Farra, bebida e o fim precoce: ex-joia do Flamengo vira porteiro.

Célio Júnior atuou pelo Fla entre 1998 e 2008
(Foto: Arquivo pessoal)

GLOBO
ESPORTE
: A frustração é clara. Assim como o arrependimento. E o sorriso fácil
percebido em um rápido contato só perde a vez quando o assunto é futebol para
Célio Júnior. Afinal, a joia do Flamengo no início da década passada viu a vida
mudar, “o mundo girar” e toda as perspectivas de ser tornar um grande
meio-campo irem por água abaixo com o tempo… E com os erros. Ele, que chamou
a atenção do Roma, chegou a receber R$ 22 mil por mês na base e ser tomado
pelos elogios na Gávea, mas viu o sucesso escorrer pelos dedos. Pelos pés. E,
acima de tudo, pela cabeça.

– Ele
(Célio Júnior) jogava muito. Era um jogador de alto nível no meio de campo.
Tinha uma boa velocidade, fazia gols, sabia chegar na área. Foi campeão comigo
várias vezes, tinha muito talento – disse Adílio, ídolo do Flamengo, ao
GloboEsporte.com, quando perguntado sobre quem era Célio Júnior, seu
ex-comandado na base rubro-negra.
Mas
aquele meia canhoto apontado como promissor, hoje, aos 30 de idade, foi vencido
pelo glamour, pelo deslumbre, por si próprio, como ele mesmo admite. Cansou-se
de sentir saudade da família por tão pouco e dos duros golpe do futebol após
rodar mundo a fora. Pendurou as chuteiras aos 28 anos de idade, no São Gonçalo,
em 2015.
Célio
Júnior atualmente trabalha como porteiro em um empresa em Niterói. Orgulha-se
disso e faz questão de deixar claro. Muito pelo apoio da família, da esposa e
do filho Luan, de sete anos. Mas tem certeza que a vida levada hoje no bairro
Trindade, em São Gonçalo, poderia ter tomado outro rumo se não fosse alguns
motivos: ouvir quem não deveria e deixar, principalmente, a bebida
atrapalhá-lo.

Cometi muitos erros. Muita bebida, muita balada. Bebia muito, as noites de sono
eu não tirava mais. Posso dizer com 100% de certeza que a bebida atrapalhou a
minha carreira. Teria sido diferente – relata Célio.
Célio
Júnior chegou à base do Fla em 1998. Sempre foi destaque na geração que revelou
nomes como Renato Augusto, Kayke e que, liderada por Adilio, tornou-se uma das
mais vitoriosas nas categorias inferiores do clube. Chegou a receber sondagens
de clubes europeus na época – um deles, o Roma, que, segundo Célio, inclusive
fez uma proposta quando tinha entre 17 e 18 anos – e encantou o técnico Abel
Braga durante treinamentos no ano de 2004. No final de 2005, já ganhando um
elevado salário nos juniores, foi promovido ao elenco principal.
No
entanto, o jovem que outrora ganhava nome e era uma aposta certeira, esbarrou
na vida exuberante, nas cifras altas – e ludibriadoras – e nas adversidades.
Pouco recebeu oportunidades no time de cima – fez apenas dois jogos entre 2006
e 2008 -, encarou empréstimos a clubes de menor investimento do Rio, como
Goytacaz, Cardoso Moreira e Portuguesa e, ao final de 2008, apoiado por um
empresário italiano que tomava conta de sua carreira, optou por não renovar o
contrato com o Rubro-Negro. Decidiu, então, viver o sonho europeu, na Itália.
Mas a
expectativa de ir para um grande centro não se cumpriu. Enganado, foi levado
para o Bellinzona, da Segunda Divisão da Suíça. Viveu, ali, o pior momento na
carreira – talvez, da vida. Tentou outra vez na Bélgica. Em vão. Sozinho,
voltou ao Brasil para jogar em times como América de Teófilo Otoni, Tombense,
Valeriodoce-MG e na Croácia, em 2012. Durante o período, conviveu com o racismo
na Europa na Suíça e na Croácia, a realidade dura e o arrependimento.
– Com
certeza (o sucesso subiu a cabeça). Imagina um cara que ganha R$ 1 mil por mês
e do nada passa a ganhar R$ 22 mil? Claro que vai mudar a sua cabeça. Quanto
mais você ganha, mais você quer gastar. Então eu fui junto com o que o dinheiro
me oferecia. Mas a vida é assim, um dia você tá em cima, outra hora você tá por
baixo. Era para eu ter parado com isso para poder depois falar a palavra-chave:
estabilidade. Curti muito, aproveitei muito, mas poderia ter parado com aquelas
coisas.
Hoje,
pai de família, Célio Júnior tem planos. Sonha em fazer uma faculdade e cursar,
de repente, a educação física. Irreverente, descontraído e dono de um sorriso
fácil de ser percebido, o ex-jogador garante não se remoer pelo passado, muito
pelo que construiu. Mas admite: o peso de não ter se tornado tudo aquilo o que
todos imaginavam ainda lhe incomoda.

