“Flamengo x Cruzeiro é um presente para Copa do Brasil”, diz Tinga

31
Jogadores do Flamengo comemorando gol contra o Cruzeiro – Foto: Pedro Vilela/Getty Image

BLOG
DO PRAETZEL
: O Cruzeiro está pronto para decidir a Copa do Brasil, a partir
desta quinta-feira, contra o Flamengo. O time treinado por Mano Menezes chegou
à final, após eliminar São Paulo, Chapecoense, Palmeiras e Grêmio, adversários
da Série A do Brasileiro. O blog entrevistou o gerente de futebol, Paulo César
Tinga, a respeito do ambiente do grupo, a gestão atual e as comparações com o
Flamengo. Acompanhem a seguir.

Cruzeiro está pronto para ser campeão?
A
gente está pronto como o Flamengo também está. Quem chega numa final, é por
mérito. Nós temos méritos porque tivemos uma caminhada maior. Ganhamos de São
Paulo, Chapecoense, Palmeiras e Grêmio. Todas equipes que chegam numa final têm
méritos, mas é natural que seja 50% para cada um, numa final.
Como defines o Flamengo hoje?
Uma
equipe forte, que chegou forte na final, assim como o Cruzeiro. São duas
equipes extremamente vencedoras por todas suas histórias. Sempre com muita
história de títulos. Jogaram só a primeira divisão. Foi um presente para a
própria competição, chegar com duas equipes de qualidade e tradição no mundo
todo, reverenciadas por todas suas histórias.
Achas que o Flamengo tem desvantagem, por
Rueda ter chegado agora?
Não
vejo desvantagem. Não gosto de analisar time e clube dos outros. Como trabalho,
não tenho como analisar. Posso falar do meu treinador, que chegou mais uma vez
por méritos, com bom trabalho. Não quero entrar em detalhes. Seria injusto
comparar, porque um está há um mês aqui e o outro teve o trabalho integral.
Houve uma acomodação no clube, após o
bicampeonato brasileiro em 2013 e 14?
Eu
acabei saindo, não vivi 15 e 16. É muito difícil de falar. Com experiência de
gestão, ganhar um ou dois brasileiros, é muito difícil. É natural que no
terceiro ano, haja uma queda de rendimento. Tem que ter um cuidado muito
grande. É importante saber ganhar. Nas vitórias, temos a tendência de estarmos
estagnados. Pode ter acontecido, porque acharam que era o suficiente para
ganhar. Nove meses trabalhando na gestão, é mais difícil fazer futebol pós
vitórias, porque pode haver um relaxamento. Viver na vitória é como educar os
filhos. É mais fácil educar o filho na falta das coisas. Quando está sobrando,
você tem mais dificuldade em educar.
A gestão joga o ano no torneio?
Não
costumo ver desta forma. Você pode estar gerindo tudo errado, de repente ganha
e acha que tudo está resolvido. O inverso pode acontecer. A gestão tem que ser
analisada no final da temporada, pesar na balança e ver os frutos. Tem que ver
no final e comparar com o ano anterior. Estamos numa final da Copa do Brasil e
brigando para chegar na Libertadores, pelo Brasileiro. Chegar numa final, no
mínimo, é porque o trabalho está sendo bem feito.
Tinga
foi bicampeão brasileiro como jogador, em 2013 e 2014. Hoje, ocupa a função
executiva, desde o início do ano. O Cruzeiro venceu a Copa do Brasil em quatro
oportunidades: 1993, 1996, 2000 e 2003. Na última vez, bateu o próprio
Flamengo. Na ocasião, era treinado por Vanderlei Luxemburgo.

COMENTÁRIOS: