A Ilha da nostalgia.

Torcedor pobre do Flamengo no Estádio Ilha do Urubu – Foto: Yuri de Castro

REPÚBLICA PAZ E AMOR: TEXTO DE MARCELO DUNLOP

João
Máximo foi quem melhor definiu o triste destino do maior estádio do mundo
(1950–2017): “O Maracanã já foi do povo, tentou ser da elite e hoje é de
ninguém”, resumiu o mestre, em crônica publicada outro dia na revista
“Socialismo e Liberdade”, editada pelo rubro-negro Cid Benjamin.
Mas e
a Ilha do Urubu, de quem seria? Bem, de todos menos alguns, como toda casa
rubro-negra – ainda que por ora esteja abrigando alguns e não todos.
A
pergunta que mais escutei essa semana, tirando “Vai me pagar não?”, foi: “E o
novo estádio na Ilha, que tal?”. Pergunta assim tão sumária tem que ter a
necessária resposta, e respondo então: é um campo perfeito para os nostálgicos,
um lugar para voltar no tempo.

quantos anos você não via o Flamengo ali tão perto, as feições dos craques tão
humanas, os gritos entre os jogadores tão audíveis, sem falar no cangote do
bandeirinha tão próximo de um elogio? A Ilha do Urubu, antigo “Estádio dos
Ventos Uivantes”, é um convite tamanho aos sentidos que você quase deixa
escapar o principal: o olfato.
Ah, o
cheiro da grama! Os antigos cronistas falavam dele como uma dádiva dos jogos
pré-Maracanã, uma sensação extinta para sempre. Mas ele existe na Ilha. Desci
os degraus do setor norte, disfarcei, fechei os olhos e puxei o ar. E eu então
senti, sim, eu senti, o aroma doce da relva em meio à noite fria da Ilha do
Governador.
Minha
viagem no tempo não parou por aí (é, a cerveja tava boa). Lembrei que foi num
cenário com proporções compatíveis que o saudoso Jaime de Carvalho inovou, ao
trocar o paletó pela camisa rubro-negra idêntica às dos jogadores, e ao formar
a famosa charanga, em 1942. Papo antigo, de tempos tão remotos que nem existia
uma ponte entre o Rio e a Ilha.
Nessas
priscas eras, por sinal, um público de 14 mil torcedores, como na estreia de
Flamengo x Ponte Preta de 14 de junho de 2017, era um número bastante
aceitável. É verdade, irmãos flamengos e irmãs flamengas, nossa torcida já foi
bem menor, mas era divertido.
Eram
tempos em que a estátua do descobridor português Pedro Álvares Cabral, na
Glória, amanhecia decorada por réstias de cebolas a metro, quando o Vasco
perdia. Ou que o nosso goleiro Amado Benigno pulava o alambrado para sair na
mão com os torcedores do popular São Cristóvão, em 1926, como atesta saborosa
crônica do sócio Henrique Teixeira de Macedo. Tempos em que a sede do clube,
pasme, tinha somente uma ducha – e de água fria.
(Mario
Filho conta na bíblia “Histórias do Flamengo”, página 132, versículo 5, que
certa vez Anibal Varges tentou convencer os demais flamengos a investir num
chuveiro de água quente. Os remadores então esperaram a noite e depositaram
seis pedras gigantes de gelo na caixa d’água. O pobre Anibal, claro, chegou
lépido e fagueiro para tomar seu banho matinal. Dizem que deu um berro tão
pavoroso que acordou o presidente logo ali no Palácio do Catete. Que delícia
eram as tretas do século 20.)
Enfim,
trata-se de um campo aconchegante que lembra a infância do Flamengo, e talvez
por isso a molecada se sinta tão bem por lá. Basta ver o Vinicius Junior que,
com um lençol e uma assistência, fez sua melhor partida pelos profissionais,
ajudando o time a quebrar sequência de quatro jogos sem vitórias.
Contudo,
por mais que o moleque Vinicius se mostre valioso para a nação rubro-negra, há
outros jovens que podem render muito mais ao Flamengo, um montante incalculável,
muito além dos parcos 45 milhões de euros.
São os
garotos que sentam no banco, mas do nosso lado, na arquibancada. Como um amigo
me demonstrou outro dia, por mais rubro-negro que sejamos, nenhum torcedor tem
o pulmão e a energia sequer próximos daquela fatia de torcedores dos 15 aos 35
anos, muitos dos quais estudantes ou jovens mal-assalariados sem grana para
bater ponto no estádio, ainda mais com os preços cobrados hoje em dia. (Na
faixa etária de cima, o cara pode ter o gogó de um barítono ou batucar como um
mangueirense, mas normalmente está ocupado com um copo cheio na mão, o que
atrapalha tudo.)
Como
torcedores, ficamos agora na torcida para que o Flamengo crie logo um setor
para os rubro-negros menos abonados, estudantes, biscateiros, assim como
anunciou agora o Internacional, que vai credenciá-los a partir de um simples
comprovante de renda.
E aí
sim, com o estádio repleto e reverberando em cima dos rivais, sentiremos não
mais saudade ou nostalgia, mas a alegria de fazermos parte da bonita história
do clube, numa Ilha do Urubu do povo, da elite e de todo mundo, como o Flamengo
sempre foi e sempre será.
Por: FlaHoje

MAIS LIDOS

SBT divulga chamada para jogo do Flamengo na Liberta; Assista

O Flamengo terá pela frente um grande jogo de futebol marcado para essa terça-feira, com transmissão do SBT. Um dia após completar um ano...

Com medo do Fla, Globo toma medida desesperada para concorrer com o SBT

A Globo traçou sua estratégia para competir com o jogo do Flamengo diante do Racing pela Libertadores. A partida será transmitida pelo SBT e...

Problema recorrente: Flamengo lidera estatísticas de chances perdidas

Na partida do último sábado diante do Coritiba, uma das maiores reclamações da torcida do Flamengo se deu ao número de chances reais de...

Com bom retrospecto contra argentinos, Flamengo chega confiante na Libertadores

O Flamengo começa sua caminhada na fase de mata mata da Libertadores amanhã, diante do Racing da Argentina. Se o futebol apresentado pela equipe...