Muita gente fala “Pô, Célio, você era uma promessa”. Eu tento
explicar para todo mundo o que aconteceu. Mas eu sei que não é o fim do mundo,
não. Claro que não foi como eu planejei. Mas têm muitos que jogaram comigo e
que hoje não têm uma casa, um emprego e, graças a Deus, eu consegui isso. Mas
me dói as vezes quando dizem que hoje eu estou acabado. Só que eu tenho que
levar. Hoje tenho minha família e não posso parar, abaixar a cabeça.
Confira
a entrevista com Célio Júnior na íntegra:
Passagem no Flamengo
– Eu
cheguei no Flamengo em 1998. Eu comecei na base do Flamengo como uma grande
promessa. A expectativa em cima de mim era muito grande. Tive muitas propostas
de fora, como do Roma, que veio me procurar quando eu tinha uns 17, 18 anos.
Com essa procura do Roma, de uma salário de R$ 1.500 mil, R$ 2 mil, eu fui
ganhar R$ 12 mil. Eu fiquei deslumbrado, uma coisa fora da realidade na vinha
vida.
Renato Augusto imparável
– A
gente tinha muita história. Na nossa época, o Renato Augusto era banco, porque
acho que era uns dois anos mais novo. Aí a gente, eu Vinícius Pacheco, o
Willian Amendoim, o Marcinho, que hoje está na Portuguesa-RJ, tentava tomar a
bola dele e não conseguia. Todo mundo voltava do treino acabado, porque não
tinha como pegar o homem, era muito diferenciado. A gente ia para o treino
junto pensando como a gente ir parar o Renato. Tinha como não (risos).
Farra com Egídio e o castigo do pai
– Com
o Egídio tem uma história muito engraçada. Meu pai era muito brabo. Falei para
ele “Vamos para um pagode. Tem camarote, essas coisas”. Fomos nos
divertir e depois iríamos para o treino no outro dia. Ele ia dormir lá em casa.
Só que o meu pai estava me esperando em casa à noite para poder lixar a casa.
Saímos e chegamos umas três, quatro horas da manhã. Quando chegamos, meu pai
estava com um balde de massa e uma lixa. Aí o Egídio falou “Uma hora dessas?”,
e o meu pai falou “Estava esperando vocês saírem da baladinha”.
Ficamos lixando a casa a madrugada inteira. Aí chamava o Egídio para ir lá em
casa, e ele “Tá maluco”.
Salário alto e a saída do Fla, em 2008
– O
salário só foi aumentando, R$ 14mil, R$ 22 mil. Uma coisa surreal. Mas chegou
numa época no Flamengo que eu tive que escolher: renovar o contrato ou ir
embora. Mas o Flamengo não queria aumentar mais o meu salário. O meu empresário
era um italiano, que aqui no Brasil só trabalhava comigo. Ele disse que o
Flamengo tinha que aumentar. Mas eu estava bem, era a hora para eu me firmar.
Já tinha um salário alto, de R$ 22 mil. Aí o meu empresário falou “Agora
você vai embora para a Itália”.
A ida para a Suíça
– Era
hora de eu me colocar, fiquei muito submisso. Era para eu ter falado
“Quero ficar”. Mas aí eu deixei ele tomar conta. Não falei nada.
Acabou o contrato e fui para a Suíça jogar pelo Bellinzona, da Segunda Divisão.
O empresário foi me falando mil coisas, que ia ser bom para mim, que todo mundo
já me conhecia lá. Mas, na realidade, foi tudo diferente. Ninguém me conhecia.
Volta da Europa e a dura realidade
– Saí
da Suíça e fui para o Eupen, da Segunda Divisão da Bélgica. Fui com o mesmo
empresário. Mas lá eu já não estava vendo mais dinheiro nenhum. Cara, sai
ganhando bem daqui, comprei minha casa, apartamento, mas lá eu não via mais
dinheiro. Fiquei pouco tempo no Eupen e sai do empresário, falei “Não dá
mais, vou seguir sozinho”. Voltei para o Brasil e foi acabando o dinheiro.
O dinheiro que consegui no Flamengo foi indo embora. Voltei para o América de
Téofilo Otoni-MG e aí fui caindo, entrei na realidade verdadeira do futebol. De
