Rizek lembra de falha de Thiago e diz: “Goleiro faz a diferença”

22
Thiago, goleiro do Flamengo – Foto: Divulgação

SPORTV:
No dia 1º de setembro, o jornal “Extra” gerou polêmica entre os
torcedores do Flamengo e no próprio clube ao estampar na capa que não chamaria
mais o goleiro Alex Muralha pelo apelido por suas falhas em campo. Nesta
quinta-feira, no dia seguinte à derrota do time na final da Copa do Brasil para
o Cruzeiro, o diário carioca voltou a destacar o goleiro rubro-negro na sua
página principal, com a manchete “goleiro faz a diferença” e chamando-o
de Alex Roberto.

– Como
o Extra antecipou… Goleiro faz a diferença. Diego perde pênalti para Fábio,
Alex Roberto zera de novo e Fla chora com mais um vice – publicou o jornal, com
duas fotos grandes de Fábio e Muralha. O primeiro, defendendo a bola chutada
pelo meia rubro-negro. E Muralha sentado no gramado, reclamando de uma suposta
irregularidade na cobrança de Thiago Neves.
Apresentador
do “Redação SporTV” questionou se não seria injusto o jornal
relacionar à perda do título ao goleiro, lembrando a falha de Thiago no
primeiro jogo da decisão, quando o jovem arqueiro soltou um chute de longe de
Hudson, que Arrascaeta aproveitou para empatar o jogo em 1 a 1 no Maracanã.
– Acho
que de novo foi um pouco cruel com o Muralha. Goleiro faz a diferença sim, mas
a diferença maior no confronto não foi a falha do Thiago no Rio? Que permitiu
ao Cruzeiro empatar um jogo que estava na mão do Flamengo. E o Flamengo não
poderia jogar pelo empate (em Minas) se não fosse a falha do Thiago (….) Acho
injusto colocar na conta do Muralha essa derrota. Acho a falha do Thiago mais
decisiva – disse Rizek.
Editor
do jornal carioca, o jornalista Márvio dos Anjos, que participou do
“Redação SporTV” nesta quinta-feira, justificou a manchete
argumentando que não se espera de Muralha que ele consiga defender um pênalti.
Ao contrário do que ocorre com o goleiro do Cruzeiro.
– Se
tentar relacionar a falha do Thiago a tudo que aconteceu é esquecer que o jogo
tem 180 minutos. Nunca é por uma coisa só. Não vamos atribuir apenas ao
Muralha. A capa do “Extra” diz o que: que o goleiro fez a diferença.
Se tem uma disputa de pênaltis, de um grande goleiro, em cobranças alternadas,
você espera que pegue um. Ele tem cinco chances pelo menos de pegar um. O Fábio
vai para uma disputa de pênaltis, você espera que ele pegue. O Gatito, também.
Como o Dida e outros. Do Muralha não se espera isso – afirmou.

Porque o Thiago jogou (o primeiro jogo)? Porque foi o Thiago e não o Muralha,
goleiro mais experiente, com passagem na seleção brasileira? Porque um goleiro
novato jogou a primeira partida da final? A explicação pode ser dada de várias
formas: o Flamengo não teve confiança no Alex Muralha? O Muralha ficou abalado
psicologicamente e não assumiu a responsabilidade de encarar uma final? Tem que
olhar isso de várias formas. Tem gente que gosta de atribuir ao
“Extra” a não escalação do Alex Muralha no primeiro jogo. O Thiago
falhou? Falhou. Mas é um goleiro jovem, que terá muito a dar ao Flamengo. Acho
que começa quando não se consegue bancar o Alex Muralha no primeiro jogo. Aí a
volta o Alex no segundo jogo, de uma forma meio esquisita. Porque ele deveria
ter tido o maior número de oportunidades de jogar neste intervalo entre o dia 7
e o dia 27. Ele, por exemplo, não jogou no time misto que enfrentou o Avaí.
Porque aparentemente havia o receio de que poderia se lesionar ou que alguma
falha o abalasse psicologicamente – acrescentou o jornalista.

COMENTÁRIOS: