sábado, setembro 26, 2020
Início Notícias Josuel destaca experiência de jogar com a torcida do Flamengo.

Josuel destaca experiência de jogar com a torcida do Flamengo.

Foto: Divulgação

GARRAFÃO
RUBRO-NEGRO
: Durante a série semifinal contra Mogi, o Garrafão Rubro-Negro
começou esse especial e entrevistou Janjão e Ratto. Agora, às vésperas do jogo
quatro da decisão nacional contra Bauru, que ocorrerá no próximo fim de semana,
chegou a vez de Josuel. O ex-jogador atuou pelas equipes finalistas e tem um
nome muito respeitado no basquete nacional.

Natural
de Barueri-SP, Aristides Josuel dos Santos começou sua carreira no Guarujá, mas
apareceu no Franca. Depois, passou por Rio Claro, Corinthians/Pony e Ribeirão
Preto, antes de chegar ao Flamengo, em 1999. No time da Gávea, conquistou o
título Estadual do ano e se encantou pela torcida.

Aquele título estadual foi completamente diferente. Era uma torcida gigantesca,
e eu nunca tinha tido essa experiência de jogar em uma equipe com torcida de
massa, que vinha do futebol. Comemorar com os torcedores foi muito legal. O
fato de jogar com vários atletas que eu já atuava na Seleção foi um ponto
positivo para que o título acontecesse. Foi a primeira vez que joguei com
Ratto, Pipoka e Caio Cazziolato, mas existia o fator entrosamento com os que eu
já jogava há um ano, como: Oscar, Paulinho Villas-Boas, Duda e Robyn Davis.
Conquistar esse campeonato com esses atletas e a torcida apaixonada do Flamengo
foi uma experiência marcante – definiu.
Três
anos depois dessa conquista, o ex-pivô foi jogar em Bauru. Lá, foi campeão do
Campeonato Brasileiro, e atuou com Leandrinho, hoje no Golden State Warriors,
Marquinhos, ídolo do Fla, e Murilo, que rodou por vários clubes, mas voltou
para casa. As lembranças são positivas.
– Foi
um ano abençoado, em que a equipe chegou jogando em conjunto, e conseguiu um
título muito importante. Vencemos todos os desafios desde o início da
temporada, nos encaixamos, e as coisas foram acontecendo naturalmente. Foi um
título gratificante e a cidade nos recebeu muito bem. Tive a honra de ver meu filho
nascer e, com apenas seis meses, comemorar, junto comigo, no meio da quadra. Na
empolgação, além do título, era meu aniversário. Então, levantei meu Lukas, a
torcida aplaudiu e ganhei o apelido de ‘Rei Leão’. Fico muito feliz por ver até
onde esses três chegaram no basquete. Quando nós jogamos juntos, eram
promessas. O Leandrinho tinha mais espaço, pois era titular. Ele conquistou seu
sonho, que era jogar na NBA, por acreditar e correr atrás. Está lá até hoje e
venceu todos desafios e lesões. Agora, pode ser bicampeão após uma temporada
muito boa e, inclusive, eu estou na torcida por isso. O Marquinhos sempre
demonstrou muito talento. Além de jogarmos em Bauru, estivemos juntos em Mogi e
no Pinheiros. Pela sua qualidade, acho que poderia ter permanecido mais tempo
na NBA. Atuou no forte basquete europeu e hoje é um dos principais jogadores do
país e da Seleção Brasileira, sendo importante para os Jogos Olímpicos. Murilo
já foi eleito melhor jogador do NBB e isso é fruto de muito trabalho. Hoje,
tenho muito contato com ele, devido aos treinos que fazemos juntos. Vejo seu
esforço diário e a busca por aperfeiçoar seus momentos. As conquistas desses
três atletas são consequências de pessoas que trabalharam muito. Espero, de
alguma forma, ter contribuído para esse ótimo rendimento deles e continuo na
torcida para que joguem em alto nível por muito tempo – comentou.
Com a
camisa da Seleção Brasileira, disputou duas Olimpíadas, três Pré-Olímpicos,
dois Mundiais, três Pan-Americanos e etc. O currículo é recheado e foi
impossível não citar alguns momentos especiais. Ainda assim, restou espaço para
um jogo marcante pelo Flamengo.

