quinta-feira, outubro 1, 2020
Início Notícias Kleber Leite rebate e explica caso "Flamengo e Consórcio Plaza".

Kleber Leite rebate e explica caso “Flamengo e Consórcio Plaza”.

KLEBER
LEITE
: Ontem, lá fui eu para a reunião do Conselho Deliberativo do Flamengo. Na
pauta, de novo, o assunto do shopping e, nas entrelinhas, um caminho sutil para
me apontar como culpado pelo dinheiro que o Flamengo, pelo acordo realizado
entre as partes, está pagando ao consórcio que deveria ter colocado o shopping
em pé e, ao invés disso, de forma astuta, usufrui daquilo que, na realidade,
deveria estar pagando.
Ontem,
após ouvir algumas barbaridades proferidas por pessoas sem a menor
sensibilidade e de caráter duvidoso, uma delas inclusive com a responsabilidade
de julgar e definir a vida de seres humanos, já que desembargador é, resolvi
deixar de ouvir e dizer o que estava dentro da alma.
Pedi
que as pessoas tivessem a coerência, como ponto de avaliação para qualquer
julgamento.
Relatei
a minha chegada ao clube em 95, quando encontramos uma verdadeira calamidade.
Os 600 funcionários, além dos profissionais, estavam completando quatro meses
de salários não recebidos. Como entrar no clube, como começar olhando nos olhos
desta gente e vendo tanto sofrimento? Como, na condição de “patrão”,
determinar, comandar, sendo devedor e não cumpridor das suas obrigações
básicas?
Aí,
três pessoas, Plínio Serpa Pinto, Jorge Rodrigues e eu, com recursos próprios,
até porque, nos cofres do clube nada havia, colocamos os salários de todos os
funcionários e profissionais, rigorosamente em dia e, assim foi até o último
dia da nossa administração, em 31 de dezembro de 1998.
Este
dinheiro que emprestei ao Flamengo me foi devolvido quatro anos após e sem um
único centavo de juros.
Ao
longo de quatro anos como presidente, e outros tantos como vice de futebol,
viajei muito a serviço do Flamengo mundo afora, em que TODAS as passagens
aéreas e estadias foram pagas com meus próprios recursos, pois sempre esteve em
mim que servir ao Flamengo era um sacerdócio, uma missão de alma, uma doação.
Contei
o caso de um malfeito por parte de uma pessoa que havia eu colocado para ocupar
interinamente o lugar do nosso vice-presidente de finanças que, por motivos
profissionais se mudara para Portugal. Esta pessoa, contrariando determinação
minha, para ajudar um amigo, autorizou um pagamento que havíamos decidido não
pagar, pois era um assalto ao clube. Quando fui informado do fato, tomei duas
atitudes. Afastei a pessoa e ressarci o Flamengo.
Após
fazer estas colocações perguntei aos presentes se havia coerência entre o que
estava eu sendo acusado e o meu comportamento como dirigente do clube. Como
alguém pode ser irresponsável e negligente em assunto tão importante, se no dia
a dia, comprovadamente, foi cuidadoso e responsável ao extremo?
A
segunda parte da minha mensagem aos conselheiros foi relatar fielmente o
ocorrido.
Dos
seis milhões aportados pelo Consórcio, 800 mil eram referentes a adiantamento
feito pela gestão anterior e cinco milhões e duzentos foram destinados a
resolver a penhora importante e comprar o passe de Edmundo.
Estava
eu na Espanha, a serviço do Flamengo, quando recebi um telefonema de Michel
Assef e Getúlio Brasil, informando que os dirigentes do Consórcio Plaza haviam
decidido só liberar o dinheiro se nós déssemos a eles, caso o Shopping não
fosse aprovado, o passe do jogador, como garantia, e que a decisão deles era
irrevogável.
O
problema era gravíssimo, pois os cheques para a Parmalat – e para salvar os
apartamentos no caso da penhora – foram emitidos e entregues a quem de direito
e o vencimento para dois dias depois.
Claro
que usaram a nossa fragilidade para obter uma vantagem, nos colocando “numa
sinuca de bico”.
No
final do dia, após várias conversas, fizemos o exercício do que poderia ser o
pior cenário, que seria a não aprovação do shopping e, concluímos que ainda
assim, não seria de todo ruim, pois teríamos utilizado por um bom tempo e, sem
qualquer custo, o melhor jogador em atividade no Brasil, teríamos quitada a
dívida de 800 mil contraída pela gestão anterior e, teríamos resolvido o
problema da penhora.
O
melhor cenário, apenas relembrando, era o shopping aprovado e, neste caso,
automaticamente tudo incorporado ao patrimônio do Flamengo.
Para
manter a dignidade do clube, evitando o escândalo que dois cheques voadores poderiam
causar, informamos aos diretores do Consórcio que entregaríamos o documento,
inclusive com o “de acordo” do jogador.
Deixei
a presidência do clube em dezembro de 98. O shopping, foi oficialmente e
definitivamente aprovado em setembro de 99, quando o Governador Anthony
Garotinho sancionou, finalmente, o projeto (reprodução do diário oficial
abaixo). Ali, naquela data, por contrato, na cláusula 3.1, o Flamengo estava,
oficialmente, incorporando todos os benefícios aqui citados, ao seu patrimônio.

