Um dia antes de retornar aos trabalhos no Ninho do Urubu, Paulo Pelaipe foi comunicado, através de um e-mail enviado pelo setor de recursos humanos, sobre seu desligamento do Flamengo. Sua saída, recebida com surpresa, evidencia uma queda de braço entre dirigentes – considerando que sua permanência já estava encaminhada – e gera um clima instável nos bastidores. De acordo com informações iniciais, o vice-presidente de relações externas, Luiz Eduardo Baptista, o BAP, seria um dos principais responsáveis pela demissão de Pelaipe.

A demissão do gerente de futebol, inclusive, já gerou consequências. Nesta terça-feira (07), os muros da Gávea amanheceram pichados – o BAP foi o principal alvo do protesto. Além disto, a tag #ForaBap dominou os assuntos mais falados mundialmente no Twitter. O portal ‘O Dia’ entrou em contato com Luiz Eduardo Baptista, que desconversou sobre o assunto.

– Quem pode falar sobre isso tudo é o presidente do Flamengo, a quem cabe decisões como essa -, declarou o vice-presidente de relações externas.

A saída de Pelaipe é tida por alguns como mais um capítulo da ‘Guerra Fria’ dos bastidores rubro-negro entre BAP e Marcos Braz – pausada desde a saída de Abel Braga e chegada de Jorge Jesus. Se especula que o supervisor e amigo pessoal de Luiz Eduardo Baptista, Gabriel Skinner, possa ocupar o cargo de gerente de futebol no lugar de Paulo Pelaipe.

Há, ainda, a informação de que Pelaipe havia sido desligado por vazamento de informações internas.

Por meio de nota divulgada nesta terça-feira (07), Pelaipe demonstrou surpresa pela demissão, agradeceu ao Flamengo e relembrou sua importância na chegada de Jorge Jesus, um dos principais nomes do clube atualmente.

Por: Coluna do Fla