terça-feira, setembro 29, 2020
Início Notícias Contra Atlético-PR, Flamengo repete velho problema com pontaria.

Contra Atlético-PR, Flamengo repete velho problema com pontaria.

Foto: Marcelo Andrade/Gazeta do Povo

GLOBO
ESPORTE
: Podia ser uma vitória tranquila? Difícil. Mas se derrota para o
Atlético-PR não chega a comprometer a classificação rubro-negra – se vencer a
Católica no Maracanã, pode garantir até a classificação antecipada -, provoca
reflexão da eficiência do setor ofensivo numa competição que não perdoa
vacilos. Foram 18 tentativas a gol – o maior índice do time nos quatro jogos da
Libertadores -, com cinco de Guerrero, e um roteiro semelhante ao de Santiago,
onde o Fla foi derrotado para a Católica.

No
Chile, o Flamengo finalizou 13 vezes – cinco a menos que em Curitiba. Guerrero
tentou cinco vezes – igualzinho contra a Católica. Em Curitiba, se é verdade
que Guerrero se desdobrou para criar jogadas, foi até a ponta em alguns
momentos e critou chances para os companheiros, também é real que não fez o que
tem feito com regularidade nos últimos tempos: faltou o gol.
– Não
dá para dizer se tem uma explicação. A gente tem que exaltar as chances criadas
que temos. Mesmo com a pressão inicial deles, tivemos chances claras de gol.
Temos que caprichar um pouco mais, ter um pouco mais de concentração na hora da
finalização para poder nos dar essa vantagem. Mas com certeza vamos aprimorar
para as próximas partidas – analisou Willian Arão, após o jogo.
Sem
Diego, em recuperação de cirurgia, e Everton, vetado por dores no tornozelo, o
Flamengo dependeu demais da inspiração do peruano. E os coadjuvantes não foram
nada bem. Gabriel perdeu chance livre na área no fim da partida e protagonizou,
ainda, lance emblemático. Quando Guerrero deu de calcanhar para o ponta, o
atacante abriu os braços e esperou a bola de volta. O jogador demorou a
devolver e passou nas pernas do marcador. Trauco também foi mal. Foi quem mais
errou passes – sete vezes.
O
melhor coadjuvante de Guerrero foi William Arão. Mais solto até as mudanças de
Zé Ricardo no meio do segundo tempo, Arão aproveitou o “cinturão”
formado por Márcio Araújo, Romulo, Gabriel e Trauco, que marcavam bastante,
para participar mais da armação – como na ajeitada que deu para o lateral Pará
no início do segundo tempo. Como Diego no Chile, Arão finalizou três vezes.
Abafa com Damião
Em
desvantagem no placar, Zé Ricardo mexeu bastante na equipe no segundo tempo. Em
nenhum momento da partida o Flamengo ficou retraído em seu campo. Ao contrário,
controlava o meio de campo e chegava com paciência próxima da área do
Atlético-PR. Matheus Sávio substituiu Renê – Trauco voltou para a lateral
esquerda -, Mancuello entrou na vaga de Márcio Araújo e Leandro Damião no lugar
de Romulo.
O
Flamengo terminou jogando em cima do Atlético-PR, o que, obviamente, deixava a
defesa menos protegida no contra-ataque. Foi dessa maneira que saiu o segundo
gol do Furacão. O Atlético finalizou 10 vezes na partida. Além dos dois gols,
foram três chutes com a direção correta. A derrota doída em Curitiba serve de
mais uma lição para o Flamengo nesta Libertadores.

MAIS LIDOS

Vitinho e Marcos Braz testam negativo para Covid-19

Nesta terça-feira (29), o atacante Vitinho testou negativo para o Covid-19. O resultado já foi enviado à Conmebol e o jogador pode ficar à...

Flamengo é a aposta do SBT para bater recorde de audiência

Após a rescisão de contrato da Rede Globo com a Conmebol, o SBT é a opção para transmissão de jogos em tv aberta. Nesta...

De volta? Diego Alves treina com bola no Ninho do Urubu

Diego Alves sofreu lesão no ombro na partida contra o Santos pelo Campeonato Brasileiro - onde a equipe acabou com um empate em 1...

Zico faz duras críticas a CBF por realização de Palmeiras x Flamengo

Em seu canal do YouTube, Zico, considerado o maior jogador da história do Flamengo, deu seu ponto de vista sobre tudo que envolveu os...