Última etapa: Governador sanciona projeto. Shopping totalmente aprovado (17/11/1999).
Com
tudo transcorrendo dentro da maior normalidade, dois meses após sancionar o
projeto, o Governador Garotinho jantando com algumas pessoas, ouviu de José
Isaac Perez, presidente do Consórcio Plaza que havia ele, Perez, subornado a
câmara de vereadores para aprovar o projeto (ler coluna do Boechat abaixo).
Atônito, ante bombástica revelação, o Governador ligou para o ex-presidente
Gilberto Cardoso, seu amigo de longa data, desde a época de Campos, informando
que, ante tamanho escândalo, revogaria sua decisão e, assim o fez.

Início do fim. Ricardo Boechat anuncia o fim do Shopping (18/12/1999).

O
contrato entre Flamengo e o Consórcio estava em pleno vigor. A revogação por
parte do governador, tornou, consequentemente, o contrato nulo. Pergunta: Quem
deu causa ao rompimento do contrato?
A
resposta é óbvia e, ao invés de incursionar no judiciário, contra o Consórcio,
reivindicando seus direitos, a diretoria do Flamengo nada faz. O tempo passa e,
os poderosos empresários do Consórcio entram com uma ação contra o Flamengo,
reivindicando os seis milhões de volta. A direção do Flamengo, ao invés de
enfrentar, até porque o direito era pra lá de bom, afirma em juízo, como tese
de defesa, que o clube não tinha responsabilidade alguma, pois este assunto
deveria ter passado pelo Conselho Deliberativo e, isto não havia sido feito.
Incrível, ridículo, criminoso, mas esta foi a nossa defesa. Pergunto: que culpa
tenho ante tamanha barbaridade? Pergunto mais: por que o Flamengo não acionou
em momento algum o Consórcio, por perdas e danos?
Contei
também para os conselheiros, episódio triste, ocorrido, se não me falha a
memória, em 2007, em que era eu vice de futebol. A situação financeira do
clube, caótica. O presidente Márcio Braga mal de saúde, e os salários dos
jogadores em atraso quase chegando ao limite do suportável.
Havia
um jogo programado para uma quarta-feira e, no dia anterior, na concentração os
jogadores resolveram que não iriam para o jogo no dia seguinte. Fui avisado por
Fábio Luciano, indo imediatamente para o local da concentração, onde nos
reunimos e, me foi dado o prazo, até às 16h de quarta-feira para que os
depósitos fossem feitos nas contas dos jogadores, caso isto não ocorresse,
todos iriam embora e não haveria jogo.
Como
um louco, corri atrás do dinheiro e consegui um empréstimo de quase seis
milhões e, às 15h, todos os depósitos foram feitos. Assim foi evitada uma
mancha irrecuperável na imagem do Flamengo. Já imaginaram as manchetes, se o
jogo não tivesse ocorrido?
Aí,
também não havia tempo para juntar o Conselho e, é bom lembrar que, qualquer
mútuo, pelo estatuto, só pode ser feito com a aprovação do Conselho.
Perguntei
o que faria cada um deles. Deixar o Flamengo ir para outra página que não a
esportiva, no que seria o maior “mico” de uma história pra lá de centenária ou,
tomar a decisão que tomamos?
A ação
de regresso contra mim foi arquivada, com o plenário votando favoravelmente e,
em sintonia como havia se manifestado a vice-presidência jurídica do clube.
No
encerramento, contei o caso do ator Mário Gomes, que em 1977, no auge de sua
carreira, foi vítima de inominável cafajestada, com uma notícia plantada,
segundo dizem, por um marido traído.
A
notícia foi a de que Mário Gomes dera entrada na emergência do hospital Miguel
Couto, com uma cenoura entalada em seu ânus. A partir daí, Mário Gomes, virou
“Mário Cenourinha” e sua vida desmoronou. Hoje, vende sanduíche na praia e diz
que carrega o peso desta cenoura maldita até hoje. A minha cenoura, foi este
shopping center. Também maldito e recheado também por cafajestes e
cafajestadas, internas e externas.
Como
disse o sobrevivente Mário Gomes, em recente entrevista, “o que não mata,
engrandece”. Continuo vivo. Ontem, a penúltima etapa vencida. Resta agora, o
Conselho de Administração. Vamos pra lá. Quem não deve, não teme.
Obrigado,
de coração, a tantos e tantos companheiros de luta no Flamengo, pelo apoio
incondicional, pelo amor e, pelo carinho de sempre.
Ontem,
quando subi à tribuna, sendo o último orador inscrito, lembrei muito da minha
genial professora de fonoaudiologia, Glorinha Beuttenmüller, quando ainda
garoto, na Rádio Tupi, pedi uma dica para para me comunicar com sucesso. A
resposta, genial e pragmática, me marca profundamente até hoje:
“SEJA
SINCERO”!

MAIS LIDOS

Libertadores: Gerson cutuca o Del Valle após goleada

O Flamengo jogou na noite desta quarta-feira diante do Independiente del Valle, em confronto válido pela Libertadores da América. O Rubro-negro não tomou conhecimento do rival, vencendo...

Audiência do Flamengo no SBT vence a Globo; veja os números

O Flamengo jogou na noite desta quarta-feira diante do Independiente del Valle, em confronto válido pela Libertadores da América. Diferentemente do jogo de ida...

Torcedores invadem perfil do Del Valle e devolvem provocações após goleada

O Flamengo entrou em campo na noite desta quarta-feira, em jogo válido pela Libertadores da América. O torcedor do Rubro-negro ficou preocupado com o...

Flamengo se impõe e atropela Del Valle em noite de classificação garantida; veja as notas

O Flamengo entrou em campo diante do Independiente Del Valle, mais uma vez todo remendado. Mas a presença dos garotos do sub-20 parece não...