sexta-feira, setembro 25, 2020
Início Notícias Céu, terra, mar, fogo.

Céu, terra, mar, fogo.

Foto: Divulgação

REPÚBLICA
PAZ E AMOR
: (Este post foi publicado, aqui no RP&A, no Natal do ano passado
– 3 de março de 2015. Mas como o blog estava engatinhando e o número de
leitores era bem menor, alterei alguns trechos, para deixar mais clara a
referência a duas ou três datas, e achei por bem republicá-lo. Mesmo porque,
toda homenagem que se prestar ao aniversariante do dia é pouca.)

No dia
2 de fevereiro de 2015, Gustavo de Almeida postou, no blog Falando de Flamengo,
um supertexto em que misturava os conceitos de “esforço de guerra” e “oceano
azul”, citava o Papa Paulo VI, Carl Jung, Franklin Roosevelt, Complexo do
Alemão, Pink Floyd, The Police e, o que mais nos interessa aqui,
sincronicidade. Vale muito a pena ler ou reler, clique aqui.
Na
verdade, a coincidência – ou sincronicidade, como preferem Gustavo, Jung e
Sting – começou doze dias antes, quando O Globo publicou um artigo do grande
rubro-negro Francisco Bosco elogiando o livro Zelota, que eu tinha acabado de
ler e do qual gostara bastante. Logo no começo de Zelota, o autor iraniano Reza
Aslan reproduz a famosa palavra de ordem dos sicários em sua revolta contra o
domínio romano: “Nenhum senhor senão Deus”. Belo slogan para uma guerra de
guerrilhas e perfeitamente adaptável ao que sentimos todos nós, rubro-negros, a
respeito do aniversariante de hoje.
Para
ampliar a sincronia, entre uma data e outra revi o ótimo documentário FlaxFlu –
40 Minutos Antes do Nada, dirigido por Renato Terra. Nele, o jornalista Roberto
Assaf dá um depoimento primoroso sobre o tema, invertendo os papéis e
perguntando ao diretor do filme, que o entrevistava: “Você sabia que tudo isso
que tá aí – céu, terra, mar, fogo – foi ele que criou?” O entrevistador se
espanta: “Quem?” E Assaf emenda de prima: “Zico.” O tricolor Renato Terra não
se dá por satisfeito: “Como assim?” Mas Roberto Assaf reafirma, convicto: “Tudo
isso foi ele que criou. Ele é Deus, todo-poderoso, superior a todos no céu e na
terra.”
Logo
depois, o acima citado Francisco Bosco encara a câmera e declara que “Zico é o
maior ídolo da minha vida, e é o único homem que eu já achei bonito.” Concordo.
Se bem que, nesse mesmo documentário, o Muhlenberg tá um gato.
O
República Paz & Amor é uma aula de tolerância e sincretismo. Aqui tem
católico, evangélico, judeu, agnóstico, todo mundo convivendo em harmonia. E
quando o assunto é Flamengo, todos rezam pela mesma cartilha e seguem com zelo
o ensinamento de Roberto Assaf.
Zico é
essencial na vida de qualquer rubro-negro, mas ainda mais para aqueles com a
mesma idade que eu e Assaf. Fomos colegas de turma por muitos anos no Colégio
Padre Antônio Vieira e eram tempos difíceis, não somente por mérito de
adversários como Paulo Borges e Cabralzinho, Gérson e Jairzinho, mas também
pelo fogo amigo de Zélio, Berico, Néviton e afins. O salvador veio para nos
redimir e levar o Flamengo ao lugar de honra que lhe está reservado desde os
tais quarenta minutos antes do nada.
Três
de março é dia de, humildemente vestidos e verdadeiramente abençoados,
homenagear e agradecer por tanta glória alcançada.
Jorge
Murtinho

MAIS LIDOS

Conmebol nega pedido do Fla para inscrever mais dez atletas na Libertadores

O Flamengo sofre com o surto de contaminação pelo novo coronavírus instalado no clube. 16 jogadores pegaram Covid-19 nos últimos dias e a equipe...

Jair Ventura pede atacante do Flamengo pagando 100% do salário

O Flamengo possui um dos times mais qualificados do futebol sul-americano. Com tamanha qualidade técnica, é certo que muitos jovens atletas não terão a...

Cada um pensando em seu próprio umbigo

Muito do que tem acontecido nas últimas horas no futebol brasileiro serve para reforçar algo que já é histórico em relação a nossos dirigentes:...

Dirigente espera poder contar com atletas infectados na quarta

O Flamengo está passando por um surto de covid-19 em seu elenco. Ao todo, são 23 casos, inclusive entre comissão técnica e dirigentes. O...