Marcos Braz solta o verbo contra o futebol do Fla e diz que vai participar das eleições

193

GOAL: Vice-presidente de futebol no ano em que o Flamengo conquistou o hexacampeonato brasileiro, Marcos Braz se mostrou indignado com o momento vivido pelo Flamengo, às vésperas do Brasileirão e de partida importante na Libertadores, sem comando técnico.

“Um pouco estranho, você começando uma competição de quase oito meses você não estar estruturado é estranho, mas foi opção que se teve, foi uma ruptura, essa ruptura com os profissionais que estavam lá deveria ter sido feito com tranquilidade em dezembro, não foi feito, foi feito no desespero, o preço está aí”.

O ex-vice presidente também criticou o fato do Flamengo ter procurado Renato Gaúcho, para ele, a ideia surgiu apenas pela diretoria não ter coragem de efetivar Maurício Barbieri logo de cara.

“Acho que só uma criança para achar que o Renato poderia vir, só uma pessoa leiga no futebol, o Renato é ídolo lá, ele não está como técnico somente num grande clube ele está como técnico num time em que ele foi campeão do mundo, campeão da Libertadores como jogador e treinador, acho que optaram pelo Renato por não ter coragem de efetivar de primeira o Barbieri”.

Renato Gaucho Gremio campeao Copa Libertadores 29112017
(Foto: Getty Images)

Braz também criticou a forma como a gestão Bandeira de Mello conduz e ressaltou que o atual grupo que comanda o clube não entende de futebol.

“Eu acho que tem que ter um pouco mais de humildade de quem está no comando, eu posso ser experiente em outras áreas, ter conhecimento em outras áreas, mas se eu for fazer o que você está fazendo, você é repórter, está no ramo, acho que o minimo é aconselhar-se com pessoas que sejam da área. Eles não conhecem nada, são fracos”.

“A maneira como foi rompido com os profissionais é sinônimo do Flamengo nos últimos seis anos, porque qualquer um teria a tranquilidade, não falaria nada, esperaria o dia seguinte no Centro de Treinamento para fazer o que deveria ser feito. O vice-presidente disse o que tinha que fazer, o Bandeira não falou nada e depois disse que o Rodrigo Caetano era um profissional indispensável. Como eu sou presidente do clube e vou falar que estou mandando embora um profissional indispensável? Isso é loucura, mas vai mudar, 2019 está vindo aí.

Eduardo Bandeira de Mello Rodrigo Caetano Flamengo 13012017
(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo / Divulgação)

Marcos Braz também afirmou que vai participar do processo eleitoral do Flamengo, segundo ele, ou estará como presidente ou vice-presidente de alguma chapa.

“Não há a menor hipótese de eu não estar numa chapa, ou como presidente ou vice e na hora certa a gente vai chegar e vamos tratar as bolas como tem que ser tratadas, passar para o associado do Flamengo que quando se faz uma má gestão dentro do futebol não é só o futebol que sofre, é o torcedor, é o sócio torcedor, o Flamengo perdeu quase 20 mil sócios torcedores, o Flamengo hoje vai mal no futebol, o clube sofre, mas isso vai mudar. Não pode um clube como o Flamengo estar tão elitizado, o Flamengo perdendo recordes de vendas de camisa, de torcida no estádio, é lamentável, mas a gente vai conseguir dar a volta por cima”.

GFX Treinadores Bandeira de Mello Flamengo

Por fim, Marcos Braz também afirmou que nunca foi procurado pela atual diretoria para assumir nenhum cargo dentro do clube.

“Há três anos quando estava faltando um ano para acabar o primeiro ano de gestão do Bandeira eu era secretário de esportes do Rio, não tinha possibilidade de estar no Flamengo, não podia estar no pleito eleitoral, mas isso passou, eles nunca me chamaram, nunca me convidaram, meu nome sempre apareceu mas aparecia para ganharem tempo para escolherem um outro nome”.

COMENTÁRIOS: