segunda-feira, setembro 28, 2020
Início Notícias Globo sente estrago feito pelo Esporte Interativo no seu monopólio.

Globo sente estrago feito pelo Esporte Interativo no seu monopólio.

Foto: Reprodução

COSME
RIMOLI
: “Ficamos surpreendidos com alguns poucos clubes que, apesar do
nosso relacionamento de tanto tempo, não quiseram nem ouvir nossa proposta ou
nem avaliaram a fundo o que estávamos colocando na mesa para 2019 em
diante.”

Essa
foi a resposta mais espontânea de Pedro Garcia dada à Folha. Ele é um dos
quatro executivos que comandam o núcleo esportivo da TV Globo. Trabalha com
Carlos Schroder, Alberto Pecegueiro e Jorge Nóbrega. Os quatro substituem
Marcelo Campos Pinto que, surpreendentemente, pediu aposentadoria.
A
mudança ocorreu quando explodiram os escândalos na Fifa, relacionados às
propinas que dirigentes recebiam dos envolvidos nas transmissões de eventos. O
dono da Traffic, velha parceira da Globo e da CBF, Jota Hawilla, foi um dos maiores
delatores. O ex-presidente da CBF e ex-governador biônico de São Paulo, José
Maria Marin, não está com um tornozeleira eletrônica nos Estados Unidos à toa.
E ainda pode pegar 20 anos de cadeia.
Seu
antecessor, Ricardo Teixeira, e seu sucessor, Marco Polo del Nero, seguem
investigados pelo FBI e pelo Departamento de Justiça Norte-Americano. Desde que
começaram as investigações, os dois preferem não sair do país.
Marcelo
Campos Pinto era íntimo do trio. Tinha livre acesso à CBF. Voava de jato particular
com os dirigentes. Foi sob sua gestão que Corinthians e Flamengo implodiram o
Clube dos 13, quando a Globo estava para perder o monopólio do futebol na tevê
aberta, depois de 40 anos.
Esse
favor que Andrés Sanchez e Kléber Leite fizeram valeram privilégios financeiros
a Corinthians e Flamengo. Os dois clubes passaram a ganhar muito mais, ter mais
transmissões de jogos e atrair os maiores patrocinadores do país. Só que desde
2011, foi crescendo o ressentimento nos outros clubes com a desproporção, com a
‘espanholização’.
Corinthians
e Flamengo eram tratados como Barcelona e Real Madrid que, historicamente,
sempre receberam a parte do leão na transmissão do Campeonato Espanhol.
O
modelo invejado pelos clubes brasileiros era o inglês. 50% igualitariamente
entre todas as equipes.
– 25%
baseados na classificação final da temporada anterior (o campeão recebendo 20
vezes mais o valor que recebe o último clube da lista)
– 25%
variáveis de acordo com o número de jogos transmitidos na televisão.
O
problema na Espanha, onde os clubes negociavam diretamente com as tevês, chegou
ao insuportável na temporada de 2013/2014. Real Madrid e Barcelona receberam
140 milhões de euros, cada. O Valencia, 48 milhões de euros. O Atlético de
Madrid, 42 milhões de euros, depois um grupo de três times com 32 milhões de
euros. A cota ia diminuindo até o último grupo, que recebia € 18 milhões.
Com a
lógica exceção dos privilegiados Real Madrid e Barcelona, os outros clubes
ameaçaram não disputar o Espanhol. E o governo foi pressionado a interferir. E
a distribuição ficou mais justa. Pelo menos 50% do que é pago é dividido entre
todos. 25% levando em conta os resultados. E os outros 25% número de sócios,
arrecadação, audiência.
No
Brasil, há duas diferenças fundamentais. A primeira é a falta de interesse
político de qualquer governo de tirar o privilégio da Globo no futebol. O
monopólio de mais de 40 anos é mantido graças aos políticos. Presidentes da
CBF, antes da CBD, sempre foram parceiro íntimos da emissora. Na Copa do Mundo
de 2014 foram sócios, dividiram lucros.
Mas o
fator fundamental que manteve esse quadro é a postura covarde, acomodada,
comprometida dos presidentes dos clubes. A Globo os manipulava como marionetes.
Principalmente disfarçando a incompetência e irresponsabilidade dos dirigentes,
antecipando receitas. Criava um círculo vicioso. E seguia dando mais dinheiro e
mostrando jogos do Corinthians e Flamengo.
Depois
