sexta-feira, setembro 18, 2020
Início Notícias Ao Flamengo, primeiro faltou convicção, depois repertório.

Ao Flamengo, primeiro faltou convicção, depois repertório.

Rodriguinho e Pará disputando a bola durante Flamengo x Corinthians – Foto: Buda Mendes/Getty Images

CARLOS
EDUARDO MANSUR
: Há duas histórias para contar sobre o domingo vivido pelo
Maracanã. A primeira, a do reencontro. E este cumpriu com todas, ou quase todas
as expectativas criadas. Um estádio novamente entregue ao futebol, à torcida,
repleto de gente, de paixão e de tensão, pulsando ao sabor das sensações, nem
sempre boas, transmitidas pelo jogo no gramado. Como deve ser.

A
outra, a do jogo. De um Flamengo que pareceu ter menos certezas de como cumprir
seu papel do que tinham os 65 mil rubro-negros na arquibancada e que receberam
o time com um mosaico onde se lia “Tua glória é lutar”. O Flamengo lutou,
mas não bastava lutar. Surgiu um time que no primeiro tempo abriu mão de ideias
consolidadas ao longo do campeonato, tentou corrigir o rumo na segunda parte,
mas faltou jogo para superar um rival que terminou com dez. O 2 a 2, em bom
jogo, conta bem a história, ainda que a superioridade numérica tenha dado aos
rubro-negros chances preciosas no fim.
Um
desfecho um tanto insosso, espécie de anticlímax numa tarde fabricada para ser
gloriosa. A volta do Maracanã deixa claro que o Flamengo tem um reforço
importante na reta final, mas agora a distância para o líder Palmeiras cresceu
para seis pontos. O caminho para o título se alongou. Será preciso ter mais
argumentos em campo para corresponder à fé da arquibancada.
Especialmente
nos momentos decisivos, futebol costuma exigir convicções. E Zé Ricardo sempre
pareceu tê-las ao montar um time com aposta na velocidade e jogo pelos lados, ainda
que ultimamente carente de alternativas, de diversidade. Ontem, ao escalar
Sheik e Mancuello, mexeu radicalmente não só na formação, mas na
característica, na vocação. A nova proposta, com um meia a mais e Sheik pela
direita, tentando se aproximar de Guerrero, pode até ser mais elaborada, mais
rica. Mas é difícil mudar num estalar de dedos um time condicionado a
determinado comportamento. Surgiu um Flamengo menos veloz, cadenciado, com
passes mas sem penetração. Migrou de um pólo a outro. Mancuello saía da
esquerda para ajudar a armar, mas o corredor aberto jamais via uma bola
invertida para Jorge. O time pendia para o lado direito e era quase inofensivo.
E
sofria ao perder a bola. Diego, Mancuello e Sheik não têm a recomposição
defensiva como ponto forte. Como um falso centroavante, Guilherme se movia e
era marcado à distância, como no gol que gelou o Maracanã aos cinco minutos. A
cabeçada de Guerrero, aos 15, empatando em impedimento, teve impacto emocional
num estádio que restaurou a fé cega na vitória, mas cuja empolgação se diluía
com as raras sensações de gol. A dificuldade defensiva se escancarou no belo
gol de Rodriguinho, antes do intervalo.
O
Flamengo do segundo tempo buscou um reencontro com suas características. A
entrada de Fernandinho abriu a defesa do Corinthians e houve jogo pelos lados.
Ainda que faltasse repertório, era um time lançando mão de ideias que lhe são
mais familiares. Em campo, havia duas formas de viver o jogo. O Corinthians era
razão. O quanto mais esfriasse o jogo, melhor. O Flamengo se via obrigado a ser
mais coração, ser emocional, jogar ao ritmo de um Maracanã elétrico. Jogava a
vida no campeonato, jogava o desfecho da jornada de reencontro com a torcida.
Era muito.
Se
faltava brilho, era preciso um estopim para que aquelas 65 mil pessoas
ajudassem a fazer a diferença. Fernandinho já tentara pela esquerda e levara
perigo. Até, aos 14 minutos, um córner terminar em gol de Guerrero.
O
grito ensurdecedor de gol despertou o estádio, mas logo as manifestações viriam
em ondas descontínuas, porque o Flamengo controlava a bola, mas não parecia
perto do gol. A expulsão de Guilherme ofereceu o jogo ao Flamengo, que trocou
Arão por Leandro Damião e não por um meia. Povoou a área, mas tinha pouco
trabalho de bola, de construção. Eram seguidos centros. Guerrero e Sheik
tiveram as chances finais, mas jamais o gol pareceu questão de tempo. O apito
final antecedeu aplausos de uma gente que, ao contrário da equipe, não perdeu a
convicção em seu papel. A torcida foi melhor do que o time.

MAIS LIDOS

Marcos Braz é detonado na internet após goleada

O Flamengo foi goleado na noite desta quinta-feira, em jogo da Libertadores da América. O Rubro-negro teve um desempenho vergonhoso, algo que os torcedores...

Flamengo é goleado em jogo vergonhoso; torcida detonou na internet

Na noite desta quinta-feira, o Flamengo é goleado na Libertadores da América. Em um jogo horrível, o time treinado por Dome Torrent foi simplesmente...

Primeiro tempo do Flamengo foi ruim, torcedores criticam Léo Pereira

O Flamengo joga na noite desta quinta-feira contra o Del Valle, em jogo válido pela Libertadores da América. Desde da venda de Pablo Mari...

Jorge Jesus ironiza provocações de torcedores do Fla após eliminação do Benfica

Ex-treinador do Flamengo, Jorge Jesus vive pressão sob o comando do Benfica após a tramática e precoce eliminação da equipe portuguesa na Liga dos...