Drama: Wallace terá problemas na Gávea por ‘polêmica’.

Por: Fla hoje

Cosme
Rimoli – O Flamengo vivia dias tumultuados. Os jogadores protegidos por
seguranças, ouviam torcedores organizados os ameaçarem de agressão. Dirigentes
deixavam claro que o time era fraco por falta de dinheiro. A imprensa carioca
não se conformava com os péssimos resultados. Havia o medo de rebaixamento na
Gávea.
A
diretoria resolveu investir pesado. Eduardo Bandeira de Mello, pressionado,
percebeu que deveria mudar a sua filosofia. Economizar iria ficar para segundo
plano. Ou sua chance de reeleição no final do ano seria nula. Buscou a
personalidade e a maturidade de Sheik e o potencial de idolatria de Guerrero.
Foi um
tiro certeiro. Carismáticos, talentosos, os dois precisavam também se
reinventar. Sheik precisava mostrar que sua carreira não estava no final, como
parecia no Corinthians. E o peruano provar que valia cada centavo que a
diretoria corintiana não quis apostar no seu futebol. Afinal, são mais de R$ 41
milhões em um longo contrato de três anos que assinou.
Nem
mesmo os familiares de Guerrero esperava um começo tão fulminante. O atacante
não só se encaixou perfeitamente no grupo, como está mostrando todo seu
potencial. De forma efetiva. Foram três jogos e três gols determinantes.
Primeiro em Porto Alegre, contra o Internacional, arrancando três pontos diante
da apaixonada torcida colorada. Depois, a festa foi em Recife. Os pernambucanos
do Náutico haviam conseguido empatar em 1 a 1 no Maracanã, quando o time
carioca ainda não tinha Guerrero. Com ele em campo, o Flamengo se impôs,
vencendo por 2 a 0, com o peruano marcando o segundo, definindo a partida e a
classificação para as oitavas de final.
Eis
que chega a partida contra o Grêmio. Estreia do atacante diante da torcida.
Atleta que a direção do Flamengo sonha em transformar não só em ídolo
flamenguista. Mas no maior do país. Seus especialistas em marketing já buscam
contatos em agências para transformá-lo em garoto propaganda. Até o placar do
estádio se rende à estreia.
51.055
torcedores pagaram para ver a estreia de Guerrero na sua casa, o Maracanã. O
maior público no Brasileiro foi responsável por uma arrecadação de R$
2.070.015,00. O adversário, o aguerrido Grêmio, de Roger. Foi um jogo pegado,
batalhado, sofrido. Mas a estrela do peruano e o seu faro de artilheiro
seguiram firme. Oportunista, não desperdiçou a chance, depois de rebote de
Marcelo Grohe, aos 40 minutos do primeiro tempo.
A
arena pareceu balançar. Ele fez questão de comemorar com os seus companheiros
de time. A partida continuou duríssima. César teve de se empenhar, fez ótimas
defesas. Aos 30 minutos do segundo tempo. Escanteio para o Flamengo, Airton
bate muito bem na bola. Guerrero salta e ajeita para Wallace, o zagueiro livre
na área cabeceia forte, no travessão. Mas o gol do peruano foi suficiente.
Festa no Maracanã. Afinal, nas últimas três partidas jogando no estádio mais
importante do Brasil, o clube havia sido derrotado.
“Estou
muito feliz. Lindo o ambiente. É legal ver a torcida feliz porque o time
ganhou. Trabalhamos forte porque sabíamos que o Grêmio seria forte e duro.
Trabalho para o time. Fiz um gol para ajudar. Se não tivesse feito, também
estaria feliz. O grupo entra em campo para jogar. Acho que o Flamengo tem
elenco bom e de qualidade. Tenho certeza que esse time vai seguir dando
alegria.” As declarações de Guerrero foram perfeitas. Mostrou seu
entusiasmo, mas valorizou o grupo. Não quis capitalizar, ficar com todo o
crédito. Postura digna, correta.
Mas do
outro lado do gramado, inesperada água fria. Vindo de quem menos se esperava.
“A
torcida veio por causa do Guerrero, não foi por causa de nós, não.
Tínhamos
que ganhar simplesmente por ser o Flamengo e por ser a nossa obrigação, em
casa, com a torcida enchendo o estádio. A estreia do Guerrero no Maracanã é
importante, mas tínhamos de vencer com ou sem ele.”
A
ironia e a irritação partiram justo do jogador melhor dotado intelectualmente
do elenco de Cristóvão. Justo o capitão do time resolvia estragar o ótimo
momento. A ressurreição fantástica do time. Parecia que estava incomodado com o
sucesso do novo ídolo flamenguista. Tomado de um sentimento menos nobre, a
inveja.
Wallace
foi massacrado nas redes sociais. Torcedores passaram todo o final de semana
cobrando sua saída do time, do clube. Principalmente membros das organizadas.
Conselheiros também passaram a cobrar uma atitude de Eduardo Bandeira de Mello.
O capitão da equipe não poderia sabotar o Flamengo. A imprensa carioca também
ficou revoltada. Justo agora que estava nascendo um ídolo na Gávea, alguém
tentava atrapalhar.
Nem o
jogador e muito menos a direção do clube esperavam uma reação tão violenta.
Wallace precisava se explicar. Mas o domingo era de folga. Só que não havia
como esperar até hoje. Seu pedido de desculpas veio pelo facebook.
“Ontem
após a vitória do Flamengo contra o Grêmio, dei uma entrevista na saída de
campo e fui mal interpretado por algumas pessoas. No Corinthians, um dos
jogadores que eu mais era próximo era o Guerrero. Portanto, não existe ciúmes.
“Pelo
contrário, eu o exaltei e frisei a importância dele pro time, já que com ele em
campo ainda não perdemos. Não tenho a menor dúvida sobre a paixão da torcida
pelo Flamengo. Em dois anos e meio de clube, já vi e vivi coisas que não
presenciei em lugar algum.
“Mas,
ao meu ver, pelo que estávamos jogando, não merecíamos um estádio lotado como
aquele. O apelo do jogo foi a estreia do nosso atacante. E foi isso que quis
dizer. Mas, se algum flamenguista entendeu de outra forma, minhas sinceras
desculpas. Tenham certeza que estarei sempre pensando no melhor para o nosso
time.”
Wallace
mexeu em um vespeiro. A repercussão continua fortíssima nas redes sociais.
Cresce o apelo aos dirigentes flamenguistas que negociem o zagueiro.
Conselheiros ainda seguem irritados. Dirigentes e Cristóvão acreditam que todo
esse clima ruim foi criado de forma desnecessária pelo jogador.
Há a
certeza de que é preciso mais. Mostrar publicamente que não há inveja, ciúmes.
No treinamento do Flamengo seria ótimo um velho truque. Um longo abraço entre o
capitão do time e o atacante. Que dê tempo para os fotógrafos e cinegrafistas
capricharem e mostrar que não há ressentimento na Gávea. E que o foco volte
apenas na luta pela recuperação do Flamengo no Brasileiro. O time segue apenas
a três pontos da zona do rebaixamento, mesmo com as duas vitórias desde a
chegada de Guerrero.
Faltou
bom senso a Wallace. Justo o capitão do time. O mais esclarecido. Não tinha o
direito de estragar a festa que era do Flamengo e não de um jogador. E agora
paga por isso…

MAIS LIDOS

Torcida se encanta com Ramon e mandam recado para Renê

O Flamengo jogou na noite deste sábado, diante do Macaé, em jogo válido pela 2ª rodada do Campeonato Carioca. O Rubro-negro conseguiu vencer com...

Rodrigo Muniz manda recado à nação após grande atuação; assista

O Flamengo jogou na noite deste sábado diante do Macaé, em jogo válido pela segunda rodada do campeonato carioca. O Rubro-negro foi a campo...

2 a 0: Rodrigo Muniz faz outro lindo com com a camisa do Flamengo; assista

O Flamengo hoje joga neste sábado diante do Macaé, em jogo válido pela segunda rodada do Campeonato Carioca. O Rubro-negro carioca conseguiu abrir o...

Onde está passando o jogo do Flamengo

O Flamengo joga neste sábado diante do Macaé, em duelo como mandante, mas é mais uma partida onde o Fla atua no estádio do...