Everton Ribeiro é o ponta articulador que o Flamengo procurava.

ANDRÉ
ROCHA
: ”Pensando até no time em que atua nos Emirados Árabes (Al Ahli), ele
pode atuar nas três posições atrás do centroavante num 4-2-3-1. Ou mesmo num
4-1-4-1, até porque ele foi lateral quando surgiu na base do Corinthians”.
Palavras
do treinador Zé Ricardo em entrevista a este blog quando perguntado sobre
Everton Ribeiro. O questionamento não foi gratuito. O interesse do Flamengo já
era público e havia a informação da negociação bem encaminhada por conta da
então iminente venda de Vinícius Júnior para o Real Madrid. Ele só não veio
antes porque não havia os recursos para gerar a proposta que convenceu os
árabes – seis milhões de euros, cerca de 22 milhões de reais.
Anúncio
oficial realizado, apresentação marcada para esta terça-feira, a questão agora
é como encaixá-lo na equipe rubro-negra. Everton chega para preencher uma
lacuna dentro da proposta de jogo de Zé Ricardo: o ponta articulador, ou o meia
que joga aberto e parte do flanco para ajudar na armação das jogadas e criar
superioridade numérica no meio-campo, circulando às costas dos volantes
adversários.

Ricardo tentou Alan Patrick, depois Mancuello. Sem sucesso, por isso a
insistência com os pontas velocistas. Com a vinda de Conca, planejava um teste
na função com Diego. Ambos já atuaram como meias pelos lados em outros clubes –
o argentino no Fluminense em 2014 e o brasileiro no mesmo ano com Simeone pelo
Atlético de Madri. Mas seria uma experiência com jogadores que nunca passaram
uma temporada inteira desempenhando a função.
Everton
Ribeiro foi o melhor jogador das edições 2013 e 2014 da Série A do Brasileiro
pelo Cruzeiro atuando pela direita. Uma jogada forte do time mineiro era o
movimento do meia para dentro, abrindo o corredor para a passagem em velocidade
do jovem lateral Mayke. No Flamengo é possível até imaginar, por
características, Rodinei fazendo essa combinação melhor que Pará, por ser mais
rápido.

Everton Ribeiro em ação no Cruzeiro bicampeão brasileiro 2013/2014: meia aberto pela direita, cortando para dentro com o pé canhoto e abrindo o corredor para a passagem do jovem e rápido lateral Mayke (flagrante Sportv)

O mais
provável é Everton formar o trio de meias atrás de Guerrero com Diego
centralizado e o garoto Vinicius Júnior pela esquerda. A jóia das divisões de
base vem mostrando maturidade, desenvoltura e ganhando minutos. Mesmo tão
jovem, é disparado no elenco o mais próximo do ponteiro desejado: driblador e
que busca a diagonal para finalizar.
A
tendência é virar titular em breve, até pela exigência do Real Madrid de vê-lo
em campo para chegar pronto na Espanha no ano que vem ou em 2019. A menos que
Geuvânio seja mesmo contratado e se firme entre os titulares de imediato. Uma
hipótese, por enquanto.

Everton Ribeiro deve atuar aberto pela direita num 4-2-3-1, usando seu pé canhoto para articular as jogadas com Diego e alimentar Guerrero. Do lado oposto, Vinicius Júnior seria o ponteiro das infiltrações em diagonal (Tactical Pad).

Mas Zé
Ricardo, como ele mesmo afirmou, também pode encaixar Conca neste trio de
meias, ainda que perca uma opção de velocidade, ou até mesmo em uma proposta
ousada, mantendo Vinicius Júnior ou outro ponteiro e atuando num 4-1-4-1.
Improvável,
até pela explicação do treinador quando já vislumbrava a equipe com Conca e
Diego: um volante ficaria mais fixo na proteção da retaguarda e o outro sairia
para um trabalho com o lateral pelo flanco, compensando a menor contribuição
defensiva do meia criativo. Com apenas um volante poderia expor demais a última
linha de defesa. Talvez uma alternativa para algumas partidas, dependendo da
necessidade. Tudo vai depender da forma física dos atletas.

Um ofensivo 4-1-4-1 com Everton, Diego, Conca e Vinicius atrás de Guerrero. Uma alternativa para alguns jogos, por necessidade (Tactical Pad).

Eis o
paradoxo que vive o comandante rubro-negro: a cobrança por resultados imediatos
e a esperança do melhor cenário um pouco mais à frente: os três meias criativos
em forma e a revelação do clube mais pronta para brilhar.
O
Flamengo tem seis pontos na Série A, na segunda página da tabela, a quatro
pontos dos líderes Chapecoense e Corinthians. Encara duas partidas fora de casa
contra adversários próximos da zona de rebaixamento: Sport e Avaí. Há a chance
de se recuperar na tabela com, no mínimo, quatro pontos. Mas duas derrotas
podem desencadear uma crise que prejudicaria muito a sequência do trabalho.
Para
complicar, junho é o mês das rodadas a cada três dias. Menos tempo para
treinamentos e a necessidade de ajustar o time nas partidas de um campeonato
mais que equilibrado. Um desafio, sem dúvida.
A boa
notícia para Zé Ricardo é que ganha a peça que tanto queria. No setor ofensivo,
ele nunca teve tanto talento à disposição.

Compartilhe

O FlaHoje é um portal eletrônico de notícias voltado exclusivamente os torcedores do Flamengo. Nosso objetivo é mostrar as principais notícias com qualidade, rapidez e imparcialidade, focando notícias do nosso time favorito, o Rubro-Negro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.