Flamengo revê quase um time de ‘inimigos íntimos’ no Cruzeiro

25
Thiago Neves em Flamengo x Vasco – Foto: Ide Gomes / Futura Press

UOL: A
final da Copa do Brasil entre Flamengo e Cruzeiro conta com um fato marcante. A
busca pelo título começa na próxima quinta-feira (7), às 21h45 (de Brasília),
no Maracanã, e o Rubro-negro terá de lidar com nove “inimigos
íntimos” na Toca da Raposa. Eles atuaram pelos rivais do Rio de Janeiro e
são conhecedores do clube da Gávea. Enquanto os cariocas querem neutralizar as
armadilhas e dicas, os mineiros trabalham para aproveitar todo o conhecimento e
surpreender na busca pelo título e da vaga antecipada na Copa Libertadores de
2018.

Os
clubes não possuem uma rivalidade íntima e acirrada, apesar do considerável
histórico de decisões. A paz predomina para mais uma final entre eles. No
entanto, o elenco mineiro aproveita quase um time de “cariocas” no
momento de importante definição na temporada.
Fábio,
Dedé e Alisson defenderam o Vasco. Diogo Barbosa, Rafael Marques e Sassá
atuaram pelo Botafogo. Digão, Rafael Sóbis e Thiago Neves estiveram no
Fluminense. O último também passou pela Gávea em 2011 e foi uma das referências
do Rubro-negro ao lado de Ronaldinho Gaúcho.
Dos
nove, cinco têm condições de atuar: Fábio, Diogo Barbosa, Thiago Neves, Alisson
e Rafael Sóbis. Rafael Marques e Dedé estão no departamento médico. Sassá e
Digão não foram inscritos na Copa do Brasil.
Ainda
que estejam fora da lista do clube para os jogos do torneio nacional, Digão e
Sassá tornaram-se peças fundamentais no vestiário da Raposa desde que chegaram.
A
dupla tem acompanhado os jogos ao lado dos colegas de plantel a fim de passar
confiança e conversar sobre as possíveis dificuldades encontradas nos duelos de
mata-mata. Na semifinal contra o Grêmio, os dois foram ao Mineirão e,
inclusive, estiveram no vestiário para auxiliar na preleção.
Na
próxima quinta-feira (7), Sassá e Digão estarão no camarote que abrigará a
diretoria do Cruzeiro no Maracanã. O zagueiro, revelado pelas divisões de base
do Fluminense, falou sobre o fato.
“Acho
importante quem está fora ajudar a galera. Sabemos que é um jogo difícil.
Procuro fechar com os caras no vestiário para o grupo perceber que estamos
juntos. Vou ao Rio para ajudar o Cruzeiro. Não sei se faz muita diferença, mas
acho isso muito importante”, disse ao UOL Esporte.
Os
inscritos também colaboram com todos os dados possíveis ao técnico Mano
Menezes. Qualquer detalhe pode valer o título e não há economia em informações.
Para neutralizar as informações de um lado e de outro, Cruzeiro e Flamengo
utilizam suas armas: treinos fechados, menos entrevistas e muita conversa.
O time
celeste quer fazer valer a experiência em terras cariocas, enquanto o
Rubro-negro neutralizar qualquer “atalho” conhecido. O jogo já
começou nos bastidores. Resta saber quem levará a melhor no fim das contas.

COMENTÁRIOS: