Decisivo na última partida, Olivinha fala sobre vitória

311

Olivinha vive uma temporada de altos e baixos no Flamengo. Símbolo da entrega e da raça de uma equipe que conquistou quase tudo nos últimos seis anos, o pivô teve médias abaixo dos anos anteriores na primeira fase do NBB. Mas não se entregou. E foi fundamental na vitória do Rubro-Negro por 71 a 64 diante do Mogi, no jogo 3 da série semifinal que deu sobrevida aos cariocas. Brigando por cada bola, ele também foi bem no ataque, e entrou para a partida com apenas um sentimento na cabeça: não queria ser eliminado novamente na frente da torcida, como no ano anterior.

– Estamos acostumados a grandes jogos. Viemos com uma cabeça diferente dos outros jogos, conseguimos fazer uma partida boa, contamos com o apoio da nossa torcida, que foi fundamental. Meus companheiros perceberam que eu estava muito bem na partida e me alimentaram durante o primeiro quarto principalmente. Nos mantivemos no jogo, com uma vantagem. Tivemos uma atitude de não querer sair daqui derrotado na frente do nosso torcedor. Não podia. Já sofremos isso na temporada passada e não queríamos passar por isso novamente. A atitude da equipe foi muito boa, conseguimos fazer um grande trabalho – disse Olivinha.

Jogando por 26 minutos, o pivô terminou o jogo com 20 pontos, sendo o cestinha do duelo. Foram 13 apenas no primeiro quarto. Também conseguiu oito rebotes ofensivos, dando segundas chances ao ataque carioca. No fim, acabou com 13 sobras e se já não era o suficiente, ainda meteu uma bandeja decisiva nos minutos finais, motivo de brincadeira pós-jogo.

– Aquela bola sobrou ali na minha mão, na verdade nem era para estar comigo, mas sobrou e eu tentei fazer uma boa jogada. Deu tudo certo, conseguimos abrir uma vantagem maior, deu uma tranquilidade para a gente. É manter essa pegada, essa atitude, para buscarmos lá em Mogi também – brincou Olivinha.

Após a partida, o técnico José Neto elogiou a atitude da equipe e a entrega dos jogadores, e lembrou da importância da energia de Olivinha para a equipe.

– Ele tem essa atitude de querer seguir vivo. O selo tem a cara dele. Demonstra isso, reflete o que o time faz. Não tinha bola perdida para ninguém. Todos estavam se atirando nas bolas. Foi legal porque realmente ele merece. É um cara que se dedica 100%, como os outros, mas mostra a cara e a energia do nosso time – disse o técnico José Neto.

Flamengo e Mogi voltam a se enfrentar no sábado, desta vez em Mogi, no Ginásio Hugo Ramos, às 14h. Vencendo a série por 2 a 1, os mogianos entram em quadra novamente para fechar a série. Caso o Rubro-Negro vença e empate, o jogo 5 acontece na outra semana, na terça-feira, dia 15, às 20h, na Arena Carioca 1.

Reprodução: Thierry Gozzer/Globo Esporte

COMENTÁRIOS: