De 187 laterais cobrados na área, só 1 virou gol.

Por: Fla hoje

Mauro
Cezar Pereira – Virou moda no futebol brasileiro e em alguns times de outros
países sul-americanos. Quando um time tem um lateral a ser cobrado no campo de
ataque, perto da área inimiga, o jogador encarregado de recolocar a pelota em
jogo toma distância. Depois ele corre, joga os braços para trás e a arremessa,
a atira com toda força possível no meio do bolo de atletas dos dois times. Um
cruzamento manual.
Quando
daí acontece um gol, muitos vêem o primitivo recurso como válido e defendem sua
utilização. Contudo, na massacrante maioria das vezes a bola é simplesmente
desperdiçada. Isso mesmo, foi gol em apenas 0,53% das vezes nas quais ela foi
jogada com as mãos na área rival nas primeiras dez rodadas da Série A. É o que
mostra estudo  feito pela equipe do
“Jogo a Jogo” após analisar 100 partidas.
O
índice é impressionante: 99,47% dos laterais arremessados na área adversária
não funcionam. Tal número foi encontrado após a análise de 187 batidas
executadas dessa maneira. Em 16 delas — abaixo de 9% — pelo menos os times que
estavam no ataque conseguiram finalizar, mas em apenas uma saiu o gol. Goiás,
Atlético Mineiro e Vasco, pela ordem, são os três que aparecem com mais
cobranças do gênero.
O
único tento foi marcado por Edigar Junio após uma batida de lateral feita por
Eduardo em Atlético Paranaense 2 x 2 Coritiba, decretando o empate do Furacão e
fechando o placar. Importante: o Corinthians marcou com Elias sobre o próprio
Atlético a partir de uma cobrança de lateral de Fágner. Mas o jogo aconteceu na
12ª rodada e o estudo publicado neste post engloba apenas as dez primeiras.
Antes
do primeiro jogo da Copa do Brasil 2014, mostramos (abaixo) que Marcos Rocha
utiliza o arremesso na área com freqüência. Ele tentou mais de dez vezes nas
semifinais contra o Flamengo, mas nenhum dos quatro gols do Galo nasceu desse
tipo de lance. No primeiro cotejo decisivo diante do Cruzeiro funcionou duas
vezes. Um ponto fora da curva que pode ter motivado mais times a recorrer a
essa jogada.
O
Barcelona de Pep Guardiola não batia sequer escanteios na área adversária,
ciente de que raríssimos são os gols oriundos de cruzamentos com os pés.
Confiava em sua capacidade de trabalhar a bola, batia curto para então
construir uma jogada de ataque. Tantos técnicos nos times da primeira divisão
brasileira aderindo ao arremesso com as mãos é algo que evidencia o nível baixo
do futebol aqui jogado.
Se
ainda fosse uma jogada eventual, uma rápida cobrança que aproveita uma
distração da defesa inimiga, tudo bem. Mas o que temos visto é um recurso
adotado sem parcimônia por times da Série A, inclusive os mais fortes. Quem não
se garante ao trabalhar a pelota com os pés opta por jogá-la na área do rival e
seja o que Deus quiser. Abaixo a tabela que detalha as cobranças e a análise do
autor do estudo.

Vale ou não vale… é bom ou não é…
por
Alexandre Siqueira
Nos
últimos três anos, um pouco mais, um pouco menos, uma jogada vem chamando a
atenção no futebol brasileiro. Trata-se da cobrança de lateral, em direção à
área, como num cruzamento, e muitas vezes, próximo do meio de campo onde nunca
a área será alcançada. A polêmica se instala a partir da efetividade, ou não,
da ação.

