“Eu amo o Flamengo”, diz Lukas Podolski.

Podolski com a camisa do Flamengo – Foto: Reprodução

GLOBO
ESPORTE
: Mesmo sem jogar no Brasil, Lukas Podolski é quase um ídolo do
Flamengo. A popularidade aumentou após a Copa do Mundo de 2014, mas ele garante
que a admiração pelo clube carioca não se deu apenas com a curta passagem que
teve pelo Rio, enquanto jogava com a Alemanha. Agora, aposentado da seleção,
está com outros projetos. Homem de negócios, tem a própria marca de roupas e
abriu uma sorveteria na cidade de Colônia.

Na
próxima semana, encerra as férias e vai iniciar a preparação com o novo clube,
o japonês Vissel Kobe. Para a tristeza de alguns rubro-negros que ainda querem
vê-lo no Fla, o contrato na Ásia vai até 2020. Mas Poldi sempre dá esperanças
de que pode ir para o Brasil. Em entrevista ao GloboEsporte.com, o atacante
revelou que acompanha alguns jogos e elogiou até Vinicius Junior.
– Todo
mundo sabe, eu gosto do time [Flamengo], eu gosto da cidade [Rio de Janeiro],
não só por causa da Copa do Mundo. Eu amo o Flamengo, é um grande time, assim
como o apoio dos fãs. Quando eu gosto do time, eu o sigo. Quando é possível, na
TV, na internet, ao vivo. Quando não, eu vejo os resultados. Eu sigo nas redes
sociais. É grande… Você nunca sabe das coisas no futebol. Agora, eu começo no
Japão, depois destes dois anos e meio, vamos ver… Eu não sei, não posso olhar
para um futuro muito distante – explica.
Em
junho, quando completou 32 anos, Poldi recebeu mensagens do Flamengo e de um fã
especial: Vinicius Junior. O jovem revelação rubro-negro escreveu em português
e teve um recado de volta. Sobre o assunto, o alemão aproveitou para fazer
elogios novamente e foi além: disse que tem expectativas para ver os novos
talentos brasileiros.
– Eu
conheço o time e conheço esse jogador. Ele é novo e tem um grande talento. Eu
espero que ele continue bem a carreira e o futuro em Madrid. Vamos ver os
próximos passos. É ótimo que muitos jogadores brasileiros venham para a Europa,
eu acho que isso é um sonho para todos. Vamos ver o que acontece com eles.
Jogador investe em Colônia
Entre
os destaques de Colônia, estão a imensa catedral gótica, a cerveja Kölsch e o
carnaval famoso. Sem dúvida, o 1. FC Köln e Lukas Podolski fecham a lista que
remetem à cidade. O jogador é o mais famoso dos “Kölsche Jungs”. Um jovem
“colonês”. Ele faz questão de valorizar a identidade que tem com o local em que
foi acolhido e também se aproveita de toda a popularidade para fazer negócios.
Primeiro
veio uma marca de roupas esportivas e streetwear, a Strassenkicker, que sempre
carrega frases de valorização aos moradores locais e, claro, ao clube que o
formou. Agora, Poldi abriu também uma sorveteria, que traz no cardápio opções
como “Effzeh” [termo usado pelos torcedores do Colônia] e tem desenhos e fotos
da carreira do jogador na decoração descontraída, nas paredes e até no teto.
Ele brinca sobre a possibilidade de expandir os negócios para o Rio.
– Os
negócios são um pouco como um hobby. Estamos abertos há uma semana e está indo
bem. Tenho um grande sócio italiano, e decidimos há alguns anos criar um
conceito. Claro que é difícil controlar do Japão, porque estarei longe, mas eu
confio nas pessoas aqui. E seria bom abrir uma sorveteria no Rio, porque o
tempo lá é bom. É fácil de vender sorvete, eu acho – conta.
Como
uma ponte entre o Rio de Janeiro e Colônia, Podolski tem mais uma ideia para
unir Alemanha e Brasil. O 1. FC Köln voltará a disputar uma competição
continental após jejum de 25 anos. Conquistou a vaga para a Liga Europa na
última rodada do Campeonato Alemão, quando subiu duas posições e terminou na
quinta colocação. A festa tomou conta das arquibancadas e extrapolou para o
campo, com centenas de torcedores dividindo espaço com seus ídolos e levando
para casa pedaços da grama do Rhein-Energie Stadion. A cidade era alvirrubra,
mas um pouco de rubro-negro pode funcionar, segundo Poldi.

Talvez nós precisemos de um jogador brasileiro. Assim, acho que o foco dos
brasileiros estaria mais voltado para o clube. E agora é uma grande
oportunidade, porque quando você joga uma competição europeia [continental], o
foco vai para o clube e os jogadores. Isso é um bom marketing. Quando você
continua nos anos seguintes, isso fica melhor, melhor e melhor. Para o clube e
o nome do clube. Mas é, talvez alguns brasileiros ajudem o time a ser ainda
mais conhecido no Brasil. Então, talvez o Flamengo possa mandar alguns
jogadores para o Colônia.

Por: FlaHoje

MAIS LIDOS

SBT divulga chamada para jogo do Flamengo na Liberta; Assista

O Flamengo terá pela frente um grande jogo de futebol marcado para essa terça-feira, com transmissão do SBT. Um dia após completar um ano...

Com medo do Fla, Globo toma medida desesperada para concorrer com o SBT

A Globo traçou sua estratégia para competir com o jogo do Flamengo diante do Racing pela Libertadores. A partida será transmitida pelo SBT e...

Problema recorrente: Flamengo lidera estatísticas de chances perdidas

Na partida do último sábado diante do Coritiba, uma das maiores reclamações da torcida do Flamengo se deu ao número de chances reais de...

Com bom retrospecto contra argentinos, Flamengo chega confiante na Libertadores

O Flamengo começa sua caminhada na fase de mata mata da Libertadores amanhã, diante do Racing da Argentina. Se o futebol apresentado pela equipe...