da implosão do Clube dos 13, as outras emissoras abertas com condições de
concorrer financeiramente com a Globo, desistiram. Perceberam que o jogo era de
‘cartas marcadas’. Com o aval do governo, da CBF. E amparado na covardia dos
presidentes dos clubes.
Na
tevê fechada, a bilionária Fox resolveu investir de verdade no mercado
esportivo sul-americano, no brasileiro. Mas com uma estratégia diferente. A da
composição. Usou a Libertadores como moeda de troca. E acabou parceira. E, por
encanto, as dificuldades com a Sky e Net, terminaram.
A Fox
continuou vendendo os jogos da Libertadores à Globo, os repassou também para o
Sportv, canal a cabo da Globo. Em compensação, está transmitindo a Copa do
Brasil. Há planos do Brasileiro da Série A.
A ESPN
Brasil não conta com grande apoio da sua dona, a Disney. E está perdendo
torneios fundamentais, como a Champions League. Não incomoda a Globo.
Quem
fez estrago e obrigou a uma revolução interna na Globo foi o Esporte
Interativo. Desde que foi assumido pela bilionária Turner. O então presidente
do EI, Edgar Diniz, percebeu que a dona do monopólio só se preocupava com os
maiores mercados publicitários. São Paulo, Rio, Minas, Rio Grande do Sul. E
abandonava principalmente o Norte e Nordeste. Começou a, literalmente, comer
pelas beiradas. Com a Copa do Nordeste, a Lampions League. Transmitir
esportes
abandonados, como handebol.
Quando
todos estavam acomodados, Edgar deu o ‘pulo do gato’. Comprou com o dinheiro da
Turner, a Champions League. Foi um tombo inesperado na ESPN, Sportv e Fox. Só
que a emissora usava praticamente só antenas parabólicas, não tinha espaço na
Net ou na Sky. Foi uma batalha épica para que conseguisse canais para
transmitir a Champions. A Globosat, poderoso conjunto de canais da Globo no
cabo, afirmava que não tinha influência alguma. Não era o que acreditava a
cúpula do Esporte Interativo.
Foi
quando Edgar teve outra ideia. Aproveitar o descontentamento dos clubes em
relação aos privilégios dados a Corinthians e Flamengo. E usou a mesma arma que
a Globo na tevê aberta. Conversou com dada equipe. E conquistou Atlético-PR,
Coritiba, Figueirense, Internacional, Ponte Preta, Santos e Santa Cruz, Bahia,
Ceará, Sampaio Corrêa, Criciúma, Joinville, Paysandu, Paraná e Fortaleza.
Todos
estão comprometidos que, a partir de 2019, terão seus jogos nos canais a cabo
mostrados pelo Esporte Interativo. Romperam parceria histórica com o Sportv. As
grandes conquistas foram Internacional, Santos e Bahia.
A
Globo contesta Santa Cruz e Figueirense, diz que já há acordos com esses dois
clubes. O EI mostra contratos assinados. A disputa pode ir para a Justiça.
A
postura de Edgar inflacionou o Brasileiro na tevê a cabo. Os valores pularam de
R$ 60 milhões, que eram divididos entre todos, para R$ 550 milhões. Ele também
pagou muito alto por três anos de Champions League. US$ 130 milhões, cerca de
R$ 525 milhões. Os valores surpreenderam os rivais, dispostos a pagar, no
máximo, 40 milhões de dólares, menos do que um terço que o EI gastou. E acabou
com 20 anos de tradição da ESPN Brasil transmitindo o melhor campeonato de
clubes do mundo.
“Qualquer
concorrência faz com que os valores aumentem, em todos os tipos de negócios.
Por conta da entrada do Esporte Interativo, o SporTV teve que aumentar seus
investimentos mesmo com uma janela de TV paga restrita, mas vale lembrar que as
nossas propostas para os direitos de transmissão dos campeonatos vêm aumentando
há muitos anos.”
“O
Grupo Globo investe no futebol brasileiro há 30 anos. De forma crescente. De
2011 para cá, os clubes viram suas receitas com direitos e cotas de patrocínio
crescerem bastante. Não é um movimento recente. Essas evoluções nas negociações
não se fazem da noite para o dia. Como já disse,nunca se investiu tanto no
futebol. Esta é uma negociação que envolve interesses muito diversos e que deve
entregar benefícios a todas as partes”, tenta amenizar Pedro Garcia. Mas
ele sabe muito bem que, se dependesse da Globo, nunca os valores ficariam tão
