• Início
  • Notícias
  • Gabigol comenta rápida identificação com a torcida: “Pareço com os flamenguistas”
Publicidade

Gabigol comenta rápida identificação com a torcida: “Pareço com os flamenguistas”

Publicidade

Um dos principais nomes da temporada, senão o principal, Gabigol falou com exclusividade ao Esporte Espetacular deste domingo (04). Durante o papo, o artilheiro rubro-negro falou sobre sua forte identificação com a torcida do Flamengo, sua saída e outros assuntos polêmicos.

Autor de 22 gols nos últimos 33 jogos, Gabriel Barbosa vive sua melhor fase na carreira. É fácil entender como o camisa nove conquistou, tão rapidamente, a maior torcida do mundo. Imitado em comemorações e estilos, o artilheiro comentou sobre essa relação.

– Eu sempre quis jogar no Flamengo. Sempre falei isso aos meus amigos mais próximos. Minha estreia profissional, com 16 anos, foi contra o Flamengo, em Brasília, com o estádio muito cheio. Foi muito diferente. Quando eu jogava pelo Santos, eles já gritavam que eu jogaria aqui, talvez pelo meu jeito maluco dentro de campo, ou minha doação nos jogos. Isso ajudou bastante. Obviamente que os gols ajudaram também. Acho que me pareço com os flamenguistas -, declarou.

Neste domingo (04), Gabigol desfalcou o Flamengo na derrota para o Bahia – devido ao terceiro cartão amarelo. Na competição, o camisa nove atuou em 10 oportunidades e anotou nove gols. Além de três assistências e seis desarmes. Após a chegada de Jorge Jesus, o atacante apresentou seu melhor rendimento.

FOTO: ALEXANDRE VIDAL/FLAMENGO

– Ele tem me facilitado muito em campo. Posso jogar em quase todas as posições no ataque, mas acho que me encaixo melhor pela liberdade de me movimentar e pegar a bola. O mister tem feito coisas grandes no Flamengo e me ajudado -, contou.

Se por um lado os números impressionam. Por outro, preocupam. Gabriel soma dez cartões amarelos e um vermelho em 2019.

– Faz parte do jogo. Nunca foi por falta grave, segurar a bola, fazer cera… nunca fui desleal. É meu jeito de ser, de querer as coisas corretas. É uma forte de eu entrar no jogo também, de soltar o que tem dentro de mim para quando pegar a bola estar mais tranquilo. Mas é obvio que tenho que diminuir -, reconheceu.

O jogador revelou, ainda, uma aposta interna com seus companheiros: “disse que vou tentar não tomar mais cartões no Brasileiro“.

Por: Coluna do Fla

Publicidade
Publicidade

© Copyright 20 Fla Hoje. Todos os direitos reservados
Website desenvolvido por Azarod