Vestir a camisa da Seleção sempre foi um privilégio. Foram dez anos servindo o
time principal ao lado dos melhores jogadores do país e jogando contra atletas,
como: Michael Jordan, Magic Johnson, Shaquille O’Neal e Drazen Petrovic. Cada
campeonato reserva algo diferente para o atleta, mas poder jogar Olimpíadas por
duas vezes e ter a oportunidade de jogar contra o melhor time da história, mais
conhecido como Dream Team, tem um sabor muito especial na minha carreira. Nessa
mesma edição dos Jogos Olímpicos, em Barcelona, contra a Alemanha, entrei em
quadra e pude ajudar o Brasil a virar o placar, marcando vinte pontos na
ocasião. Também não posso esquecer da medalha de ouro conquistado no
Pan-Americano de Winnipeg-99, o título mais importante da minha carreira com a
camisa do Brasil. Me sinto honrado por fazer parte de um capítulo importante na
história do basquete nacional. No Flamengo, é difícil destacar um jogo só,
principalmente, por tudo que acontecia. Mas um dos mais importantes que teve
foi contra o Botafogo, no Maracanãzinho, final do Campeonato Carioca de 1999,
que o Oscar não pôde jogar porque tinha uma lesão e eu ajudei, de forma efetiva,
o nosso time a conquistar uma vitória. Esse foi o jogo de uma entrevista
conhecida do Oscar, onde ele acabou me elogiando bastante por ter ajudado os
companheiros naquela decisão – relembrou.
Quando
o assunto é Oscar, o que não falta é história para contar. Após a passagem pelo
Flamengo, os dois se reencontraram anos depois, em 2005, no time do Rio de
Janeiro, campeão brasileiro na ocasião. O maior ídolo brasileiro foi
responsável pela montagem do elenco.

Jogar com ele foi um privilégio, tanto na Seleção, como nos clubes. É uma
pessoa que me valorizou muito como atleta e que sempre me cobrava sabendo do
potencial. E essa cobrança sempre foi positiva e, apesar das broncas, ele fazia
tudo que falava e treinava com muita intensidade, buscava ao máximo conquistar
títulos. Foi Deus que colocou para fazer parte da minha carreira. Fiquei muito
feliz por ter sido seu atleta no Rio de Janeiro, que foi uma das melhores
equipes que joguei. Como dirigente, Oscar teve a sabedoria de administrar um
time de grandes talentos e fazer com que cada um entendesse sua posição para
que não atrapalhasse o rendimento geral. O ‘Mão Santa’ nos ajudou e fomos
campeões nacionais. Foi uma honra tê-lo como companheiro de quadra e dirigente
– elogiou.
Para
quem não lembra, o gigante de 2,05m atuou durante três edições do NBB pelo
Pinheiros. No time paulista, foi companheiro de Olivinha, de quem guarda boas
lembranças e é só elogios. Ao encerrar, avaliou o momento atual do basquete e
elogiou Demétrius Ferraciú e José Neto.
– O
Olivinha é um guerreiro, um cara que lutou muito, sempre com raça, para super
todas as dificuldades que tinha por ser menor que os outros atletas da posição.
Desde a época do Flamengo, nós brincávamos que parecia que tinha um ‘imã’ na
bola, de tanto que pegava rebotes. Raça e disposição sempre foram seus
diferenciais. Fico satisfeito pela fase que ele se encontra, é um jogador
extremamente importante em uma das melhores equipes do país. Hoje, por estar do
outro lado, treinando os pivôs de Bauru, me “irrita” um pouco porque
dá muito trabalho, mas é algo que ele merece por tudo que viveu com muita
vontade. A principal diferença do basquete de hoje para o de antigamente, é que
hoje temos um basquete mais físico, com jogadores mais fortes que no passado,
onde o o jogo era técnico. Sobre Flamengo e Bauru, alguns importantes fatores
fazem as duas equipes serem potências no basquete nacional: planejamento sério,
manutenção do elenco e comissão técnica, boas peças de reposição e,
principalmente, o trabalho a longo prazo. O Flamengo, desde o início da
história do NBB, participa como um dos favoritos ao título. Já o Bauru vem em
uma crescente, participou de todos os playoffs, mas nos últimos dois anos
colheu frutos do trabalho e se tornou favorito também. Acredito que os jovens
treinadores trazem uma nova maneira de jogo e, se estão auxiliando o Rubén
Magnano, merecem. Tanto o Neto, quanto o Demétrius, estão de parabéns pela
capacidade de levar esses jogadores a grandes conquistas e pelas campanhas –
finalizou.

MAIS LIDOS

Fla hoje: Zagueiro se aproxima de deixar o Flamengo

É de conhecimento de todos a excelente categoria de base que o Fla hoje possui. Nos últimos anos, Vinicius Junior, Reinier e Paquetá foram...

Demissão de funcionário revolta torcida do Fla; veja os comentários

O torcedor flamenguista ver mais notícias sobre o extra campo do Fla do que dentro de campo. Na noite desta sexta-feira, foi notificado que...

Vice-Presidente do Fla crítica CBF por manter partida

O Flamengo tem 16 casos de covid confirmados dentro de seu plantel, fato que não parece significar muito para a CBF. Isso sem contar...

STJD bate o martelo e Flamengo x Palmeiras está mantido

O Flamengo entrou no STJD solicitando o adiamento da partida de domingo, diante do Palmeiras no Allianz Parque. Porém, se antes a negativa veio...