terça-feira, setembro 22, 2020
Início Notícias Flamengo chega ao Brasileiro melhor preparado do que em 2016.

Flamengo chega ao Brasileiro melhor preparado do que em 2016.

Arte: Chute Cruzado

CHUTE CRUZADO: Por Pedro Henrique Torre

Provável
que quem se aborreceu em 2016 com a divertida brincadeira do “cheirinho” da
torcida rubro-negra tenha motivos para se irritar de novo em 2017. O Flamengo
entra no Campeonato Brasileiro deste ano da mesma maneira que deixou a última
edição: como postulante ao título. Se por um lado o elenco parece estar melhor
preparado, por outro a pressão pela conquista será mais elevada. Natural. Desde
que a gestão Bandeira de Mello assumiu o clube, a escalada é gradual.
Atualmente, o Flamengo tem estrutura e grupo qualificado para acompanhar a
batida de 38 rodadas.
O
trabalho do técnico Zé Ricardo, com quase um ano de duração, é pilar importante
na disputa pelo hepta. Zé, hoje, é um técnico diferente. Não precisa com tanta
urgência dos resultados para permanecer no cargo. Ousa, arrisca e conhece bem o
elenco. Há confiança interna, da arquibancada e da crítica. Encorpada com a
conquista recente do Campeonato Carioca, seu primeiro título entre os
profissionais. Aos 45 anos, Zé Ricardo mostra um trabalho consistente, com um
Flamengo linear e dono de um caráter fundamental em uma competição de pontos
corridos: dificilmente é derrotado e o bom desempenho tem sido regular. Neste
ano tem 73% de aproveitamento em 26 jogos, com 52 gols marcados e 17 sofridos.
Desde outubro, quando acabou batido pelo Internacional por 2 a 1, no Beira-Rio,
o time somou apenas mais duas derrotas, fora de casa, por um gol, diante de
Atlético-PR e Universidad Católica, ambas neste ano.
Com um
técnico mais confiante no cargo, as vantagens para disputar a competição e se
adaptar aos adversários apareceram. Em 2016, o Flamengo era competitivo, mas
acabou até certo ponto previsível na reta final da competição. Era o time dos
pontas. 4-2-3-1, com Gabriel na direita e Everton na esquerda. Havia poucas
peças para substituí-los e pouco tempo para tramar novas ideias e pô-las em
prática. O contrário desta temporada, quando Zé iniciou o ano no cargo. Houve
contratempos. Diego lesionou o joelho direito e está em fase final de
recuperação. Deve estrear em poucas rodadas na maior competição nacional. Mas
mesmo sem ele o Flamengo encarou seu período mais duro em 2017 com variação.
Uma prova do amadurecimento do trabalho.
Ainda
com Diego, Zé Ricardo apostou em um 4-4-2, com o meia mais à frente, ao lado de
Guerrero. Sem o jogador, ele se viu forçado a abrir o leque, já que espelhar o
papel de meia centralizado é difícil. 4-1-4-1, com Romulo e Arão avançados,
como meio campistas. Trauco deixou a lateral e também foi para o meio. Berrío
ocupou a faixa da direita nos Fla-Flus decisivos do Carioca. Rodinei também foi
utilizado por ali. Tudo com a característica de posse de bola, troca de passes,
girar o jogo e dominar o rival. Não há atualmente como prever a escalação do
Flamengo com exatidão. 4-2-3-1, 4-1-4-1, 4-4-2. As opções cresceram, o jogo do
Flamengo também. E as individualidades apareceram ainda mais.
Diego
já vivia boa fase até se lesionar, mas Guerrero vive seu melhor momento com a
camisa 9 desde que chegou ao clube, em meados de 2015. Faz o pivô, dá
assistências e mostra faro artilheiro. Dedica-se de forma impressionante e tem
sido decisivo. Consequência direta de uma equipe que encontrou várias maneiras
de jogar para aproveitar o potencial do atacante peruano. Parte de um leque que
pode, ainda, aumentar. Conca, também em fase final de recuperação de uma lesão
no joelho, é reforço certo. Ederson acaba de retornar aos campos. E o clube
vislumbra a contratação do meia-atacante Everton Ribeiro. Reforço que
certamente assumiria a faixa direita, podendo revezar o setor com Conca,
repetindo a função de Mancuello no início do ano. Problema, dos bons, para Zé.
A chegada de um goleiro mais experiente, de bom nível, para competir com
Muralha também faria bem ao elenco.
Nem tudo é céu de brigadeiro: a definição
do estádio
Em
2016, o Flamengo se tornou mais previsível ao fim da temporada com seu esquema
de pontas, mas, no fundo, houve também outro vilão. O excesso de viagens. Das
36 rodadas, 33 foram disputadas longe do Rio de Janeiro. O desgaste físico era
esperado e ficou evidente. Neste ano, o clube tem conseguido disputar partidas
no Maracanã. Mas a situação do estádio segue absolutamente indefinida, entre
brigas judiciais e possibilidade de uma nova licitação. Não há garantias de que
o local seja a casa do Flamengo.
Neste
ano, ao menos, o clube trabalhou antes com uma alternativa. Mas a Arena da Ilha
do Governador ainda passa por reformas ao custo de R$ 15 milhões. Carece de laudos
e de ser testada. A capacidade também joga contra: abrigar a maior torcida do
país em cerca de 20.500 lugares é tarefa difícil em uma disputa de título, com
boa fase. O regulamento do Brasileiro, no entanto, ainda limita o clube a
fazer, literalmente, voos mais longos e mandar jogos em outras praças, como
Brasília e Natal. Perda na parte financeira, vantagem na parte física.
Definir
a casa, no entanto, é fundamental para o seguimento do campeonato. Com o módulo
profissional do Ninho Urubu finalmente inaugurado no fim de 2016, aproveitar o
Centro de Excelência em Performance (CEP) com mais tempo de permanência no Rio,
é um ganho. Além disso, o envolvimento com torcedores, a criação da atmosfera é
necessária em grandes jogos. Repetir a divisão de estádio com rivais diretos
pela taça, como houve contra o Palmeiras, em Brasília, em 2016, seria erro
primário. No saldo, o Flamengo mira o título. O cheirinho tem tudo para ser
mais forte em 2017.
Fla na temporada como mandante:
23.561
média de público pagantes
25.835
média de público presente

1.2 milhões
de média de renda

MAIS LIDOS

As opções de Domenec

Não são tão vastas as opções para Domenec, ele precisará quebrar cabeça para encontrar o melhor Flamengo possível para hoje. É bem verdade que...

Voo com “reforços” é barrado no espaço aéreo peruano

A situação do Flamengo anda tão complicada que até o simples não tem funcionado. Na madrugada desta segunda para terça o avião dos jovens...

Jorge Jesus quer voltar ao Flamengo? Jorge Nicola explica

Ao longo dos últimos dias, um boato começou a ganhar força no Twitter. O boato diz que Jorge Jesus estaria insatisfeito no Benfica e...

Sormani detona o Flamengo na pandemia: ”É o que mais faz bobagem”

O Flamengo não está tendo dias fáceis. Nesta segunda-feira, o Rubro-negro anunciou que mais um atleta foi contaminado pelo Novo Coronavírus. Com Vitinho também contaminado, o...