Flamengo sonda promessa, mas Bahia quer 40 milhões

Dono de passadas largas, excelente tomada de decisão e um potencial que foge ao seu pé direito, o meia Ramires, do Bahia, foi uma das revelações do último Brasileiro. Com apenas 18 anos, a promessa fez a sua estreia em jogo contra o Sport, em setembro, e conquistou rapidamente o seu espaço. Em alta no mercado, ele atraiu representantes espalhados pelo planeta para a Arena Fonte Nova e viu a sua cotação disparar.

Nas últimas semanas, segundo ouvido pelo UOL Esporte, Palmeiras e Flamengo chegaram a fazer consultas informais, sem oficializar oferta, pelo jovem jogador, que ainda mora no Fazendão, CT do clube, e deve se mudar em breve para um apartamento próprio.

A interlocutores, o Palmeiras confirmou o contato para “colher informações” sobre Ramires, mas negou qualquer proposta neste momento. O Fla, por sua vez, se encontra em fase de ebulição política com as eleições presidenciais e aguarda o resultado para uma eventual investida.

Conforme apurado pela reportagem, Arsenal, Manchester City, Inter de Milão, Atlético de Madri e Borussia Dortmund estão entre os reais interessados e estudam enviar uma oferta nas próximas semanas.

O motivo da pressa é evitar que as cifras envolvendo uma possível compra aumentem ainda mais.

Pessoas ligadas à CBF já avisaram que Ramires faz parte dos planos da seleção brasileira para o Sul-Americano Sub-20, a ser disputado em janeiro, no Chile, e que, embora não tenha sido chamado durante a preparação, tem chances elevadas de integrar o grupo.

Atento a isso, o Bahia, que detém 100% de seus direitos econômicos, trabalha com o valor de 10 milhões de euros (R$ 42 milhões) para um eventual negócio nesta janela de transferências. Nos bastidores, existe o desejo da equipe em manter um percentual do atleta, o que poderia fazer com que a sua pedida fosse reduzida também.

Ainda assim, nos termos em que se discute, seria a maior venda de sua história, superando, inclusive, a do meia-atacante Zé Rafael ao Palmeiras, que rendeu R$ 14,5 milhões aos seus cofres.

Até mesmo em função dos números envolvidos, o tricolor baiano prioriza um acordo para o exterior e prefere não reforçar neste caso concorrentes locais.

O futuro do meia passou a ser discutido mais abertamente após vinda de olheiros do Arsenal e do Atlético de Madri em confronto com o Atlético-PR, pela Copa Sul-Americana, e do Borussia Dortmund em partida contra o Fluminense, pelo Brasileiro, para observá-lo.

Ramires está no Bahia desde a categoria sub-11 e se sobressaiu por todos os grupos em que passou, atuando na maior parte do tempo um pouco mais recuado, como segundo volante. Ele se encontrava no time sub-23 antes de fazer o salto para o profissional.

Prestigiado, o garoto teve o seu contrato renovado até 2022, com multa rescisória estipulada para o exterior ao redor de 30 milhões de euros (R$ 126 milhões). Ao todo, ele balançou as redes uma vez e distribuiu três assistências em 15 jogos em sua primeira Série A.

Wolfsburgo conversa com Bahia por outro nome

Outro prata da casa do Bahia que está chamando a atenção fora do país é o lateral direito Douglas Torres, mais conhecido como Boreu, que vem sendo convocado com frequência para a seleção sub-17. O atleta de 16 anos teve o seu vínculo prorrogado recentemente e, em acordo com o clube, foi liberado para passar por um período de treinos no Wolfsburgo, da Alemanha.

Mesmo ainda novo, a equipe tricolor não descarta aproveitar o estadual na próxima temporada e, como forma de rodar o seu elenco para evitar o desgaste presenciado em 2018, brindá-lo com uma chance também entre os profissionais. Ele chegou a treinar no time de cima nos últimos meses.

Fonte: UOL