Histórico do Brasileirão aponta artilheiros em times fracos.

Por: Fla hoje

Globo
Esporte – Atual campeão paulista, o Santos realiza uma fraca campanha neste
início de Brasileiro. Com 10 pontos, está na zona do rebaixamento, na 17ª
posição. Isso não impede Ricardo Oliveira de se isolar na artilharia do
Brasileirão, com sete gols, dois a mais que Renato Cajá, da Ponte Preta, e
Fred, do Fluminense. O fato soa curioso, mas não é inédito. O histórico do
campeonato mostra goleadores que atuavam por times que não disputavam as
primeiras posições.
Isso
tornou-se mais comum após a implantação do sistema de pontos corridos, em 2003,
quando todos os participantes passaram a disputar o mesmo número de partidas.
Em 12 edições, o campeão teve também o artilheiro apenas em 2009 (Flamengo e
Adriano) e 2012 (Fluminense e Fred). Maior goleador numa única edição do Brasileiro,
com 34 gols, o atacante Washington, do Atlético-PR, foi vice-campeão em 2004.
Em
oito oportunidades, o artilheiro atuava por um clube que não ficou nem sequer
entre os cinco primeiros colocados. O principal exemplo foi Josiel, que em 2007
marcou 20 gols, mas não evitou o rebaixamento do Paraná, penúltimo lugar. No
ano seguinte, Keirrison, Washington e Kleber Pereira fizeram 21 gols cada, mas
Coritiba, Fluminense e Santos ficaram apenas na nona, 14ª e 15ª posições,
respectivamente.