mais de R$ 20 mil que eu ganhava por mês na base, passei a ir para os clubes
ganhar R$ 4 mil. Rodei por Tombense, depois Sinop, vim para o Rio. Joguei no
São João da Barra com o Andrade, que, assim como o Adílio, me ajudou demais. Aí
fechei minha conta no São Gonçalo, no Rio, em 2015. Não dava mais não. Pensei
“Tenho filho, sou casado. Não adianta mais ir para longe ganhando
pouco”. Eu, ou ficava em casa com a minha família, quando posso ter meu
sábado e domingo de folga, ou fico viajando ganhando pouco e deixando de ver o
meu filho crescer.
Experiência e racismo na Croácia, onde
jogou pelo Karlovac
– Na
Croácia eu não conseguia entender nada. Eu era o único negro na cidade. O
pessoal do clube não deixava eu sair na rua sozinho, porque tinham medo do
preconceito. Uma pessoa do clube sempre me levava para o treino. Mas teve um
dia que eu decidi ir sozinho. Aí eu fui andando. A maioria do povo me abraçou,
muitos iam na minha casa. Vou dizer que 80% das pessoas eram bacanas. Algumas
tenho até contato hoje. Mas tinham, sim, esses negócios de racismo. De você
entrar num lugar, e os pais puxarem as crianças para não chegarem perto. Lá eu
passei seis meses e só recebi um.
Racismo parte 2 e a pior parte
– Na
Suíça tinha mais ainda (racismo). Passei esse negócio de preconceito até com
jogador, por ser brasileiro. Com alguns dizendo “Não vai conseguir. No
Brasil é só futebol e samba”. Tive que botar a cabeça no lugar até verem
que eu ia para dentro. Na Suíça foi a pior parte. Foi quando eu pensei em
desistir pela primeira vez.
“Fui junto com o dinheiro”
– Com
certeza (o sucesso subiu a cabeça). Imagina um cara que ganha R$ 1 mil por mês
e do nada passa a ganhar R$ 22 mil? Claro que vai mudar a sua cabeça. Quanto
mais você ganha, mais você quer gastar. Então eu fui junto com o que o dinheiro
me oferecia. Mas a vida é assim, um dia você tá em cima, outra hora você tá por
baixo. Era para eu ter parado com isso para poder depois falar a palavra-chave:
estabilidade. Curti muito, aproveitei muito, mas poderia ter parado com essas
coisas.
“Confiei em quem não era para
confiar”
– Hoje
posso dizer que já passou. Foi bom (o período no futebol). Mas para mim hoje
tudo é minha família. Quem mais me ajudou foi a minha família, a minha mulher.
Amigos, hoje sei que tenho meu pai, minha mãe, minha esposa. Confiei em muita
gente que não era para confiar. Hoje eu tenho consciência que só tenho que
agradecer a eles. Tenho minha esposa, meu filho Luan.
O reconhecimento nas ruas e a nova vida
– Hoje
eu moro na Trindade, onde nasci. Trabalho em uma empresa em Niterói, que faz
canos de petróleo, essas coisas. Trabalho na portaria, fazendo revista, na
entrada e saída de carro também. Aí também venho estudando para poder ir para a
faculdade, fazer uma educação física. Trabalho um dia sim e outro não. As
pessoas que me reconhecem falam “Parou por quê? Você jogava muito, não
pode parar”. Mas não estava valendo mais a pena. Até minha esposa não
acredita que eu jogava (risos). Mas ela chegou a ver, sim.
“Dizem que estou acabado”
– É
uma realidade totalmente diferente do que eu vivia. Muita gente fala “Pô,
Célio, você era uma promessa”. Eu tento explicar para todo mundo o que
aconteceu. Mas eu sei que não é o fim do mundo, não. Claro que não foi como eu
planejei. Mas tem muitos que jogaram comigo que hoje não têm uma casa, um
emprego e, graças a Deus, eu consegui isso. Mas me dói às vezes quando dizem
que hoje eu estou acabado. Mas tenho que levar. Hoje tenho minha família e não
posso parar, abaixar a cabeça.
“Eu era o cara, sabe?”

