Peru, de Guerrero, pode ser cabeça de chave da Copa em 2018

134
Guerrero comemorando gol da Seleção do Peru – Foto: Divulgação

SUPER
ESPORTES
: A seleção peruana ainda nem garantiu vaga na Copa do Mundo da Rússia,
no ano que vem. Porém, de acordo com os critérios do ranking da Fifa,
divulgados nesta quinta-feira (14/9), a equipe de Paolo Guerrero, Miguel Trauco
e Christian Cueva pode ser uma das cabeças de chave do torneio, à frente de
cinco campeãs do mundo: Espanha, França, Inglaterra, Itália e Uruguai.

Para
que o Peru consiga a façanha inédita, “bastará” vecer as duas
partidas que restam nas Eliminatórias Sul-Americanas. A tarefa não é das mais
tranquilas: os peruanos enfrentam a Argentina, fora de casa, e a Colômbia, em
Lima. Os jogos serão em 5 e 10 de outubro, respectivamente. As datas serão
decisivas, as derradeiras para definir quem serão os países cabeças de chave.
Caso
não vença as duas partidas que restam, o Peru ainda assim pode conquistar um
lugar no pote 1 do sorteio dos grupos, mas dependendo de uma improvável
combinação de resultados, como um empate ou uma vitória de Montenegro sobre a
Polônia, na casa dos poloneses.
Alemanha,
Brasil, Portugal, Argentina, Bélgica, Polônia e Suíça, além da anfitriã Rússia,
estariam no pote 1, se o sorteio do torneio fosse feito antes dos dois últimos
jogos das Eliminatórias. No momento, o Peru é o 12º colocado do ranking da
Fifa.
Mas
como o Peru depende só dele para ser um dos cabeças de chave da Copa do Mundo,
se há quatro seleções entre eles e os suíços, sétimos na lista?
O fato
se explica pelas regras da pontuação do ranking da Fifa. A entidade usa uma
fórmula para chegar à pontuação de cada seleção mensalmente. O cálculo
considera o placar da partida, a importância do jogo (confronto de Copa do
Mundo, por exemplo, vale quatro; amistoso, um), a força do adversário (de
acordo com a posição no ranking) e a força da confederação continental.
Por
isso o Peru, que enfrenta Argentina e Colômbia, 4ª e 10ª seleções no ranking,
respectivamente, pode somar mais pontos e ultrapassar a França, oitava na
lista, mas que enfrenta Bulgária e Belarus, equipes com ranqueamento ruim.
A
pontuação total também leva em consideração um período de quatro anos, que é
determinada pela média de pontos conquistados nos jogos do último ano e a média
dos pontos ganhos em jogos ocorridos há mais de 12 meses.

COMENTÁRIOS: