terça-feira, setembro 29, 2020
Início Notícias Bandeira, Belluzzo e o inferno de se administrar um Clube grande.

Bandeira, Belluzzo e o inferno de se administrar um Clube grande.

Foto: Divulgação

MAURÍCIO
BARROS / ESPN
: Dois sujeitos que chegaram a representar esperança de gestão
moderna em clubes grandes brasileiros estão em apuros. O primeiro é o
economista Luiz Gonzaga Belluzzo, professor da Unicamp, ex-secretário de
Política Econômica do Ministério da Fazenda (governo Sarney), que presidiu o
Palmeiras entre 2009 e 2010. O segundo é o administrador de empresas Eduardo
Bandeira de Mello, atual presidente do Flamengo (mandato até 2018) e
funcionário de carreira do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e
Social), onde trabalhou por mais de três décadas.

Nesta
terça-feira, Bandeira voltou atrás na decisão de aceitar o convite para ser o
chefe da delegação brasileira na Copa América. Fez isso porque seu clube está
em uma grave crise. Entre os pepinos na Gávea, o time não engrena, o técnico
Muricy tem problemas de saúde (talvez precise ser substituído) e o homem forte
do futebol do clube, Rodrigo Caetano, vem sofrendo um processo de fritura da
cartolagem rubro-negra. Bandeira achou melhor não ficar longe.
Na
noite anterior, no Palmeiras, Belluzzo foi informado de uma decisão do Conselho
Deliberativo de suspendê-lo por um ano do quadro de sócios do clube por não ter
tido as contas aprovadas no segundo ano de mandato. O economista promete
recorrer.
Bandeira
e Belluzzo chegaram ao poder em seus clubes de coração com grande apoio de
importantes formadores de opinião – torcedores ilustres e boa parte da
imprensa. Justo, pois traziam currículo respeitável e plataformas
modernizadoras. Prometiam ser dois “oásis” no deserto velhaco dos
cartolas tradicionais.
O
palmeirense fracassou. Não conseguiu implantar suas ideias e acabou tendo uma
passagem muito breve, inclusive com problemas de saúde. Os motivos
administrativos desse fiasco podemos discutir por décadas. O flamenguista,
embora venha alcançando bons resultados na administração financeira, vem
enfrentando muitas críticas na parte mais sensível da gestão de um clube
profissional: o desempenho do time.
Definitivamente,
gerir um clube de massa é um desafio infernal. Você enfrenta torcida,
cartolagem, imprensa. Um universo sem paralelo. Um gênio do negócios que não
sabe “ler” esse ambiente corre o risco de ser engolido em poucas
horas de trabalho. Raciocine comigo.
Imagine
uma empresa que tenha escolhido comercializar somente um produto. Jogar todas
as suas fichas nele. Esse produto atua em um mercado extremamente competitivo e
totalmente instável. O mercado é grande, enorme, global, não para de crescer. É
fascinante, irresistível, charmoso.
Mas,
na verdade, o produto não é essencial para ninguém. Pelo contrário, é
totalmente supérfluo. Se as pessoas deixarem de consumi-lo, o impacto na vida
prática delas é zero. Nada muda. A boa notícia: você acaba de ser contratado
para ser o CEO dessa empresa.
Vamos
conhecê-la um pouco mais. Todos os seus clientes, todos aqueles que compram seu
produto, têm certeza de que sabem sobre ele muito mais do que você, que está
chegando. E permanecerão pensando assim mesmo com você acumulando experiência.
São cheios de ideias para aperfeiçoá-lo, corrigi-lo. Seu produto nunca vai
estar perfeito para esses clientes. Vai sempre faltar alguma coisa. Eles ficam
reclamando o tempo todo, não dão refresco.
E os
clientes falam sobre seu produto o dia inteiro. Falam com você, falam sem você.
Discutem a toda hora. E não com discretos cochichos, mas na base do berro.
Invariavelmente, estão xingando. Dada a onipresença desse produto na vida dos
clientes e seu enorme mercado, a imprensa faz uma cobertura maciça do dia a dia
da sua empresa. Só que, para você conseguir uma resenha positiva nessa mídia
especializada, o que impulsionaria seu sucesso, é uma luta inglória. Para cada
elogio que seu produto ganha, são 200 “espinafradas”.
Respire
fundo que vem mais. Você enfrenta avaliações de resultados toda semana.
Avaliações abertas. Questionam sua competência em público. Seus ciclos de ações
e retornos são curtíssimos. Por exemplo: seu time de gestores fez uma mudança,
um aperfeiçoamento. Botou no mercado, testou. Se não fez sucesso, em uma semana
você tem que mudar de novo.
A
competência, sua e de sua equipe, é avaliada também duas vezes por semana, no
mínimo. Não bateu a meta dos últimos três dias? Crise. Ai de você se não
trouxer a meta atingida na reunião da próxima segunda-feira. Seus funcionários
também são um capítulo à parte. O nível de instrução é baixo, a ambição é
altíssima. Eles querem fazer sucesso rapidamente, ganhar status para, em
breve… se mandar da sua empresa! O sonho escancarado deles é ir embora para a
Europa. São vaidosos, mimados, seu desempenho é instável, oscilante. Sem falar
no tempo em que ficam ausentes por questões de saúde, impossibilitados de
trabalhar.
Estamos
diante de um mercado onde o gestor transita entre o burro e o gênio em questão
de dias. Ou horas. Onde a pressão que se sofre é difícil de ter um paralelo em
uma outra atividade. E onde apenas competência técnica e boa intenção parecem
não bastar.

MAIS LIDOS

Vitinho e Marcos Braz testam negativo para Covid-19

Nesta terça-feira (29), o atacante Vitinho testou negativo para o Covid-19. O resultado já foi enviado à Conmebol e o jogador pode ficar à...

Flamengo é a aposta do SBT para bater recorde de audiência

Após a rescisão de contrato da Rede Globo com a Conmebol, o SBT é a opção para transmissão de jogos em tv aberta. Nesta...

De volta? Diego Alves treina com bola no Ninho do Urubu

Diego Alves sofreu lesão no ombro na partida contra o Santos pelo Campeonato Brasileiro - onde a equipe acabou com um empate em 1...

Zico faz duras críticas a CBF por realização de Palmeiras x Flamengo

Em seu canal do YouTube, Zico, considerado o maior jogador da história do Flamengo, deu seu ponto de vista sobre tudo que envolveu os...