quem pense ser mais efetivo imprimir a ação mais lógica, ou seja, sair jogando,
criar jogadas, tabelas ofensivas, envolver o adversário, enfim, jogar futebol.
Outra tese defende que a jogada é uma arma, e que muitas vezes resulta em gol,
inclusive, com a vitória resultante deste lance.Para não ampliar muito com
outras motivações, estas duas posições me parecem suficientes para a discussão.
Há de
se registrar, que diferentemente do que se faz hoje, onde toda a força é
centrada pelo impulso, às vezes com um pequeno galope, e pelos braços do
jogador, o lance aconteceu de forma inusitada com uma brasileira no ano de
2008, quando a lateral da Seleção Brasileira Leah Fortune, a utilizou
combinando com uma cambalhota na cobrança do lateral. Era uma forma de
maximizar o impulso e a força no arremesso. Naquele ano, pelo Mundial Feminino,
Leah declarou que treinava e fazia exercícios específicos para este fim, e com
isso, em dois jogos, obteve sucesso, culminando com dois gols para o Brasil. Em
2010, repetiu a façanha com mais um gol brasileiro.
Parece
ter feito escola. Em 2012, o jogador da Islândia, Steinthor Freyr Thorsteinsson,
pela Copa Kirin, repetiu a ação por várias vezes, sem sucesso naquele jogo.
Além de algumas disputas de bola, pelo alto, entre atacantes e zagueiros, que
nada acontecia, no máximo, aconteceram duas finalizações de cabeça para fora.
Podemos contemporizar alegando que o problema não foi do cobrador do lateral, e
sim do finalizador. Não se tem mais notícias sobre a jogada e o jogador.
Pois
bem, ilustrado o tema, e uma vez que trabalho com estatísticas do futebol,
coloquei a mão na massa para uma apuração. Por duas vezes, em programas
esportivos, prestei atenção no que disse o comentarista da ESPN Mauro Cezar
Pereira, aludindo ao tal lance, e colocando em questão sua valia. E dizia;
“Nós, porque não temos isso em números para avaliar…”. Claro, não
foi nada pessoal, mas me senti quase desafiado à proposição.
Durante
o campeonato Mineiro deste ano, fiz o levantamento das cobranças de lateral
dirigidas à área adversária. Foram 17 jogos e 91 laterais batidos desta
maneira. Uma média de 5,35 por jogo, uma vez que o lance aconteceu em todas as
partidas.
Com os
respectivos percentuais, assinalei quatro gols (4,4%) e por 8 vezes aconteceram
finalizações a gol no final da jogada (8,79%). Em 15 momentos aconteceram
disputas de bola, ora com domínio da zaga, ora com domínio do atacante, que
iniciavam outra jogada (16,48%), e por fim, 64 lances em que nada aconteceu
(70,33%).
Ora,
aqui temos um viés interessante para avaliar. Se por um lado, esmagadoramente
temos mais de 70% de insucesso nos lances, que piora se somados aos 16,48% de
jogadas que redundavam apenas em disputa de bola, por outro, temos 8
finalizações a gol, que não podemos desprezar pela oportunidade criada, e 4
gols aconteceram. Pesa a favor, destacar que numa final do campeonato (Caldense
x Atlético), o primeiro gol atleticano (Thiago Ribeiro) veio deste tipo de
cobrança de lateral (Marcos Rocha), um toque do atacante (Lucas Pratto) e a
finalização com gol.
E ai,
vale ou não vale? É bom ou não é?

MAIS LIDOS

Após vexame, Renato Gaúcho volta a falar do Flamengo e revolta torcedores

O Grêmio jogou na noite deste domingo diante do Palmeiras, em jogo válido pela final da Copa do Brasil. O time gaúcho não conseguiu...

Rei do Vexame: Renato Gaúcho vira alvo da torcida do Fla após vexame

O Palmeiras jogou na noite deste domingo diante do Grêmio, em jogo válido pela final da Copa do Brasil. O time paulista já tinha...

Abel Braga ainda reclama da arbitragem no jogo contra o Fla

Após vários trabalhos ruins seguidos, o técnico Abel Braga chegou sem muita expectativa no Internacional. Entretanto, ele conseguiu fazer um bom trabalho a seu...

Torcida se encanta com Ramon e mandam recado para Renê

O Flamengo jogou na noite deste sábado, diante do Macaé, em jogo válido pela 2ª rodada do Campeonato Carioca. O Rubro-negro conseguiu vencer com...