Assim, não vou dizer que sou frustrado, porque tenho a família que consegui.
Tudo o que consegui foi por causa da minha família. Perdi muitos amigos, porque
eu era o cara, sabe? Mas eu fico triste mesmo por não poder ter ajudado mais a
minha família. Poderia ser um pai de família que ganharia R$ 20 mil por mês.
Os conselhos de Adílio
– Eu
tenho que agradecer ao meu pai, que eu nunca fui próximo, mas sempre me dava
esporro, e ao Adílio, que era um cara que conversava muito. Ele sempre dizia
“Você pode ser ídolo, viver o que você está vivendo hoje, mas muitas
pessoas vão se aproximar de você e tentar tirar as coisas de você”. Eu
nunca esqueci disso. Ele teve uma influência muito grande na minha vida.
Os erros

Cometi muitos erros. Muita bebida, muita balada. Tinha dia que eu saia e ia
treinar. Quando você está novo, você vai e faz a primeira vez, a segunda vez e
dá tudo certo, você corre pra caramba. Mas, com um tempo, isso te atrapalha.
Ainda mais eu que era conhecido por ter um pulmão privilegiado. Bebia muito, as
noites de sono eu não tirava mais. Posso dizer com 100% de certeza que a bebida
atrapalhou a minha carreira. Teria sido diferente. Eu gostava muito de um
pagode. Mas hoje estou mais tranquilo.
Distância do futebol

Raramente eu jogo. Só gosto mesmo de acompanhar. Às vezes vou na rua e jogo uma
bola, mas é raro. Sou Flamenguista doente, torço muito pela galera que jogou
comigo, o Renato Augusto, o Vinicius Pacheco, o Amendoim. Não perdi tanto as
amizades que fiz na bola quando parei de jogar.

Por: FlaHoje

MAIS LIDOS

Ribamar faz jogo horroroso e flamenguistas brincam: ”Pior que Vitinho”

A quinta-feira foi de futebol. No Rio de Janeiro, o Vasco da Gama mediu forças diante do Defensa y Justicia, em duelo válido pela...

Marí retorna de lesão e faz gol pelo Arsenal

Pablo Marí ficou alguns dias lesionado pelo Arsenal. O zagueiro que rendeu aos cofres rubro-negros cerca de 95 milhões de reais, logo que chegou...

Flamengo pede e CBF libera Natan para partidas do Brasileirão

O Flamengo solicitou nos últimos dias a CBF a liberação do seu zagueiro da base de maior potencial. O jovem Natan se destacou com...

Adeus: Fla vende jogador por R$ 20 milhões

O Flamengo está vivendo um dos momentos mais complicados do mandado de Rodolfo Landim. O Rubro-negro foi eliminado da Liberadores da América e deixou...