altos.
A
verdade é que foi um golpe duro demais. A recessão que o Brasil vive atingiu a
Globo diretamente. O audiência do futebol caiu cerca de 22% nos últimos dez
anos. A Bandeirantes, sua parceira, desistiu do Brasileiro. Mesmo pagando
apenas 20% do que a emissora carioca investe.
A
Globo sofreu um rombo no seu monopólio no futebol brasileiro. O choque foi tão
grande, que resolveu mudar a distribuição das cotas. Em 2019 acabará o
privilégio a Corinthians e Flamengo, que abocanham sozinhos, cerca de 20% do
que é dividido entre os clubes. A divisão será 40% repartido igualitariamente
entre todos. 30% por audiência. E 30% por colocação no campeonato.
Edgar
conseguiu revolucionar a divisão de cotas no futebol brasileiro. Mas perdeu o
emprego. Não é mais presidente da Esporte Interativo. Por mais que disfarce,
não conseguiu fechar com os cinco clubes mais populares. Corinthians, Flamengo,
São Paulo, Vasco e Palmeiras. Sua postura inflacionou o mercado. Apresentou
pouco para um período tão difícil no país.
O
Palmeiras ainda faz leilão, mas Paulo Nobre está próximo de fechar com a Globo.
A diretoria santista está decepcionada com a palmeirense. Os dois clubes são
desprezados pela emissora em relação aos jogos do Corinthians. Seus torcedores
e conselheiros são revoltados com isso há décadas. Mas Nobre teme retaliações,
como sumir de vez das transmissões globais.
A
parte final do plano do Esporte Interativo só começará a ser posto em prática
em 2018. Propor parceria com o Sportv para que transmitam juntos o Brasileiro.
A legislação brasileira proíbe que uma tevê transmita jogos de times que não
possui contrato. Por exemplo, Santos e Corinthians não seria mostrado.
Internacional e Grêmio também. As duas emissoras pressionando juntas o governo,
a legislação deve ser mudada, facilmente. E o mandante ganha o direito de
transmitir.
Certo
é que a Globo sentiu o golpe. O medo é que possa acontecer o mesmo na tevê
aberta. Antecipou em 15 minutos os jogos às quartas, começam às 21h45. Mas isso
é muito pouco. O Cade, Conselho Administrativo de Defesa Econômica, investiga o
monopólio da emissora na tevê aberta.
Os
fracassos e a rejeição à Seleção também se juntam. Em 2017, o país não
disputará a Copa das Confederações na Rússia. O time de Dunga não conseguiu
vaga.
Manter
a pedida de R$ 1,5 bilhão aos patrocinadores do futebol está cada vez mais
difícil. Coca Cola, Volkswagen e Magazine Luíza já abandonaram. Não querem
saber de transmissões esportivas na emissora.
A
farra do futebol na Globo durou mais de 30 anos. Desde a Ditadura Militar, ela
foi privilegiada. Há executivos que já pensam duas vezes se vale a pena manter
o futebol na tevê aberta. Há países onde o esporte só é mostrado no canal a
cabo. Essa é uma das apostas do Esporte Interativo. A estrutura ruir de vez na
aberta.
“Enquanto
o futebol for importante para o torcedor, também será para o Grupo Globo.”
A
garantia é de Pedro Garcia.
Tradução.
Enquanto
houver patrocinador e audiência, a Globo transmitirá futebol.
Quando
não houver lucro, o esporte será deixado de lado.
Simples
assim…

MAIS LIDOS

Denilson critica Palmeiras x Flamengo: ”Vergonhoso”

Na tarde deste domingo, o Flamengo enfrentou o Palmeiras, em jogo válido pelo Campeonato Brasileiro. O confronto só foi confirmado 10 minutos antes da...

Neto detona o Flamengo após tentativa de adiar a partida contra o Palmeiras

Conhecido por suas furtes e polêmicas declarações, Neto, apresentador do 'Os Donos da Bola", da TV Bandeirantes, fez duras críticas a conduta do Flamengo...

Mauro critica Felipe Melo no empate com o Fla

Na tarde deste domingo, o Flamengo mediu forças diante do Palmeiras, empatando o jogo em 1 a 1, em um jogo onde os torcedores...

Presidente do Atlético-MG afirma que vai pedir a exclusão do Fla do Brasileirão

Após muita polêmica, a partida entre Palmeiras e Flamengo foi realizada. O ocorrido gerou muitas reclamações de outros clubes pelo fato de o time...