Técnico interino do Flamengo já recebeu elogios de Tite e tem passado com Zé Ricardo

146

Jovem e sem passagens pela elite do futebol brasileiro, o técnico interino do Flamengo, Mauricio Barbieri, não é um conhecido do grande público. Aos 36 anos, ele será o treinador do Rubro-Negro na estreia do Campeonato Brasileiro, no próximo sábado (14), contra o Vitória. Antes disso, o Esporte Interativo juntou histórias para apresentar à torcida quem terá o comando técnico do clube mais popular do país.

Apesar do pouco tempo de estrada, Barbieri já teve o trabalho elogiado até pelo técnico da seleção brasileira, Tite. Isso em São Paulo, onde, um ano depois, o treinador foi para o maior desafio da carreira até então e decepcionou, demitido após seis jogos. Contratado pelo Flamengo em janeiro deste ano, o atual auxiliar permanente tem um passado com Zé Ricardo e por pouco não editou uma parceria com o treinador em duas oportunidades. Uma delas, aliás, no próprio Flamengo.

Passado rubro-negro

Pouca gente fora do clube sabe, mas Barbieri teve uma passagem curta e recente pela Gávea antes de 2018. Mais do que isso: Mauricio é velho conhecido de Zé Ricardo, hoje técnico do Vasco, e por pouco não promoveu uma parceria com o comandante do grande rival. É que eles se conhecem desde 2012, quando o interino do Flamengo comandou o Audax-RJ rumo à elite do futebol carioca enquanto Zé treinava os juniores.

Quando voltou à base do Fla, poucos anos depois, o hoje técnico do Vasco foi convidado para ser auxiliar no profissional do Audax, mas acabou recusando. Mais alguns anos se passaram, e outro reencontro: para completar o curso da CBF, Barbieri foi ao Flamengo para um período de experiência prática justamente na época em que Zé Ricardo era o comandante. O trabalho não durou mais de duas semanas, mas serviu, mesmo que em parte, para o profissional ficar no radar rubro-negro e retornar em 2018, desta vez com contrato e cargo na comissão.

“Conheço ele desde aquela época, era 2011 ou 2012. Teve uma possibilidade de eu trabalhar com ele no Audax-RJ, para ser auxiliar dele. Isso depois de eu ter voltado para o Flamengo. Só que eu tinha pouco tempo de Flamengo e não retornei para o Audax. Desde lá ficou uma amizade muito grande, a gente sempre se falava. Fizemos o curso da CBF juntos”, disse o técnico do Vasco ao Esporte Interativo.

Como pensa e como joga, segundo um chefe e um jogador

Curiosidade à parte, vamos ao campo e bola: Barbieri tem no histórico trabalhos metódicos, bastante estudados e que resultaram em equipes audaciosas. Isso segundo tanto quem o comandou como quem foi comandado. A reportagem conversou com dois personagens que puderam contribuir um pouco com relatos sobre a forma de treinar e pensar o jogo que tem o novo comandante do Flamengo. As declarações batem com pensamentos dos próprios jogadores rubro-negros, que falam sobre um estilo de jogo ofensivo e de posse de bola.

“Ele é um treinador mais novo do que eu, mas ele conseguia ter respeito muito grande dos jogadores. Ele faz um trabalho e explica porque está fazendo esse trabalho. Para o jogador entender e captar aquilo. E ele não abria mão de o time sair jogando. Eu nunca gostei de dar chutão, e isso até favorecia o meu jogo. Ele trabalhava muito a saída de bola, não gostava de rifar”, disse em contato com a reportagem Fabiano Eller, hoje candidato a deputado federal no Espírito Santo, que foi capitão com Barbieri no Audax-RJ e no Red Bull-SP.

“Ele é um treinador extremamente estudioso, é envolvido no trabalho como poucos que eu vi. Faz um trabalho grande fora de campo, com planejamento e montagem do treino. É um treinador que gosta muito de trabalhar a equipe de uma maneira pedagógica, de formação da equipe. Todo pré-treino é exatamente planejado, assim como o pós-treino. Analisa jogador por jogador”, completou ao EI o diretor executivo do Paysandu, André Mazzuco, diretor esportivo na época do interino do Flamengo no Red Bull.

Em São Paulo, dos elogios de Tite a atrito com torcida

Em São Paulo, Barbieri teve a melhor passagem como treinador de futebol, e também a pior. No clube de maior expressão antes do Flamengo, o Guarani, no interior paulista, o técnico não conseguiu mais do que seis partidas. O destaque foi negativo, mas não no campo: pela imprensa, o comandante entrou em atrito com a torcida. Depois, deu explicações.

“Queria me desculpar pelo mal-entendido. Em nenhum momento eu disse que ignoro a torcida. Só falei que, como comandante, eu preciso saber separar as coisas e analisar a situação com mais lucidez”, disse no início de 2017.

A campanha curta e ruim foi precedida, um ano antes, pelo auge no futebol profissional. Em um clube-empresa, o Red Bull-SP, Barbieri fez um trabalho de dois anos que levou o clube a fases eliminatórias do Campeonato Paulista. Mais do que os resultados, a equipe foi elogiada pelo desempenho. O trabalho rendeu atenção até de Tite, hoje técnico da seleção brasileira.

“O Mauricio amadureceu muito. A gente teve momentos ruins, que tivemos que tomar decisões, e ele participou disso. Mas, é claro que a diferença do assédio vai a 1000% agora. Sobre a relação com os atletas, ele se preocupa muito com o lado humano, porque é um ambiente de pressão e dificuldade. Ele leva muito isso para os atletas para administrar o dia a dia”, completou Mazzuco, ex-dirigente de Barbieri.

Reprodução: Esporte Interativo

COMENTÁRIOS: