No Flamengo, Muralha pegou só um pênalti e acertou 20% do canto

52
Foto: Alexandre Cassiano / O Globo

EXTRA
GLOBO
: Após a conquista da Copa do Brasil no Mineirão, os jogadores do Cruzeiro
deixavam o estádio conversando entre si e com amigos, e Thiago Neves afirmou:
“Eu fui bater o pênalti dessa vez mais tranquilo do que na semifinal”. O recado
estava dado. O time de Mano Menezes se preparou para a disputa apostando na
deficiência recente do goleiro do Flamengo Alex Roberto. Desde que chegou do
Figueirense foram 31 cobranças, com uma defesa e oito escolhas de canto erradas
em dez tentativas. Na última decisão, só pulou para o lado direito, onde alguns
dos batedores costumam cobrar. E só acertou o canto uma vez. Alex também falhou
em duas saída do gol. Ao deixar o estádio, não quis comentar a atuação.

Ao
longo da semana, a mobilização para apoiar o camisa 38 era enorme, com direito
a bandeira da torcida e sócio do clube entregando cartinha motivacional. O
goleiro se mostrou confiante com o apoio externo e dos demais companheiros. No
Mineirão, não se intimidou com a torcida adversária gritando “frangueiro” e
entrou no gramado batendo no peito e apontando para os rubro-negros em minoria.
A atuação não foi ruim nem houve falha determinante. A incompetência dos
jogadores de linha em criar chances de gol obrigou a disputa de pênaltis, que
Alex vinha treinando em dois períodos.
– Hoje
o Fabio trabalhou, foi mais decisivo que o Alex, teve mérito de pegar o pênalti
do Diego, que é nosso cobrador – lamentou Rodrigo Caetano.
O
preparador Victor Hugo nem isso. Manteve-se sob o escudo dos dirigentes. Na
saída do campo, Alex admitiu que a estratégia era pular para o mesmo canto
devido ás estatísticas dos atletas do Cruzeiro. O resultado não foi bom e o
goleiro tentou se explicar dentro do vestiário, mas não falou com a imprensa.
Todo o carinho depositado nos últimos dias se transformou em frustração e
certeza de que Alex não poderia ser o goleiro em uma final passível de
penalidades. A partir de agora, Diego Alves assume o gol do Flamengo na
Sul-Americana e no Brasileiro. O técnico Reinaldo Rueda eximiu Alex de culpa.
– Alex
fez um grande trabalho, os pênaltis estavam bem analisados. O acordo que
tínhamos era esse, houve uma mudança dos batedores , mas agora não é a hora de
pensar dessa forma. Deveríamos ter marcado a diferença no Maracanã, quando
jogamos com Thiago, um goleiro jovem – explicou Rueda.

COMENTÁRIOS: