Fla joga mal, é prejudicado pela arbitragem e fica no empate

298

Com as duas equipes precisando vencer para ficarem em situação favorável no ‘grupo da morte’, Flamengo e Santa Fe voltaram a se enfrentar na Libertadores. A partida no Brasil terminou empatada por 1 a 1, e na Colômbia o empate se manteve, mas sem gol para nenhum dos lados.

O início do embate contou com superioridade colombiana. Acostumados com a altitude, os jogadores do time da casa tentaram pressionar nos minutos iniciais, tentando investir em lances de velocidade para surpreender a zaga rubro-negra. Porém, Juan e Renê garantiram uma boa consistência nas tentativas pelo setor esquerdo do Mais Querido.

Se a defesa se mostrava sólida, os tentos ofensivos do Mengão deixavam a desejar. A equipe voltou a depender de lances individuais de Lucas Paquetá e Vinicius Júnior. Enquanto isso, Henrique Dourado pouco conseguia fazer contra a zaga adversária. O Fla tentava acionar o camisa 19 em lançamentos, mas ele não conseguia dominar e dar prosseguimento às jogadas.

Em tais circunstâncias, as melhores oportunidades das equipes surgiram em bolas paradas. Aos 32, o Santa Fe deu um grande susto no Mais Querido aos 32 minutos. Após cobrança de falta, o artilheiro da Libertadores, Wilson Morelo, apareceu sozinho para raspar de cabeça. Por sorte do Fla, o atleta não conseguiu o desvio necessário e a bola acabou se perdendo pela linha de fundo.

O primeiro tempo se encerrou sem grandes chances para nenhum dos lados, que pouco produziram em conjunto. O Flamengo, por sua vez, foi para o vestiário precisando de que jogadores como Willian Arão e Henrique Dourado, de fato, entrassem na partida, para fazerem a diferença no ataque.

As duas equipes voltaram para o segundo tempo sem substituições, e a postura também seguiu a mesma. Apesar de pouca inspiração dos jogadores, a proposta dos dois planteis era manter a bola no campo de ataque para buscar brechas na defesa.

Aos 10 minutos, o Santa Fe conseguiu grande trama ofensiva pelo lado esquerdo do Fla, uma vez que Renê não demonstrava a mesma resistência defensiva que fora apresentada anteriormente. Plata fez tabela, invadiu a área sozinho e cruzou rasteiro. A bola passou por Diego Alves e Morelo chegaria sozinho para empurrar para a rede, mas Rodinei travou a finalização e mandou para escanteio.

Por volta dos 20 minutos, a partida voltou a esfriar. O Fla chegava a manter a bola no campo ofensivo, mas sofria com a falta de uma referência na grande área e os jogadores de armação com pouca inspiração. Para tentar dar novo gás, Barbieri sacou Henrique Dourado para colocar Geuvânio em campo.

O lance que mais assustou o goleiro do Santa Fe foi em decorrência de ato da própria defesa colombiana. Renê cruzou de longe e o zagueiro Tesillo cortou. A bola não tomou a direção esperada e passou rente à trave do goleiro Zapata.

Aos 32 minutos do segundo tempo, o Flamengo, enfim, fez o arqueiro adversário trabalhar. Vinicius Jr fez bom lance para a esquerda e achou Diego livre na intermediária. O camisa 10 ajeitou e chutou rasteiro, obrigando o camisa 1 a se esticar todo para garantir que a redonda não fosse parar no fundo das redes.

Sem o resultado esperado com a entrada de Geuvânio, Barbieri decidiu acionar outra peça com as mesmas características: Marlos Moreno entrou no lugar de Vinicius Júnior.

O placar seguiu sem alterações até o apito final. Desta forma, o Mengão voltou à liderança, ao menos de forma temporária. O Rubro-Negro, sem convencer, chegou a seis pontos e se garantiu na zona de classificação por mais uma rodada. Agora o clube da Gávea espera a partida entre River Plate e Emelec, nesta quinta-feira (26), para saber como vai ficar sua situação ao fim da quarta rodada.

Reprodução: Coluna do Flamengo

COMENTÁRIOS: