Luxemburgo causa polêmica ao falar do racismo no futebol

O assasinato de George Floyd por um policial nos Estados Unidos gerou uma onda de protestos no país. A revolta e a cobrança pela punição dos policiais chegou também em outros países, tendo o Brasil como um dos grandes exemplos. Em entrevista concedida a Folha de São Paulo, Vanderlei Luxemburgo, treinador do Palmeiras, minimizou o racismo no futebol.

TIANJIN, CHINA – SEPTEMBER 28: (CHINA OUT) Vanderlei Luxemburgo, new head coach of Tianjin Songjiang Football Club, visits the club’s football training base on September 28, 2015 in Tianjin, China. (Photo by VCG/VCG via Getty Images)

”Essa questão aflorou muito nos Estados Unidos. É uma discussão bem doida para se chegar ao consenso. O que houve lá foi brutal, foi uma covardia. Aqui no Brasil existem algumas situações. Mas eu vejo em algumas situações que se tratam como racismo o que é totalmente desnecessário se tratar como racismo. Isso o que aconteceu é racismo. Existiu uma ira, uma raiva. Da mesma forma como morreu, morre muito branco também de formas agressivas, de sacrificar. Acho que os atos de racismo no futebol são provocados e eu achava que deveriam ser deixado de lado. Dão muito prestígio, muito moral à maneira como se trata o racismo no futebol. Nada mais é do que uma bobagem, ao meu ver. Aquilo, sim, que o cara fez (nos Estados Unidos) é racismo puro. Mas no futebol o cara brincar com o outro, gozar o outro para desestabilizar o camarada, dizer que aquilo ali é ato de racismo, não sei.”, declarou Luxemburgo.

No Brasil, é comum ver atitudes racistas nas arquibancadas e até dentro de campo, com os próprios jogadores. Essa situação gera muita revolta, mas continua acontecendo com uma frequência muito grande.

Compartilhe

Amante do futebol desde sempre. Já trabalhei em diversos portais, agora estou no Fla Hoje, onde tenho o orgulho de espalhar todos os dias notícias para a torcida Rubro-negra do Mais Querido.