milhões.
Isso
fora os custos de operação do estádio, caro após as reformas para a Copa. ”É
um estádio grande (Mineirão) e os custos são compatíveis com isso. Quando temos
jogos menores, abrimos menos setores para reduzir o custo”, contou Pires, que
não acha os gastos excessivos para o tamanho do Mineirão.

A
relação do Flamengo com o Maracanã é ainda mais complicada neste ano de 2017. O
presidente rubro-negro, Eduardo Bandeira de Mello, chegou a dizer que o clube
estava sendo ”espoliado” ao comentar os acertos para a Libertadores.
Considerados
os jogos decisivos da Libertadores, Copa do Brasil e finais do Estadual, o
Flamengo já deixou R$ 12,6 milhões em taxas nos jogos em 2017 – no caso da
decisão do Carioca juntamente com o Fluminense. Essas taxas incluem desde a
operação do jogo, aos aluguéis da Odebrecht até descontos de Federação do Rio
de Janeiro, e outros.
Com a
final da Copa do Brasil, é provável que esse número suba consideravelmente com
a maior renda do ano. Por isso, o clube só se decidiu por usar o estádio em
jogos grandes pensando na torcida, e de resto atuará na Ilha do Urubu.
Além
da questão da Odebrecht, dirigentes rubro-negros reclamam que o Maracanã foi
reformado sem se pensar no seu uso posterior por clubes, o que o torna muito
caro. É uma realidade parecida com o Mineirão onde é complicado setorizar o
estádio.
Uma
vantagem do estádio mineiro é que não se perde tantas cadeiras quanto o
carioca. O Cruzeiro estima ter 54 mil a 55 mil lugares na final, fora os
assentos da Minas Arena. Enquanto isso, o Maracanã terá 67 mil lugares, mas com
grande carga de gratuidade. A capacidade de 72 mil vista na Copa nunca mais foi
atingida por falta de assentos e barreiras de segurança. Lembre-se que o Maracanã
sempre foi maior do que o Mineirão.

COMENTÁRIOS: