Muralha, do Flamengo, ganhou apelido após defender dois pênaltis

22
Muralha – Foto: Reprodução

GLOBO
ESPORTE
: Os próximos oito dias serão de intenso preparo técnico e psicológico
para Alex Muralha. O goleiro vive o momento de maior provação desde que chegou
ao Flamengo. Mesmo em uma temporada ruim, na qual perdeu a vaga de titular, ele
tem a chance de redenção no gol rubro-negro na final da Copa do Brasil. Para
ganhar ritmo, voltou ao time titular contra o Sport e ajudou a equipe a vencer
na Ilha do Urubu.

Diante
do momento de evidência do jogador, o GloboEsporte.com foi atrás dos lances da
carreira que deram origem ao seu apelido. Bastante questionado por seu
aproveitamento ruim no clube, curiosamente foram defesas em cobranças de
pênaltis que geraram o seu ”segundo nome”.

O ano
era 2012. Atuando pelo Comercial, ele iniciou a temporada defendendo um pênalti
no clássico de Ribeirão Preto, diante do Botafogo-SP. No entanto, destacou-se
mesmo ao defender duas cobranças contra a Ponte Preta, no Moisés Lucarelli.
Depois disso, a torcida de seu antigo time fez uma faixa o apelidando de
Muralha. Nome que o acompanharia dali em diante.
– O
Alex foi um goleiro muito seguro nesse período. Chegou a pegar dois pênaltis no
mesmo jogo contra a Ponte Preta e outros pênaltis em outros jogos. Além de
salvar várias vezes fazendo defesas cara a cara. Como qualquer goleiro ele
também cometeu erros, mas obteve muito mais acertos do que falhas – lembrou o
preparador Leandro Franco, que trabalhava no Comercial com o goleiro.
O
primeiro pênalti foi cobrado pelo atacante Roger, que hoje defende o Botafogo.
O segundo, por Renato Cajá, que voltou para a Ponte. Apesar da atuação do
goleiro, o Comercial perdeu aquele jogo por 1 a 0, pelo Campeonato Paulista. Na
época com 22 anos, Muralha deixou claro que preferia um resultado positivo aos
pênaltis defendidos.
No
último sábado, o Flamengo informou que Thiago sofreu uma fratura no punho
esquerdo. Com isso, dificilmente poderá atuar na final da Copa do Brasil, onde
disputava vaga com Muralha. Diego Alves não está inscrito no torneio. A decisão
será dia 27, contra o Cruzeiro, no Mineirão.
A
pouco mais de uma semana da final, Rueda tem nos planos a ideia de utilizar
Muralha novamente no Campeonato Brasileiro – sábado, contra o Avaí. A tendência
é que Diego Alves retorne ao time no segundo jogo das oitavas de final da
Sul-Americana, nesta quarta, contra a Chapecoense.

COMENTÁRIOS: