Há duas rodadas  atrás o Flamengo mediu forças com o Bahia. Neste jogo, o volante Gerson sofreu um caso de racismo. A situação causou indignação nas redes sociais, onde o jogador Rubro-negro recebeu muitos apoios desde então.

Neste domingo, em mais um grande jogo de Marinho, pelo Campeonato Brasileiro, o jogador santista comemorou o seu gol com o ‘Vapo, Vapo’, comemoração que ganhou notoriedade no futebol brasileiro com Gerson. O narrador da partida se perguntou se a comemoração teria sido em homenagem ao jogador flamenguista.

‘Ficou a impressão do Marinho ter feito uma homenagem ao Gerson porque ele meteu o vapo. Não sei se foi uma homenagem depois do ocorrido na semana passada, no episódio que aconteceu no Maracanã, no confronto entre Flamengo e Bahia, que nesta altura do campeonato todo mundo já sabe o que aconteceu”, disse Luiz Felipe Freitas na transmissão do duelo.


Marinho vive um dos grandes momentos da sua carreira. Contratado junto ao Grêmio, o atacante se transformou em titular absoluto do Santos e principal nome do time paulista. Nesta temporada, ele terá pela frente o Boca Juniors, em jogo válido pelas semi-finais da Copa Libertadores da América.

Vale relembrar que Marinho também sofreu um caso de racismo em 2020. Em um jogo do Santos, um comentarista criticou o jogador com um termo racista. Nas redes sociais, o jogador do Peixe se manifestou.

É de sentir na pele. Toda vez eu defendo a bandeira. Quando se passa na pele, se sofre. Estou com a roupa do clube, fui dormir sete da manhã, acordei às 9h. Todos os funcionários sabem do tratamento em dois períodos para ter jogado. E numa atitude infantil, prejudiquei o Santos e pedi perdão pela expulsão. Agora vim falar sobre o que aconteceu. Por isso brigo pela causa. É horrível passar na pele. Não podemos deixar passar, sei o valor que eu tenho. Fico pensando, tá ligado? Antigamente não tinha voz ativa, passava desapercebido. Muita gente que não tem voz ativa baixa a cabeça a anda. Eu brigo pela causa porque tenho voz. E isso só mostra que quem não tem voz passa por coisa pior. A gente tem aceitado muito ainda. Justiça não pune os preconceituosos, vermes. Mas Deus perdoa, cara. Fica em paz”, disse Marinho na ocasião.