Geralmente, quando o clube depende do goleador, o time não é bom, e a bola
dificilmente chega nele. É preferível um time homogêneo de qualidade com um
artilheiro matador a um time carente de peças de qualidade em outros setores
que depende de um goleador. Isso só funciona quando o goleador resolve
individualmente, mas isso está cada vez mais raro no futebol brasileiro. O
goleador precisa que o time jogue para ele, mas coletivamente. Ele (artilheiro)
é apenas uma parte da engrenagem.
Opinião
semelhante tem o ex-jogador Junior, comentarista da TV Globo. Ele ressalta a
qualidade técnica do atacante Ricardo Oliveira, mas afirma que o importante é o
goleador fazer gols que se traduzam em pontos na tabela de classificação.
– Pelo
que temos visto no time do Santos, o lado individual do Ricardo Oliveira está
sobressaindo mais que o coletivo da equipe, pois o ideal e o que normalmente
ocorre é o artilheiro acompanhar o rendimento do time. Mas o desempenho do
Ricardo em si não surpreende, pois é um jogador de qualidade, que foi goleador
por onde passou, mas não está sendo acompanhado pelo restante da equipe.
Independentemente da disputa pela artilharia, o importante é você ter um
goleador que te garanta uma quantidade de gols e, sobretudo, de pontos ao longo
do ano.
De
1971 até 2002, o regulamento do Brasileiro mudava a cada ano. O que não mudava
era a chance maior de o campeão ter também o artilheiro, pois disputava mais
partidas. Das 32 edições, metade teve o artilheiro jogando pelo campeão (10
vezes) ou vice (seis). A pior colocação do time de um goleador foi o America do
atacante César em 1979, com um 23° lugar. Mas há um atenuante: esse ano teve 94
participantes, número recorde na história do nacional.
Artilheiros do Brasileiro de 1971 a 2002 e
a colocação de seus times
1971 –
Dario (15 gols) – Atlético-MG (campeão) – foram 20 participantes
1972 –
Dario e Pedro Rocha (17 gols) – Atlético-MG (11° lugar) e São Paulo (nono
lugar) – 26 participantes
1973 –
Ramon (21 gols) – Santa Cruz (16° lugar) – 40 participantes
1974 –
Roberto Dinamite (16 gols) Vasco (campeão) – 40 participantes
1975 –
Flávio (16 gols) – Internacional (campeão) – 42 participantes
1976 –
Dario (16 gols) – Internacional (campeão) – 54 participantes
1977 –
Reinaldo (28 gols) – Atlético-MG (vice-campeão) – 62 participantes
1978 –
Paulinho (19 gols) – Vasco (quarto lugar) – 74 participantes
1979 –
César (13 gols) – America (23° lugar) – 94 participantes
1980 –
Zico (21 gols) – Flamengo (campeão) – 44 participantes
1981 –
Nunes (16 gols) – Flamengo (6º lugar) – 44 participantes
1982 –
Zico (20 gols) – Flamengo (campeão) – 44 participantes
1983 –
Serginho Chulapa (22 gols) – Santos (vice-campeão) – 44 participantes
1984 –
Roberto Dinamite (16 gols) – Vasco (vice-campeão) – 41 participantes
1985 –
Edmar (20 gols) – Guarani (15ª posição) – 44 participantes
1986 –
Careca (25 gols) – São Paulo (campeão) – 48 participantes
1987*
– Muller (10 gols) – São Paulo (6º lugar) – 16 participantes
1988 –
Nilson (15 gols) – Internacional (vice-campeão) – 24 participantes
1989 –
Túlio (11 gols) – Goiás (10ª posição) – 22 participantes
1990 –
Charles (11 gols) – Bahia (4º lugar) – 20 participantes
1991 –
Paulinho McLaren (15 gols) – Santos (6º lugar) – 20 participantes
1992 –
Bebeto (18 gols) – Vasco (3º lugar) – 20 participantes
1993 –
Guga (15 gols) – Santos (5º lugar) – 32 participantes
1994 –
Amoroso e Túlio (19 gols) – Guarani (3º lugar) e Botafogo (5º lugar) – 24
participantes
1995 –
Túlio (23 gols) – Botafogo (campeão) – 24 participantes
1996 –
Paulo Nunes e Renaldo (16 gols) – Grêmio (campeão) e Atlético-MG (3º lugar) –
24 participantes
1997 –
Edmundo (29 gols) – Vasco (campeão) – 26 participantes
1998 –
Viola (21 gols) – Santos (3º lugar) – 24 participantes
1999 –
Guilherme (28 gols) – Atlético-MG (vice-campeão) – 22 participantes
2000**
– Adhemar (22 gols) – São Caetano (vice-campeão) – 79 participantes
2001 –
Romário (21 gols) – Vasco (11ª posição) – 28 participantes
2002 –
Luis Fabiano e Rodrigo Fabri (19 gols) – São Paulo (5ª posição) e Grêmio (3ª
posição) – 26 participantes
Artilheiros do Brasileiro desde 2003 e a
colocação de seus times
2003 –
Dimba (31 gols) – Goiás (9º lugar) – 24 participantes
2004 –
Washington (34 gols) – Atlético-PR (vice-campeão) – 24 participantes
2005 –
Romário (22 gols) – Vasco (12º lugar) – 22 participantes
2006 –
Souza (17 gols) – Goiás (8º lugar) – 20 participantes
2007 –
Josiel (20 gols) – Paraná (19º lugar) – 20 participantes
2008 –
Washington, Keirrison e Kleber Pereira (21 gols) – Fluminense (14º lugar),
Coritiba (9º lugar) e Santos (15º lugar) – 20 participantes
2009 –
Adriano e Diego Tardelli (19 gols) – Flamengo (campeão) e Atlético-MG (7º
lugar) – 20 participantes
2010 –
Jonas (23 gols) – Grêmio (4º lugar) – 20 participantes
2011 –
Borges (23 gols) – Santos (10º lugar) – 20 participantes
2012 –
Fred (20 gols) – Fluminense (campeão) – 20 participantes
2013 –
Ederson (21 gols) – Atlético-PR (3º lugar) – 20 participantes
2014 –
Fred (18 gols) – Fluminense (6º lugar) – 20 participantes

MAIS LIDOS

Flamengo descarta a chegada de zagueiro da Seleção

O Flamengo possui um dos grandes elencos do futebol sul-americano. Com tantos investimentos nos últimos anos, o Rubro-negro continua sendo alvos constantes de especulações....

Escalação do Flamengo hoje contra o Nova Iguaçu

O Flamengo entra em campo na noite desta terça-feira, em jogo válido pela primeira partida do Campeonato Carioca. Com o titulo do Rubro-negro no...

Galhardo responde Gabigol após provocação

O Flamengo ganhou o titulo do Campeonato Brasileiro na última quinta-feira, em jogo válido pela ultima rodada do Campeoato Brasileiro. O Rubro-negro ganhou o...

Tudo normal: Diego Alves tira onda após mais um titulo do Mengão

O Flamengo foi campeão após uma temporada muito irregular. O Internacional chegou a ficar disparado na ponta da tabela do Brasileirão, entretanto, o Rubro-negro...