Publicidade

Futebol não é desculpa para o seu preconceito.

Foto: Gilvan de Souza / Flamengo

VAVEL:
Por Pedro Henrique Guimarães

É
lamentável ainda falar sobre isso em 2017. Vamos para mais um dos tantos casos
absurdos que o futebol mundial, infelizmente, ainda nos proporciona. Na noite
da última quarta-feira (15), o Flamengo foi derrotado pela Universidad Católica
no Chile, por 1 a 0. Durante a partida, Rafael Vaz protagonizou lances que a
torcida, naturalmente, reagiu mal. Entretanto, a natural e aceitável reação
passional de quem está nas arquibancadas tem um limite. Sempre há um limite.
O que
acontece no esporte é um retrato da sociedade, para o bem e para o mal. Nesse
caso, em que o zagueiro recebeu ameaças e insultos racistas de todos os tipos,
é a imagem do pior do ser humano, que justifica um xingamento racista com “foi
só um momento de nervoso”. Que nervosismo é esse que apaga a consciência e
deixa apenas uma expressão primitiva e preconceituosa? Não há desculpa para
esse tipo de atitude.
Isso
não se trata de futebol, nem de erros. Não se trata de um passe ou lançamento
errado. Não se trata de cores de camisas ou escudos de clubes. Isso é sobre
racismo e preconceito. É sobre um crime cometido contra um ser humano como eu e
você. É sobre a falta de limites que tornam o amor pelo esporte uma doença.
Sim, doença.
Como
se não bastassem comentários absurdos nas redes sociais, o golpe sujo ficou
ainda pior. Quando o zagueiro publicou uma imagem de sua linda filha, uma
criança, em sua conta oficial no Instagram, as ofensas atingiram níveis
absurdamente baixos.
O
futebol é para todos, ponto. É para o pobre, o rico, negro, branco, velho,
novo, gay, hétero, homem, mulher. É para quem quiser. A arquibancada é, sempre
foi e devemos lutar para que sempre seja o local mais democrático possível. Não
há espaço para preconceito, não quando fomos formados e moldados pela
diversidade.
Rafael
Vaz entra para a triste, porém grande, estatística de atletas, independente do
esporte, que sofrem com a intolerância velada pela paixão irracional. A
desculpa do amor pelo clube constrói indivíduos que não só são incapazes de
entender a gravidade de um xingamento racista, mas também que banalizam a
situação e a classificam como “de momento”.
Em
1968, durante as Olimpíadas da Cidade do México, Tommie Smith e John Carlos
levantaram os braços com os punhos fechados em apoio aos Panteras Negras, pelo
direito dos negros em uma sociedade racista. Quase 48 anos depois, ainda
estamos discutindo o preconceito não apenas no esporte, mas na sociedade.
Muitos sofreram, protestaram e foram calados ao longo desses anos pela causa.

Arouca,
Tinga, Boateng, Daniel Alves, Balotelli, Eto’o, Grafite, Roberto Carlos, Rafael
Vaz e muitos outros, dentro e fora dos gramados, sofrem simplesmente pela cor
da pele. Até quando vamos deixar que a luta de tantos seja ignorada?

© Copyright 20 Fla Hoje. Todos os direitos reservados
Website desenvolvido por Azarod