quinta-feira, setembro 24, 2020
Início Notícias Kleber Leite critica o Flamengo por não jogar de rubro-negro na Ilha

Kleber Leite critica o Flamengo por não jogar de rubro-negro na Ilha

Foto: Divulgação

KLEBER
LEITE
: Outro dia, na Ilha do Urubu, o Flamengo, como mandante, disputou uma
partida oficial – Campeonato Brasileiro – sem o uniforme rubro-negro.

Não
bastasse isso, utilizou o uniforme número dois – aquele da listra vertical – e,
sobre isso quero contar um depoimento do presidente do Atlético Paranaense,
Mario Celso Petraglia.
Num
papo informal, me disse ele que foi tarefa difícil dissociar a imagem do
Flamengo, pois a camisa do Atlético era rigorosamente igual à nossa. Não só o
uniforme rubro-negro, como também o número dois. A solução encontrada para
FUGIR DO FLAMENGO foi transformar as listras horizontais, em verticais. E assim
tem sido até hoje.
Agora,
o Flamengo que tem como marca registrada as listras horizontais, aparece com o
uniforme número dois com a listra vertical.
Caramba,
como se muda uma marca registrada e consagrada? E não é que o Flamengo deixou
de ser Flamengo para ser Atlético Paranaense, que luta até hoje para não ser
confundido com o Flamengo…
Agora
vem como terceiro uniforme a camisa amarela. Tudo isto começou na década de 90,
quando a Umbro fez uma pesquisa exclusivamente com torcedores rubro-negros, que
elegeram o azul como cor favorita.
Em
função da pesquisa, a Umbro lançou o terceiro uniforme, que tinha o azul como
base, porém, sem deixar o vermelho e preto de fora. A camisa ficou linda,
registrando o recorde de vendas da empresa inglesa no nosso continente. O
problema é que o produto foi colocado no mercado sem a aprovação do Conselho
Deliberativo que, quando convocado, reprovou a camisa, pois passava ao largo da
nossa tradição e das nossas cores. Vejam bem. O azul era a base e, tudo em cima
do azul era vermelho e preto. E, mais: o Conselho Deliberativo daquela época só
permitiu a utilização do terceiro uniforme em jogos festivos. Jamais em jogos
oficiais.
Agora,
vem o amarelo, sem nada de rubro-negro e, podendo ser utilizado em qualquer
competição, inclusive em jogos oficiais.
Com
todo respeito ao modernismo e, à vontade estou, pois adoro o novo, acho que
estamos passando do ponto. Não pode haver fato novo, por mais bonito que seja,
por mais resultado financeiro que proporcione, que agrida a tradição.
Além
disso, há uma enorme contradição. No exato momento em que o Flamengo entende
que deva invadir o mundo, se fazendo conhecer, provocando novas paixões em
continentes nunca antes atingidos pelo carisma do rubro-negro horizontal, jogar
de amarelo é de uma falta de visão Maracaneana…
Com
todo respeito…

MAIS LIDOS

Zagueiro que atua na Itália diz que dará preferencia ao Fla quando voltar ao Brasil

Apesar de esta passando por um momento de instabilidade sob o comando de Domènec Torrent, o Flamengo tem conquistado cada vez mais visibilidade nos...

Sormani critica Palmeiras por querer manter partida: “Um absurdo”

O comentarista Fábio Sormani, do Fox Sports Rádio, teceu críticas aos dirigentes alviverdes na tarde desta quarta-feira após a nota oficial divulgada na noite...

Domenec e mais 7 testam positivo para Covid-19

A vida do Flamengo não está fácil. Após ter 7 jogadores confirmados com covid-19 até a noite de ontem, hoje mais 9 testes apresentaram...

Jesus revela o motivo de ter deixado o Flamengo e se emociona

O técnico Jorge Jesus deixou o Flamengo logo após a conquista do Campeonato Carioca. Como o treinador tinha acabado de renovar o seu contrato,...